Redação Pragmatismo
Desigualdade Social 07/Mar/2017 às 16:10
0
Comentários

Laudo médico isenta Habib's e diz que menino morreu por uso de drogas

Laudo médico inocenta funcionários do Habib's e diz que João Victor, de 13 anos, morreu de infarto decorrente de uso de droga. Versão do laudo já era defendida pela lanchonete desde domingo. Exame foi contestado

João Victor Habib's laudo médico

Um laudo médico realizado pelo IML e divulgado nesta terça-feira (7) concluiu que João Victor, de 13 anos, teve uma parada cardíaca em razão do uso de drogas.

Segundo o documento, foram encontradas no corpo do garoto substâncias presentes no lança-perfume. Algumas escoriações também foram detectadas, mas sem traumas na cabeça do menino, diz o laudo.

A morte de João Victor na frente do Habib’s em São Paulo foi cercada de mistérios, versões e atitudes suspeitas.

Um gerente da lanchonete afirmou que o garotou saiu correndo, sem que ninguém o perseguisse, e caiu desmaiado. Um outro funcionário disse, por sua vez, que um cliente deu um soco na cabeça de João Victor.

A testemunha Sílvia Helena — que teve a versão ignorada pela PM por ser catadora de recicláveis —, garantiu que o menino foi perseguido por funcionários do Habib’s, e, assim que alcançado, foi agredido pelos mesmos. Essa versão foi confirmada por imagens de uma câmera de segurança.

Apesar do resultado do laudo, policiais informaram que irão avaliar o exame, que deve ser encaminhado para o 28º Distrito Policial, onde o caso é investigado.

Segundo Ariel de Castro Alves, o coordenador da Comissão da Criança e do Adolescente do Condepe (Conselho Estadual de Direitos Humanos de São Paulo), o laudo é “apenas uma das provas”.

Ariel argumenta que o documento precisa ser analisado em conjunto com os depoimentos de testemunhas, que relataram na delegacia terem visto o garoto ser agredido.

“Ainda é necessário se apurar de que forma essas supostas agressões e perseguição de funcionários do Habib’s podem ter contribuído para a morte do menino. O IML também precisa esclarecer se alguma lesão corporal foi constatada no corpo do jovem”, declarou em nota.

“O laudo do IML serve de alerta para que o caso seja tratado com cautela com relação à responsabilidade do gerente e do supervisor da lanchonete, que estariam envolvidos na ocorrência. É fundamental que as investigações prossigam através dos depoimentos de novas testemunhas e também com a análise de outras imagens e com a realização de novas perícias”, acrescentou.

Protestos

Internautas têm pedido boicote e protestado na página institucional do Habib’s no Facebook desde que foi divulgado o vídeo que comprova participação de funcionários da lanchonete no falecimento de João Victor.

“Que horror a atitude do Habbib’s. Espancarem uma criança frágil provocando sua morte. Corações de ferro. Não passo mais nem na porta. Boicote!”, postou a jornalista Hildegard Angel.

Desde o último domingo, antes da divulgação do laudo do IML, o Habib’s já sustentava em suas redes sociais a versão de que João Victor “morreu vítima de um mal súbito, e foi socorrido com vida”.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários