Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 14/Oct/2016 às 10:55
0
Comentários

Sergio Moro finalmente aceita denúncia contra Eduardo Cunha

Lava Jato: Sergio Moro finalmente aceita denúncia e Eduardo Cunha vira réu por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas em Curitiba

eduardo cunha sergio moro réu lava jato
Eduardo Cosentino da Cunha é um economista, radialista e ex-presidente da Câmara dos Deputados pelo PMDB/RJ (reprodução)

O juiz Sérgio Moro recebeu nesta quinta-feira (13) a ação contra o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se tornou réu na primeira instância acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A ação penal trata da existência de contas na Suíça em nome do ex-parlamentar.

Cunha terá apenas dez dias para apresentar sua defesa, já que o Supremo Tribunal Federal (STF) já havia aceitado a denúncia e a 13ª Vara da Justiça Federal no Paraná apenas dará andamento ao processo.

O imbróglio sobre as contas na Suíça foi o que motivou a cassação do mandato de Eduardo Cunha na Câmara dos Deputados. Ele havia afirmado em depoimento na CPI da Petrobras que não tinha dinheiro fora do país, o que foi desmentido após a Justiça localizar uma conta em nome do então parlamentar na Suíça.

A denúncia da Procuradoria-Geral da República afirma que Cunha manteve contas secretas na Suíça abastecidas com dinheiro desviado de contratos da Petrobras, com valores que chegam a R$ 5 milhões. O ex-deputado nega irregularidades e diz que as contas pertencem a trustes (modalidade de aplicação financeira).

Quando acatou a denúncia no STF, o relator da Operação Lava Jato, Teori Zavascki, argumentou que há “indícios robustos” para abrir a ação penal contra o peemedebista e apurar os crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva, evasão fiscal e falsidade eleitoral.

Quando tornou-se réu no STF, a advogada do peemedebista afirmou que a denúncia “não detém justa-causa”. Ela afirmou ainda que há “falta de elementos indiciais e não descreve nenhuma conduta imputável ao acusado”. Segundo a defesa, “é preciso mais que a ocultação de valores para incidir no crime de lavagem de dinheiro”, argumentou.

A esposa de Cunha, a jornalista Cláudia Cruz, e a filha dele, Danielle Dytz, também são suspeitas de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. As duas movimentaram US$ 1 milhão com um cartão de crédito ligado à conta offshore “Köpek”, na Suíça, da qual Cláudia é a única controladora. Segundo o Ministério Público Federal, a conta recebeu depósitos de fontes suspeitas para viabilizar, entre outras coisas, a aquisição de parte de um bloco de exploração de petróleo na África pela Petrobras, em 2011.

Relembre:
Esposa de Eduardo Cunha ensina como gastar R$ 64 mil em 3 dias em Paris
Dinheiro público foi convertido em sapatos para a esposa de Cunha
Esposa de Cunha torrou milhões por meio de cartões de crédito das contas secretas
Esposa de Eduardo Cunha finalmente vira ré na Lava Jato
MP pede que Cláudia Cruz devolva R$ 34 milhões aos cofres públicos
Sergio Moro devolve passaporte de esposa de Eduardo Cunha
Sergio Moro tenta intimar esposa de Cunha mas fracassa duas vezes

Cláudia virou ré e deve ser julgada pelo juiz Sérgio Moro. A maior parte dos recursos da Köpek vem de três contas offshore ligadas a Cunha: Triumph, Netherton e Orion. A Procuradoria-Geral da República sustenta que o dinheiro seguiu para as offshores Lusitania Petroleum e Acona, antes de chegar aos “trustes” de Cunha.

Leia também:
Filha de Eduardo Cunha já pediu, no passado, punição a corruptos. E agora?
Família Cunha tem frota de luxo: Porsches, BMW e cinco SUVs
A ameaça de Eduardo Cunha a Michel Temer
Processo contra Eduardo Cunha sai do STF e vai para Sergio Moro
Eduardo Cunha se diz traído por Michel Temer: “não fez nada por mim”Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários