Mailson Ramos
Colunista
Mídia desonesta 31/Jan/2017 às 13:18
0
Comentários

O restabelecimento do jornalismo-propaganda

A mídia brasileira é esfomeada por verbas federais; aprendeu sozinha a manipular os fatos e descolar-se da realidade: um exemplo de como não se deve fazer jornalismo.

jornalismo propaganda publicidade governo temer dinheiro jornalismo
Michel Temer dando coletiva para imprensa (reprodução)

Mailson Ramos*

Millôr Fernandes disse certa vez que se a imprensa brasileira fosse um pouco melhor poderia ter uma influência maravilhosa sobre o país. A verdade, porém, é que a imprensa descaracterizou a sua influência sobre a sociedade e a utiliza como moeda de troca para a obtenção de favores, verbas, publicidade. Este é um comportamento que evidencia a sobrevivência da mídia em ambiente hostil, onde o futuro do país não importa, mas sim quantos anos mais ela sobreviverá. Por isso não há profundidade nas discussões que a mídia suscita: ela fala a públicos e setores próprios, avessa à coletividade e muitas vezes descolada da realidade. Não é exagero dizer que o Brasil tem uma mídia que não conhece o Brasil.

A mídia brasileira é partidária. E se comporta como tal diante das vicissitudes e alternâncias do poder; para os veículos de imprensa no Brasil, independente das perspectivas ideológicas ou programáticas de um governo, o que importa no fim é manter a relação de mutualismo, caracterizada pela transformação do jornalismo em propaganda. E isto acontece a céu aberto, sob a premissa de que é preciso discutir os projetos nacionais. É hipocrisia da grossa. A mídia jamais se preocupou em discutir projetos de Brasil, pois o que lhe apetece é a fragorosa verba de publicidade federal – decrescente nos últimos anos –, mas agora reestabelecida em altos valores pelo governo de Michel Temer.

Leia aqui todos os textos de Mailson Ramos

Um exemplo deste mutualismo é a ação da mídia na campanha para a aprovação da reforma da Previdência. O jornalismo aderiu à campanha em tom de propaganda aberta. A matéria exibida recentemente no programa ‘Mais Você’, da TV Globo, explorou por alguns minutos “a necessidade de se aprovar a reforma de uma Previdência que tem fundos escassos”. Inserções gráficas são bancadas pelo Governo Federal nos portais de notícias, em páginas inteiras dos jornalões, nas pequenas e esfomeadas mídias que aderiram ao impeachment de Dilma Rousseff como a salvação da lavoura.

A reforma do Ensino Médio também ocupou lugar de destaque nas campanhas publicitárias da grande mídia. É importante observar que poucas vezes no Brasil um governo utilizou tanto o poderio da mídia nativa para impor reformas. É um modelo de dependência de forças das esferas de poder público e privado que nos faz pensar o quanto somos ainda atrelados à influência midiática especialmente da televisão. Não por menos o novo governo aumentou impostos sobre empresas de transmissão de streaming de vídeo e áudio como Netflix e Spotify. E isso não acontece por acaso.

Leia também:
Governo Temer bate recorde de gastos com publicidade federal
Presente bilionário de Michel Temer às teles deveria ser escândalo nacional
Governo fala em ‘cortes’ mas aumenta gastos com publicidade na mídia corporativa
Governo Temer quer recuperar concessões de rádio e TV para políticos
Publicidade de Michel Temer segue o padrão da propaganda nazista

Existe hoje um movimento de salvação da mídia tradicional encampado pelo governo de Michel Temer. O entusiasmo da nova-velha administração fez brotar a necessidade das reformas, uma nova pactuação entre velhas forças políticas que vivem sobressaltadas. A mídia afugenta os abutres, mas sabe como ninguém chamá-los de volta à carniça. E assim mantém viva a necessidade dos governos de se ajoelharem ao seu poder. Não é estranho que todos os presidentes até aqui tenham subjugado a lei de democratização dos meios de comunicação. Preferem brigar até mesmo com a Igreja, com o papa, mas não com os poderosos monopólios de comunicação que comandam os destinos deste país.

O bom jornalismo está vivo, mas restrito a determinadas circunstancias e espaços. Não está infiltrado nas grandes redações e possivelmente não estabelece contatos com a velha política. O bom e independente jornalismo está a anos luz do que representa a mídia brasileira. Nenhuma peça de marketing ou propaganda pode conceder a uma emissora de TV ou um jornal a sua capacidade de ser fiel aos fatos. Nesta lista seriam excluídos grandes grupos de comunicação que se tornaram conhecidos por mascarar os fatos. Como a Globo, que há trinta e três anos mostrava o movimento das Diretas Já como se fosse o aniversário de São Paulo.

Saiba mais:
Quem tem medo da regulamentação da mídia no Brasil?
Conheça os donos da mídia no Brasil
A imprensa e o papel das mídias no Brasil

*Mailson Ramos é escritor, profissional de Relações Públicas e autor do blog Nossa Política. Escreve semanalmente para Pragmatismo Político.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários