Redação Pragmatismo
Compartilhar
PSDB 13/Oct/2016 às 13:24
0
Comentários

Andrade Gutierrez confirma doação de R$ 20 milhões a Aécio Neves

PSDB e Aécio Neves entraram com ação de impugnação de mandato após delação da Andrade Gutierrez sobre doação eleitoral a Dilma. No entanto, origem do dinheiro para as campanhas do PSDB e PT é a mesma, confirma empreiteira

delação gutierrez doação aécio neves psdb
Imagem: Pragmatismo Político

Jornal GGN

Otávio Marques de Azevedo, empresário da Andrade Gutierrez, confirmou que fez doações à campanha presidencial de Aécio Neves (PSDB), em 2014, a pedido de um tesoureiro “informal”, o ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Oswaldo Bordes da Costa.

Na Operação Lava Jato, Oswaldo aparece em mensagens como “Oswaldinho”, cobrando propina da OAS em cima dos contratos das obras da Cidade Administrativa que Aécio construiu em Minas ao custo de R$ 1 bilhão. A informação saiu da delação de Leo Pinheiro.

No caso da Andrade Gutierrez, o depoimento sobre a doação eleitoral em 2014, no valor de R$ 20 milhões ao PSDB, e mais R$ 21 milhões ao PT nacional, foi dado ao ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral, em 19 de setembro, para instruir a ação de impugnação de mandato eletivo (AIME) que o PSDB apresentou para tentar cassar Dilma Rousseff.

No depoimento, o ex-presidente da Andrade confirma que fez a doação a pedido de Oswaldinho, e que tirou os recursos do mesmo caixa que abasteceu o PT. Ele também disse que, no caso do PT, alguns repasses podem ter sido feitos por cobrança de Antonio Palocci e Ricardo Berzoini no contexto investigado pela Lava Jato – propina como contrapartidas pelas obras junto ao governo federal – mais especificamente, por Belo Monte.

Porém, no caso do PSDB de Aécio, ele disse que não houve obras relacionadas no pedido de doação. Contudo, a Andrade Gutierrez, assim como a OAS, fizeram parte dos três consórcios de nove empreiteiras que ajudaram a tirar a Cidade Administrativa do papel. São elas: Camargo Correa, Mendes Júnior, Santa Bárbara, Norberto Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez, Via Engenharia e Barbosa Mello.

Leia também:
Por que escândalos de corrupção envolvendo tucanos não avançam na Justiça?
“Não sou do PT, então nunca serei preso”, diz deputado do PSDB
As maquiagens para omitir o PSDB da corrupção na Petrobras
PSDB vai à Justiça pedir a extinção do PT

O PSDB confirmou que Oswaldo atuava como operador do setor financeiro da campanha de Aécio, e disse que até agora não encontraram nenhuma irregularidade em sua atuação.

Oswaldo Borges atuou na campanha eleitoral do PSDB em 2014 – ao lado do sr Sérgio Freitas e tendo sido o ex-ministro José Gregori coordenador financeiro – , apoiando o comitê financeiro, sendo esse um fato de amplo conhecimento público, não havendo nele nenhum tipo de incorreção.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários