Redação Pragmatismo
Lula 07/Dec/2016 às 12:14
0
Comentários

FHC vai testemunhar no caso tríplex envolvendo Lula

FHC será intimado por Sergio Moro para testemunhar no caso triplex -- ação em que Lula é acusado de receber propina da OAS

fhc testemunhar triplex lula lava jato
Fernando Henrique Cardoso, ex-Presidente do Brasil (reprodução)

Cíntia Alves, Jornal GGN

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) será intimado a depor como testemunha de defesa no processo em que a Operação Lava Jato acusa Lula de ter recebido da OAS um triplex no Guarujá, entre outras vantagens indevidas.

Segundo despacho assinado por Sergio Moro na segunda-feira (5), FHC foi selecionado pela defesa de Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula. O depoimento deverá ocorrer dia 9 de fevereiro de 2017, por videoconferência, a partir de São Paulo, as 9h30. A lei impede que o ex-presidente se recuse a colaborar.

Okamoto é réu nessa ação por ter assinado um contrato com a empresa Granero para armazenar parte do acervo presidencial de Lula. Ao longo de pelo menos quatro anos, a OAS fez os pagamentos à Granero, ao custo toal de cerca de R$ 1 milhão. A Lava Jato diz que esse contrato foi fraudulento, pois omitia o real caráter do serviço.

Além disso, os procuradores afirmam que a OAS só aceitou pagar pela manutenção do acervo e pela reforma de um apartamento no Condomínio Solaris como contrapartida a três contratos que obteve com a Petrobras, por obras nas refinarias de Abreu e Lima (PE) e Getúlio Vargas (PR).

Na Lava Jato, FHC aparece em delações de Nestor Cerveró e Fernando Soares, por exemplo. Eles contam detalhes de como o governo do tucano viabilizou a cobrança de propina a empresas contratadas para construir termelétricas em regime de urgência, numa tentativa fracassada de evitar o apagão que se deu no início dos anos 2000.

Saiba mais:
Esquema na Petrobras começou com FHC, diz empreiteira
Cerveró: “Filho de FHC nem sabia o que era termelétrica e foi contratado pela Petrobras”
Delator cita filho de FHC em esquema de corrupção na Petrobras
Nestor Cerveró inclui governo FHC na Lava Jato

De acordo com o despacho de Sérgio Moro, a pedido da defesa de Okamoto, José Sarney também será intimado.

A defesa de Lula, por sua vez, arrolou como testemunhas o senador Romero Jucá, o ministro do Tribunal de Contas da União José Mucio Monteiro Filho, o deputado federal Henrique Fontana, o ministro da Fazenda Henrique Meirelles, o deputado federal Arlindo Chinaglia, o ministro Gilberto Kassab e o senador Renan Calheiros.

A oitiva das testemunhas de acusação selecionados pelo Ministério Público Federal se encerra no dia 16 de dezembro, diz Moro. Até agora, a defesa de Lula diz que nenhum colaborar conseguiu provar as acusações da Lava Jato. Já foram ouvidos delatores como Delcídio do Amaral, Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Alberto Youssef.

Esses depoimentos, entre outros, ainda carecem de data, horário e local a confirmar.

O CALENDÁRIO DESIGNADO POR MORO PARA 2017:

09/02/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com São Paulo/SP

Heitor Pinto e Silva Filho, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Jair Saponari, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Fernando Henrique Cardoso, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Emerson Granero, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Valentina Caran, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Danielle Ardaillon, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Ana Maria de Almeida Camargo, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Heloísa Liberalli Bellotto, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;
Johanna W. Smit, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto.

10/02/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com São Paulo/SP:

Luiz Fernando Furlan, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Alexandre Padilha, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Ricardo José Ribeiro Berzoini, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Pedro Dallari, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Letícia Archur Antônio, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;

13/02/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com Salvador/BA:

Daniel Gonzalez, arrolado pela Defesa de Fabio Yonamine;
Adriano Cláudio Pires Ribeiro, arrolado pela Defesa de Fabio Yonamine;
Jaques Wagner, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
José Sergio Gabrielli, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia

13/02/2017, às 14:00 – por meio de videoconferência com Barueri/SP:

Aline Mascarenhas de Sousa, arrolado pela Defesa de Paulo Gordilho;

13/02/2017, às 15:00 – por meio de videoconferência com Marília/SP:

Sônia Maria Troitiño Rodriguez, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;

14/02/2017, às 14:00 – por meio de videoconferência com São Luís/MA:

José Sarney de Araújo Costa, arrolado pela Defesa de Paulo Okamoto;

14/02/2017, às 16:00 – por meio de videoconferência com Belo Horizonte/MG:

Walfrido dos Mares Guia, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;

16/02/2017, às 14:00, presencial, perante este Juízo, para as testemunhas residentes em Curitiba/PR:

Jose Paulo Assis, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Mário Márcio Castrillon de Aquino, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;

16/02/2017, às 15:30 – por meio de videoconferência com Porto Alegre/RS:

Tarso Fernando Herz Genro, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Flávio Fernando Casa Nova da Mota, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Fábio Oliveira do Vale, arrolado pela Defesa de Paulo Gordilho;

20/02/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com Salvador/BA:

Alana da Silva Batista, arrolado pela Defesa de Paulo Gordilho;
Carlos Alberto Dias dos Santos, arrolado pela Defesa de Paulo Gordilho;
Maria Angélica Belchote Trocoli, arrolado pela Defesa de Paulo Gordilho;
Manira de Souza Mustafa Nunes, arrolado pela Defesa de Paulo Gordilho;

21/02/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com São Paulo/SP:

Alexandre Tourinho, arrolado pela Defesa de Fabio Yonamine e Roberto Ferreira;
Fernando Hiroyuki Inoshita, arrolado pela Defesa de Fabio Yonamine;
Thiago Antônio Dias, arrolado pela Defesa de Fabio Yonamine;
Lauro Gomes Ladeia, arrolado pela Defesa de Paulo Gordilho;
Otávio Santos Lima, arrolado pela Defesa de Roberto Ferreira;
Carlos Fernando Heckman Júnior, arrolado pela Defesa de Roberto Ferreira;
Carlos Alberto Innocêncio, arrolado pela Defesa de Roberto Ferreira;

21/02/2017, às 14:00, horário de Brasília, por meio de videoconferência com Campo Grande/MS (horário local 13:00):

Sílvio Pettengill Neto, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;

01/03/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com Brasília/DF:

Paulo Lacerda, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Luiz Fernando Correa- arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Ricardo José Ribeiro Berzoini, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia

02/03/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com Brasília/DF:

Cláudio Lemos Fonteles, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;

Antônio Fernando Barros e Silva de Souza, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;

07/03/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com Brasília/DF:

Jorge Hage Sobrinho, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
José Aldo Rebelo Figueiredo, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
General Marco Edson Gonçalves Dias, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;
Brigadeiro Rui Chagas de Mesquita, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e Marisa Letícia;

08/03/2017, às 09:30 – por meio de videoconferência com Brasília/DF:

Gilberto Carvalho, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio, Marisa Letícia e Paulo Okamoto;
Claudio Soares Rocha, arrolado pela Defesa de Luiz Inácio, Marisa Letícia e Paulo Okamoto.

Há outras testemunhas aguardando agenda.

Leia também:
Por que escândalos de corrupção envolvendo tucanos não avançam na Justiça?
Janaina Paschoal recebeu R$ 45 mil do PSDB para elaborar parecer
Escândalo de Furnas que envolve Aécio Neves se arrasta na Justiça há 10 anos
124 bilhões de dólares e uma conta chamada “Tucano”
As maquiagens para omitir o PSDB da corrupção na Petrobras
Esposa do Juiz Sérgio Moro assessorou vice-governador do PSDB
É mesmo a “corrupção” que deixa a elite brasileira furiosa?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários