Luis Gustavo Reis
Colaborador(a)
Compartilhar
Direitos Humanos 04/Oct/2016 às 11:46
2
Comentários

Os pistoleiros da ONU e a ocupação do Haiti

pistoleiros onu haiti Minustah coléra
Placa elaborada por haitianos sobre o surto de cólera disseminado por soldados da Minustah (reprodução)

Luis Gustavo Reis*

Em 1° de junho de 2004, tropas da ONU, lideradas pelo Brasil, ocuparam o Haiti e deram início à chamada Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah). A justificativa era restaurar a ordem e estabilizar o país após a renúncia do presidente Jean-Bertrand Aristide. O Brasil aproveitou o ensejo para tentar se projetar internacionalmente e assumir a liderança da geopolítica regional.

Em situação de extrema vulnerabilidade, o Haiti amargava um cenário de guerra entre gangues rivais, além de uma grave crise política e econômica. O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, chegou a dizer que a missão tinha prazo para começar, mas não para terminar, devido à complexidade da situação.

Em discurso na capital, Porto Príncipe, à época, o governo brasileiro selava um compromisso com o povo haitiano: “Quando anunciamos a decisão de mandar tropas para este país, com o apoio do Congresso Nacional, reconhecemos que o Brasil não poderia ficar alheio ao sofrimento e à dor de um povo irmão. […] O Brasil acredita em um Haiti melhor para o seu povo. Não podemos nos resignar a assistir, com impotência e fatalismo, à escalada da instabilidade e do medo. Queremos ajudar este país a reerguer-se, a reconstruir suas instituições, a cicatrizar suas feridas, a reencontrar o caminho do desenvolvimento e da justiça social”. Passados 12 anos, os tímidos avanços gerados pela intervenção contrastam com a retórica farsesca que objetivava muito mais uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU. Em suma, um descarado oportunismo trasvestido de ação humanitária.

O Haiti foi o primeiro país das Américas a abolir a escravidão. Foi palco da epopeia de milhares de escravizados que derrotaram as tropas napoleônicas – um dos exércitos mais poderosos da época – e conquistaram a independência em 1804. Quando expulsaram os colonizadores, os escravizados ofereceram a vitória aos povos indígenas que haviam tombado naquelas terras, dizimados pela ganância dos franceses.

Logo após a independência, o Haiti foi sucessivamente massacrado por potências colonialistas, as quais impuseram ao país um criminoso embargo econômico que estrangulou sua economia. No avançar dos anos, tornou-se o quintal dos Estados Unidos, que, ao longo do século XX, patrocinou sanguinárias ditaduras no país.

Em 2010, o território foi arrasado por um terremoto que deixou mais de 240 mil mortos e aproximadamente 1,5 milhão de desabrigados. Entorpecidos de um altruísmo mequetrefe, dirigentes mundiais prometeram uma ajuda de 10 bilhões de dólares para a reconstrução do país, porém menos de 5% desse total chegaram à ilha caribenha.

Após o terremoto, a situação do país beirou o colapso. No fim de 2010, um surto de cólera contaminou mais de 650 mil pessoas, deixando 8,3 mil mortos. Cólera disseminada por soldados nepaleses que integravam a Minustah, segundo relatório elaborado pelo renomado epidemiologista francês Renaud Piarroux.

Chama a atenção o papel desempenhado pelo Brasil em um país latino-americano historicamente espoliado. A imagem muitas vezes transmitida por veículos de mídia oficiais e pela grande mídia comercial é a de que os soldados brasileiros desempenham um papel de paz e solidariedade, todavia são várias as denúncias de rotineiras violações de direitos humanos e de abusos sexuais contra jovens e mulheres cometidos por soldados da Minustah.

Leia aqui todos os textos de Luis Gustavo Reis

Amparado pelo silêncio cínico da mídia e assentado no desinteresse dos congressistas, o governo brasileiro cumpre no Haiti o desonroso papel de capanga há exatos 12 anos. Por várias vezes se discutiu o encerramento da operação na ilha caribenha, sob a alegação de escassez de recursos para viabilizar projetos sociais e de desenvolvimento, desnudando assim a farsa que está subjacente à “ocupação solidária”.

Assim que assumiu o cargo de comandante-geral das forças da ONU no Haiti, o general Ajax Porto Pinheiro afirmou: “Em outubro de 2016, as últimas tropas da ONU vão partir do Haiti. Vou ficar para o último avião e encerrar a missão militar“.

Leia também:
Haitianos rechaçam comentários de Luciano Huck e da TV Globo
Haitianos baleados: depois do atentado, o desprezo e o descaso
Haitianos relatam rotina de humilhações e preconceito no Brasil

Chegamos a outubro e não há indícios de que as tropas deixarão o país. A bravata do general engorda as reiteradas mentiras do governo brasileiro, que certamente postergará a decolagem do famigerado avião carregando os últimos pistoleiros de aluguel da ONU.

*Luis Gustavo Reis é professor, editor de livros didáticos e colabora para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Antonio Palhares Postado em 04/Oct/2016 às 14:46

    VOCES ESQUECERAM DE MENCIONAR QUE A MAIOR DESGRAÇA HAITIANA, FORAM SEUS GOVERNOS GENOCIDAS E CORRUPTOS DA DINASTIA PAPA DOC E BABY DOC, QUE NÃO ERAM BRANCOS. OU NÃO SE LEMBRAM DOS TONTONS MACOUTES? O Brasil so fez bem para os haitianos.

    • Moacir Postado em 05/Oct/2016 às 11:07

      GOVERNOS GENOCIDAS E CORRUPTOS ASSOCIADOS A CORRUPTORES ESTRANGEIROS! NO HAITI E ALHURES!