Redação Pragmatismo
Racismo não 08/Feb/2017 às 17:27
0
Comentários

Documentário “Eu Não Sou Seu Negro” chega ao Brasil

Indicado ao Oscar 2017, ”Eu Não Sou Seu Negro“ baseia-se no manuscrito que descreve as relações étnicas durante a luta dos direitos civis pelos negros nos Estados Unidos com enfoque na morte dos principais ícones: Medgar Evers, Malcom X e Martin Luther King

documentário Eu Não Sou Seu Negro brasil
Documentário Eu Não Sou Seu Negro, baseado na morte de Martin Luther King e outro ícones (Imagem: Pragmatismo Político)

Mônica Berkovich, Cinematecando

Concorrendo ao Oscar de Melhor Documentário e sob as mãos do diretor e ativista haitiano Raoul Peck, nasce o documentário Eu Não Sou Seu Negro. A obra é baseada no manuscrito Remember This House, de James Baldwin, que descreve as relações étnicas durante a luta dos direitos civis pelos negros nos Estados Unidos com enfoque na morte dos principais ícones Medgar Evers, Malcom X e Martin Luther King. Mesma causa, porém, que possuía várias vertentes, o que levava a certos conflitos entre os mesmos – além do confronto com os brancos.

Engajado politicamente, Raoul Peck refugiou-se com sua família para o Congo a fim de fugir da ditadura de Papa Duvalier. Já foi taxista em Nova York, fotógrafo e jornalista na Alemanha, onde se formou em Cinema. Retornou ao Haiti com o objetivo de se estabelecer como cineasta e ativista político, onde por um breve período foi Ministro da Cultura (entre 1996/1997). Não saberia dizer ao certo se foi exatamente por ser ativista ou pelo o que já vivenciou que o fez dirigir com maestria este documentário, no qual passou a mensagem sem linhas tênues, sem se importar a quem vai ferir quando assistir.

O documentário em si não só expõe a violência vivida na época, mas também intercala com os dias atuais, com a violência policial que gerou o movimento Black Lives Matter, ao lado do já antigo movimento Black Panther. Expõe e nos faz questionar a forma que os filmes hollywoodianos e a mídia representavam os negros na época, tornando claro que, na sociedade, os negros eram sempre representados de forma bestial, inferior e que traziam doenças. A obra mostra como eles eram classificados apenas para servir o branco (como se fosse uma justificativa para a escravidão) e mostra as inúmeras formas pelas quais o preconceito existe. Não é preciso existir a agressão física para dar autenticidade ao mesmo – o racismo velado é o que mais fere, pois ele fica o tempo todo martelando na cabeça que o branco se acha superior ao negro.

Contendo cenas de passeatas contra os Direitos Civis pelos negros e dos Direitos dos Negros (que esclarece que o que eles tinham não era direito e, sim, dever, o que era garantido que não podiam lhe negar sua existência), a obra também expõe cenas de entrevistas dos líderes do movimento pelos Direitos Civis, como o autor James Baldwin respondendo que o racismo não vem dentro deles, mas está projetado na mente da sociedade branca. Por exemplo, a “síndrome de superioridade”: por que um homem branco não acredita que possa existir uma mulher negra médica, que ela tem a mesma capacidade psíquica e física?

O intuito de Peck não foi apenas passar uma mensagem, o que nos leva a refletir que o que aconteceu há 50 anos não mudou nos dias de hoje. Atualmente, vemos a repressão policial que a comunidade negra vive e a regressão que se encontra o atual governo dos EUA. Isso não é apenas em um país ou outro; é no mundo inteiro. Eu Não Sou Seu Negro mostra que ainda há muitos paradigmas a serem quebrados, e o mais importante: a conscientização. É preciso se conscientizar que o racismo existe e que, de fato, está mais presente do que nunca.

Leia também:
Os 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos
“No Brasil, homem pisa em mulher, branco em preto e rico em pobre”
Branco sai, preto fica: o melhor filme do ano
Django Livre: Até onde vai a liberdade artística de Tarantino?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários