Redação Pragmatismo
Barbárie 23/Fev/2018 às 13:30 COMENTÁRIOS
Barbárie

Universitária queimada pelo próprio pai morre após lutar 11 dias pela vida

Publicado em 23 Fev, 2018 às 13h30

Estudante universitária de 18 anos morre após passar 11 dias internada. A jovem sofreu queimaduras de 1º e 2º graus em 88% do corpo e não resistiu. O autor do crime ateou fogo em si próprio e nos filhos porque não aceitou o pedido de divórcio da esposa

Juliana Oliveira queimada pelo pai
Juliana Oliveira (Imagens: Reprodução/Facebook)

Juliana Oliveira, de 18 anos, estava internada desde o dia 10 de fevereiro no Centro de Tratamento de Queimados, no hospital Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza, capital do Ceará.

A jovem, que estudava Economia na Universidade Regional do Cariri (Urca), faleceu na última quarta-feira (21) após passar 11 dias internada, lutando pela vida. Juliana sofreu queimaduras de 1º e 2º graus em 88% do corpo e não resistiu.

O crime aconteceu na noite de 9 de fevereiro. João Batista, pai de Juliana, chegou bêbado em casa e ateou fogo na residência com toda a família dentro.

De acordo com as testemunhas, o homem não aceitou o pedido de divórcio da esposa. O agricultor ateou fogo nos filhos e em si próprio. Ao ver a fumaça, vizinhos arrombaram a porta da casa e conseguiram retirar a família das chamas. As informações foram confirmadas pelo delegado Bruno Sampaio, que investiga o crime.

A família foi atendida de imediato no hospital de Assaré (CE). No entanto, Juliana se encontrava em condições mais críticas e foi transferida de helicóptero para Fortaleza.

No último dia 20, o pai de Juliana e autor do crime já havia falecido. Ele tinha 90% do corpo queimado. A mãe e o irmão de Juliana tiveram queimaduras leves; ela permanece internada na cidade de Barbalha (CE) e o filho está com os familiares.

Esperança

No velório e sepultamento de Juliana, que ocorreram nesta quinta-feira (22), amigos e familiares contam que tinham esperança na recuperação da estudante.

“Sempre a notícia era de que ela estava melhorando um pouquinho, estava abrindo os olhos, estava começando a ouvir. Tanto que quando eu conversei, ela reagiu um pouco, e senti como se ela tivesse me escutando, então a morte dela foi um baque. É muito difícil aceitar, porque ela é muito nova, estava fazendo faculdade, todo mundo está muito abalado”, disse a prima Camila Alencar.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários