Redação Pragmatismo
Educação 27/Oct/2016 às 14:18
0
Comentários

Discurso comovente de aluna de 16 anos deixa deputado furioso

Ana Julia Pires Ribeiro, de 16 anos, deu uma aula de cidadania ao defender a legitimidade das ocupações em discurso diante de deputados. Um dos parlamentares ficou furioso com a jovem secundarista. Assista abaixo

estudante paraná ocupações Ana Julia Pires Ribeiro
A jovem estudante Ana Julia Pires Ribeiro

“De quem é a escola? A quem ela pertence? Acredito que todos aqui saibam a resposta.” Foi assim que a aluna secundarista paranaense Ana Julia Pires Ribeiro, de 16 anos, iniciou seu discurso (vídeo abaixo) no plenário da Assembleia Legislativa do estado, na tarde desta quarta-feira (26).

Ana Julia se dirigiu aos deputados com alertas sobre as demandas do movimento estudantil, que já ocupa 1.154 escolas pelo país contra a reforma do ensino médio e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, ambas medidas do governo de Michel Temer.

“Os colégios do Paraná e do Brasil estão ocupados pela educação. Não estamos lá para fazer baderna, não estamos lá de brincadeira. Lutamos por um ideal, porque a gente acredita no futuro do nosso país, que vai ser o país dos nossos filhos e dos filhos dos nossos filhos, e eu me preocupo com esse país”, disse a jovem, aluna da Escola Estadual Senador Manuel Alencar Guimarães.

O Paraná é o estado com o maior número de escolas ocupadas: 845 no total, seguida por Minas Gerais (69), Rio Grande do Sul (14) e Distrito Federal (12). De acordo com o levantamento da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). Em todo o país, são 1.047 escolas e institutos federais ocupados, além de 102 universidades, três Núcleos Regionais de Educação e outro espaço ainda não identificado pelo movimento.

“Se vocês ainda duvidarem da legitimidade do nosso movimento, os convido para participar das ocupações, para nos visitar e conhecer de perto o que fazemos. É um insulto a nós, que estamos nos dedicando, sermos chamados de doutrinados. É um insulto aos estudantes e aos professores”, disse Ana Julia, emocionada. “Nós estamos na escola e não somos vagabundos como dizem aqui. Estamos lutando por um ideal, porque acreditamos nele”, insistiu.

Os estudantes protestam contra a reforma no ensino médio, prevista na Medida Provisória 746, que foi anunciada pelo governo Temer em 22 de setembro. A MP foi duramente criticada por especialistas, que defendem que ela é ultrapassada e que fragmenta a formação. A reforma prevê, por exemplo, a flexibilização do currículo para que os alunos escolham entre as áreas de linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional. Artes, Educação Física, Filosofia e Sociologia deixam de ser obrigatórias e os professores não precisariam mais ter diploma de licenciatura.

“A Medida Provisória está prevista na Constituição, mas para casos emergenciais. Nós precisamos de uma reforma no ensino médio e em todo sistema educacional, mas ela precisa ser debatida e feita pelos profissionais da área de educação. O projeto tem lados positivos, mas tem muitas falhas e, se colocarmos ele em prática assim, o Brasil estará fadado ao fracasso”, seguiu.

A estudante lembrou que a MP do Ensino Médio não é a única reivindicação do movimento: “Tem também a chamada lei da mordaça e a proposta de Escola Sem Partido. É uma afronta: uma ‘escola sem partido’ é uma escola sem senso crítico, é uma escola racista, é uma escola homofóbica. É falar para os estudantes que querem formar um exército de não-pensantes, que só ouve e baixa a cabeça, e não somos isso”, afirmou. “Em pleno 2016 querem nos colocar um projeto desse? Isso nos insulta, nos humilha e diz que não temos capacidade de pensar por nós próprios, mas não vamos baixar a cabeça.”

Nas ocupações, os estudantes também protestam contra a PEC 241, que congelará os investimentos públicos por 20 anos, inclusive em educação, prevendo apenas o reajuste pela inflação do ano anterior. Professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) estimaram que, se a lei valesse desde 2005, os recursos para a educação em 2015 teriam caído de R$ 98 bilhões para R$ 24 bilhões.

“A PEC 241 é outra afronta, inclusive para a Constituição cidadã de 1988. É uma afronta à Previdência, à saúde, à educação e à assistência social. Não podemos deixar isso acontecer e cruzar os braços”, disse Ana Julia. “Somos um movimento apartidário, que se preocupa com as gerações futuras, com a sociedade e com o futuro do país. Que futuro o Brasil vai ter se não nos preocuparmos com uma geração de pessoas que não vão ter senso crítico e acreditar apenas no que estão lendo?”

O clima na sessão chegou a ficar tenso quando a jovem citou o episódio em que o estudante Lucas Eduardo Araújo Mota, também de 16 anos, foi encontrado morto na Escola Estadual Santa Felicidade, em Curitiba, na última segunda-feira (24), com perfurações no tórax e no pescoço. O estabelecimento está ocupado desde o dia 14 de outubro.

“Os que estão aqui representam o Estado e os convido a olhar as mãos de vocês. Elas estão sujas com o sangue do Lucas”, declarou. Nesse momento, o presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB), interrompeu o discurso e ameaçou suspender a sessão. “Aqui você não pode agredir os parlamentares. Ninguém está com a mão suja. Vou exercer minha autoridade”, disse Traiano. “Peço desculpas, mas o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) diz que a responsabilidade pelos adolescentes é da sociedade, da família e do Estado”, respondeu Julia, sendo bastante aplaudida por parte plenário.

VÍDEO:

RBA

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários