Redação Pragmatismo
Política 15/Dec/2016 às 17:44
0
Comentários

Os 3 nomes favoritos para substituir Michel Temer na Presidência

Caso Michel Temer não renuncie até 31 de dezembro, é provável que tenhamos eleições indiretas em 2017. Nos bastidores do Congresso fala-se em 3 nomes favoritos para assumir a Presidência

Michel Temer eleição indireta Jobim
Saída de Temer é dada como cada vez mais certa em 2017. Três nomes surgem com força para substituo-lo em uma eleição indireta, embora um deles se destaque

O ex-ministro Nelson Jobim é, até agora, o nome mais recorrente em todas as discussões sobre quem poderia ser eleito pelo Congresso para a Presidência, se Temer perder a cadeira ou renunciar a partir de 2017.

A Constituição determina a realização de eleições indiretas em caso de vacância do mandato presidencial nos últimos 2 anos. O sucessor seria escolhido pelo Congresso.

Em todos os lugares, o ex-ministro sempre se viu cercado por comentários sobre a possibilidade de ocupar mandato tampão até as eleições de 2018. Publicamente, ele tem dito que não leva a sério a hipótese. Mas reservadamente se mostra interessado. Perguntou a amigos do PT, do PSDB e do PMDB sobre a possibilidade de o Congresso o escolher.

Todos que foram ouvidos concordam que seria um nome bastante viável. Mas os mais próximos têm dito que terá grandes dificuldades de governar qualquer que seja o escolhido.

Amigo pessoal de Lula e FHC, Nelson Jobim foi deputado constituinte, líder do PMDB, ministro da Justiça e da Defesa dos governos do PSDB e do PT. Também foi presidente do Supremo Tribunal Federal.

Outros nomes

Há no momento uma discussão intensa no Congresso e nos meios políticos sobre como deverá ser escolhido um eventual sucessor de Michel Temer.

Os partidos de oposição e alguns governistas têm convicção de que somente a eleição indireta não daria legitimidade a um presidente para enfrentar a crise.

Com bastante trânsito no PT, especialmente na cúpula do partido, Nelson Jobim é visto como um nome capaz de levar os petistas a aceitarem a eleição indireta. E de criar condições para um acordo de governabilidade até as eleições gerais de 2018.

Outros nomes que têm circulado como possíveis candidatos a presidente numa eleição indireta são 2 ministros do Supremo Tribunal Federal. A atual presidente da Corte, Cármen Lúcia, e Gilmar Mendes.

Ambos têm bom trânsito na mídia, sobretudo um contato amistoso com o Grupo Globo, a maior empresa jornalística do Brasil — o que lhes pode ser favorável.

Gilmar tem uma vantagem quando se trata de contato com o Congresso. Os 2 magistrados, entretanto, enfrentam resistências da esquerda – um setor do espectro político com o qual Jobim cultivou uma relação mais sólida.

VEJA TAMBÉM: Quem escolhe o substituto de Michel Temer na Presidência?

Poder 360

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários