Redação Pragmatismo
Direita 28/Fev/2015 às 08:00 COMENTÁRIOS
Direita

Gustavo Guerra, caso de polícia e de saúde mental

Publicado em 28 Fev, 2015 às 08h00
gustavo guerra

Marcos Sacramento, DCM

Racista, homofóbico, rapper e fã de travestis. Gustavo Guerra, o nazista criador da página “Eu não mereço mulher preta” e autor de um vídeo em que defende a legalização do estupro, tem um perfil contraditório e perturbado. É o que mostra o canal que o rapaz, morador de Caxias do Sul (RS), mantém no youtube.

Em um vídeo de julho de 2014, ele, então com 20 anos, demonstra a mesma confusão de ideias dos moderadores do Facebook – a página dele foi banida, voltou ao ar dias depois mas após protestos caiu novamente, possivelmente por pouco tempo.

No vídeo, Guerra diz que teve problemas com drogas na adolescência, chegando a ser internado duas vezes. Revela que mora sozinho e vive de biscates não especificados. Mostra uma marca na testa e explica que caíra do berço quando bebê e sofrera muitas pancadas na cabeça quando criança. Ele fala devagar, é pouco articulado e os vídeos chegam a ser enfadonhos.

Mas têm audiência. Um deles, “Metendo a real nos negros” (?!?) tem 60 mil views.

Diz que só fala a verdade e faz questão de mostrar o documento de identidade para provar que não é um fake. “Ser falso é coisa de mulher, de viver de aparência, de viver fazendo média para os outros. Tudo que eu falo é verdade, por exemplo, travesti, eu já comi, já namorei uma, no caso. Muita gente fala que Gustavo Guerra pegou travesti, que o cara é gay, mas peguei travesti para comer, me atraí pela beleza do travesti, que é praticamente a mesma coisa de mulher”.

Entre vídeos contra negros, veganos, policiais, maçons, judeus, esquerdistas e direitistas há o inusitado “Por que travesti é melhor que mulher”, em que ele relaciona as vantagens das travestis em relação às mulheres.

A preferência aparece também no vídeo em que ele improvisa um rap coxo e modorrento. “Vamo lá, vamos estuprar, penetrar, eu com travesti então, é minha preferência, porque é a ciência, entendeu, é a neomulher do momento, mulher do 2000”. Depois de soltar outras frases sem sentido, fazer referências ao consumo de cocaína e mostrar uma faca, ele termina a performance dizendo que “travesti é melhor que mulher”.

Para as mulheres o tratamento é o pior possível. “Se a mulher está de noite vestida como puta, provocando, sabendo dos riscos e é estuprada, bem feito, parabéns para o estuprador. E agora se é uma mulher que está usando burca, tem um namorado do lado, está às dez horas da noite dormindo em casa e não é uma vagabunda baladeira, aí sim sou contra o estuprador. São casos bem diferentes. Estuprar feminista, lésbica, vagabunda, aí eu sou a favor sim”, diz.

Gustavo Guerra não é só caso de polícia. É problema de saúde mental. Aliás, Freud, Jung e os psiquiatras foram atacados em um dos vídeos do caxiense.

A apologia ao estupro levou Gustavo a ser indiciado pelo Ministério Público Federal ainda no ano passado. Também respondeu por discriminação racial e apologia ao crime, segundo informações da Rádio Caxias. Os atos de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou nacionalidade são passíveis de pena de dois a cinco anos de reclusão. Para a prática de incitação ao crime a pena prevista é de três a seis meses de detenção. Caberá à Justiça determinar se ele é culpado ou inocente.

Realizado sexualmente, talvez ele seja menos perigoso à sociedade. Do jeito que está, é uma bomba relógio.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

COMENTÁRIOS