Redação Pragmatismo
Justiça 24/Feb/2017 às 14:24
0
Comentários

Ex-goleiro Bruno chora após ser solto pelo STF

STF manda soltar Bruno, ex-goleiro do Flamengo condenado por homicídio. Marco Aurélio Mello destacou que ex-atleta está preso há 6 anos e 7 meses sem que tenha sido condenado em segunda instância, motivo pelo qual deve ser solto para que recorra em liberdade. Bruno chorou ao saber da decisão

ex-goleiro bruno chora solto stf

O ministro Marco Aurélio Melo, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu uma decisão liminar (provisória) para que o goleiro Bruno Fernandes, preso quando jogava pelo Flamengo, seja libertado.

Na decisão, divulgada hoje (24), Marco Aurélio destacou que Bruno encontra-se preso há 6 anos e 7 meses sem que tenha sido condenado em segunda instância, motivo pelo qual deve ser solto para que recorra em liberdade.

“Nada, absolutamente nada, justifica tal fato. A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação da apelação, mas jamais à projeção, no tempo, de custódia que se tem com a natureza de provisória”, escreveu o ministro do STF.

O goleiro já havia tido um pedido de habeas corpus negado no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Bruno foi preso preventivamente em agosto de 2010, após um inquérito policial apontá-lo como principal suspeito de ter matado a ex-namorada Eliza Samudio, com quem teve um filho. Ela desapareceu em 2010, aos 25 anos, e foi considerada morta pela Justiça. Seu corpo nunca foi encontrado.

Em 2013, o Tribunal do Júri da Comarca de Contagem (MG) condenou o goleiro a 22 anos e 3 meses de prisão pelos crimes de homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, com emprego de asfixia e com recurso que dificultou a defesa da vítima), sequestro e ocultação de cadáver.

O comparsa de Bruno, seu amigo Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, também foi condenado. A decisão do STF não menciona o cúmplice.

À época, o caso gerou grande comoção social e o júri negou a Bruno e Macarrão o direito de recorrer em liberdade. “O clamor social surge como elemento neutro, insuficiente a respaldar a preventiva”, escreveu Marco Aurélio na decisão em que mandou soltar o goleiro.

“Chorou”

Lúcio Adolfo, advogado de Bruno, disse que o ex-goleiro “ficou muito emocionado e chorou” ao saber da liminar assinada pelo ministro Marco Aurélio Mello.

“Ele ficou muito emocionado e chorou quando soube da liminar. Agora está calmo e esperando a soltura”, afirmou Lúcio.

O advogado informou que o ex-goleiro ficará em Minas, mas, por questões de segurança, não especificou onde.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários