Redação Pragmatismo
Direita 04/Nov/2016 às 16:24
0
Comentários

Coronel Telhada ameaça ator preso em Santos durante apresentação de peça

Deputado estadual Coronel Telhada (PSDB) foi bem direto nas ameaças ao ator Caio Martinez Pacheco. O parlamentar afirmou que 'chumbo trocado não dói' e pediu para que o ator 'não se espante se alguma coisa acontecer'

coronel telhada ameaça ator santos preso
Coronel Telhada e o ator Caio Martinez Pacheco (Imagem: Pragmatismo Político)

O ator Caio Martinez Pacheco, preso pela Polícia Militar de Santos-SP durante apresentação da peça “Blitz“, no último domingo (30), relata ameaças feitas durante audiência pública, pelo deputado estadual Coronel Telhada (PSDB) na tarde de ontem (3), na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Em entrevista à Rádio Brasil Atual, ele conta que as agressões verbais aconteceram na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, da qual foi convidado a participar pelo deputado estadual Carlos Giannazi (Psol).

O Coronel Telhada participou e foi bem direto nas ameaças. Infelizmente, ouvimos inverdades. Ele disse que pessoas como a gente não podem ser consideradas cidadãos e disse que somos lixos. Também afirmou que ‘chumbo trocado não dói’ e ‘não se espante se alguma coisa acontecer’, porque (segundo Telhada) mexemos com as pessoas erradas e teremos todo o peso da Justiça atrás de nós“. O coronel anunciou que vai processar o grupo teatral e seus integrantes.

No domingo (30), soldados da PM e da Guarda Municipal santista interromperam uma apresentação pública da peça, na região central da cidade. Martinez foi algemado e levado de camburão para a delegacia, onde permaneceu detido por volta de cinco horas.

Giannazi entrou com um requerimento à Comissão de Direitos Humanos da Alesp pedindo a convocação dos responsáveis pelo Comando da PM em Santos, para prestar esclarecimentos sobre a repressão à manifestação artística.

Segundo Caio, diretor da peça “Blitz“, a apresentação propõe discutir a história da instituição da Polícia Militar de São Paulo de uma forma contemporânea, abordando os problemas da sociedade, como o alto índice de assassinatos de jovens periféricos e a violência em manifestações.

Leia também:
Texto de Antônio Cândido publicado em 1972 está mais atual do que nunca
Justiça diz que fotógrafo que teve olho mutilado por bala de borracha é culpado
Jovem atingida pela PM em ato contra Michel Temer perde a visão
Governo Alckmin gastou R$ 77 milhões contra manifestações após 2013
Polícia do Brasil é a mais mortal do mundo
O que é “combate à violência” no Brasil?

Em nenhum momento a gente quis desrespeitar algum trabalho, pois sabemos as situações difíceis que eles enfrentam. Mas não podemos deixar de ter senso crítico, até porque a gente pesquisou sobre o tema e algumas questões que abordamos poderiam estimular o senso crítico deles”, explica.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários