Redação Pragmatismo
Compartilhar
Desigualdade Social 05/Sep/2016 às 16:34
100
Comentários

Texto de Juíza que desnuda os mitos da 'meritocracia' viraliza nas redes sociais

Juíza usa sua própria história para desmascarar as falácias da tão propalada meritocracia. Entre os pontos abordados, Fernanda Orsomarzo afirma que se esforçou para chegar ao cargo que tem hoje, mas jamais teria conseguido se não tivesse acesso a uma série de privilégios. Confira a íntegra do texto que viralizou

juíza meritocracia texto redes sociais

A meritocracia” é o processo de alavancamento profissional e social como consequência dos méritos individuais de cada pessoa, ou seja, dos seus esforços e dedicações.

Quem defende a teoria da meritocracia, acredita que qualquer pessoa possa chegar onde quiser apenas através do seu esforço.

De outro lado, muitas pessoas criticam essa ideia, principalmente em um país cuja sociedade é desigual, racista, machista, homofóbica.

A juíza de direito do Tribunal de Justiça do Paraná Fernanda Orsomarzo escreveu um post no seu Facebook contando sua história de muito esforço, porém também de muito privilégio, para afastar a ideia de meritocracia. O post já passa de 50 mil curtidas.

Fernanda se classifica como branca e parte de uma família classe média, o que a possibilitou de frequentar boas escolas, cursinhos e universidades. “Todos têm suas lutas e histórias de vida. Todos enfrentam dificuldades e desafios. Porém, enquanto para alguns esses entraves não passam de meras pedras no caminho, para outros a vida em si é uma pedra no caminho”, afirmou.

Confira a íntegra do texto:

Ralei duro para ser Juíza de Direito. Cheguei a estudar 12 horas por dia em busca da concretização do tão almejado sonho. Abdiquei de festas, passei feriados em frente aos livros, perdi momentos únicos em família. Sim, o esforço pessoal contou. Mas dizer que isso é mérito meu soa, no mínimo, hipócrita.

Em primeiro lugar, nasci branca. Faço parte de uma típica família de classe média. Estudei em escola particular, frequentei cursos de inglês e informática, tive acesso a filmes e livros. Contei com pais presentes e preocupados com a minha formação. Jamais me faltou café da manhã, almoço e jantar. Nunca me preocupei com merenda ou material escolar.

Todos têm suas lutas e histórias de vida. Todos enfrentam dificuldades e desafios. Porém, enquanto para alguns esses entraves não passam de meras pedras no caminho, para outros a vida em si é uma pedra no caminho. Meu esforço individual contou, mas eu nada seria sem as inúmeras oportunidades proporcionadas pelo fato de ter nascido – repito – branca e no seio de uma família de classe média minimamente estruturada.

O mérito não é meu. Na linha da corrida em busca do sucesso e realização, eu saí na frente desde que nasci. Não é justo, não é honesto exigir que um garoto que sequer tem professores pagos pelo Estado entre nessa competição em iguais condições. Nunca, jamais estivemos em iguais condições.

VEJA TAMBÉM: Quadrinho didático desconstrói a falácia de Meritocracia

O discurso embasado na meritocracia desresponsabiliza o Estado e joga nos ombros do indivíduo todo o peso de sua omissão e da falta de políticas públicas. A meritocracia naturaliza a pobreza, encara com normalidade a desigualdade social e produz esquecimento – quem defende essa falácia não se recorda que contou com inúmeros auxílios para chegar onde chegou.

Justificando

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Paulo Costa Postado em 05/Sep/2016 às 16:49

    É meritocracia o sujeito nascer com minima ou nenhuma condição para poder alavancar a sua vida? Realmente meritíssima - muito merecedora de consideração, pois não és hipócrita.Reconheces que a desigualdade social e racial são frutos de uma sociedade desigual, racista, machista e homofóbica e não culpa dos indivíduos: negros, homossexuais, mulheres e pobres.

    • Antonio Postado em 06/Sep/2016 às 00:58

      Existe algumas ponderações sobre a família da juíza e quantas gerações para que se obtivesse o resultado da vida melhor para familia dela. No Brasil oportunidades para negros, brancos, amarelos esta ficando cada vez mais difícil e existe uma desvalorização do povo brasileiro em sua essência ( povo amável, onde povos inimigos são fraternos no Brasil), precisamos ver as oportunidades e não esquecermos de aproveitar com unhas e dentes. Nem todos serão pessoas ricas e famosas, porem estarão vivendo um mundo melhor e mais digno.

    • Claudeko Postado em 06/Sep/2016 às 09:03

      A culpa é de Deus?

    • Pedro Postado em 11/Sep/2016 às 20:39

      Tanto ela quanto você acreditam na política do coitadismo. Basta extinguir o método de ensino Paulo Freire da educação brasileira e retornar aos métodos de ensino de 1970 que tudo se resolve, e em 20 anos o país não terá mais marxismo cultural nas escolas e universidades no lugar de matérias didáticas úteis para o futuro do aluno e do país. Essa juíza não passa de uma pessoa totalmente dominada mentalmente pelo método de Antônio Gramsci aplicado nas universidades brasileiras. Ela é o produto final de 40 anos de ideologia socialista dentro das universidades e imprensa.

      • Henrique Postado em 12/Sep/2016 às 15:50

        Parabéns! Conseguiu bater o recorde de quantidade de merda escrita num único post.

    • Pedro Postado em 11/Sep/2016 às 21:08

      Eu entrei na página dela e comecei a opinar e mostrar argumentos sobre a base ideológica marxista contida nas palavras dela, inclusive conclamei as pessoas na página do Jair Bolsonaro e que fizessem chegar até desembargadores e ministros para verem as postagens dela e a aberração que é uma juíza criminal diante do caos que o país está justamente por conta das interferências e sabotagens jurídicas que a população sofre por leis que foram idealizadas e promulgadas ao longo das décadas, pelos mesmos que colocaram estas palavras decoradas na cabeça dela ficar promovendo o racismo defendendo cotas e coitadismo! A mentalidade política dessa juíza é uma confirmação da eficiência da lavagem cerebral de décadas de método de ensino Paulo Freire e do Marxismo Cultural Gramsciniano enraizado nas escolas fundamentais, no ensino médio, mas principalmente nas universidades. Um magistrado com essa mentalidade é que um dia acaba novamente dividindo votações e mantendo direitos de presidentes desonestos que foram afastados por impeachemant, que manda soltar aquele bandido que já tem 3 passagens por presídios e que vai matar sua filha, ou você mesmo por causa de um carro ou um celular! Eu acho que ela tem que ser chamada pelos superiores para ter uma conversa sobre teoria e realidade, e principalmente sobre ética. Pois a ética que ela aprendeu é a ética de Karl Max através do método de Antônio Gramsci. A página dela não está mais disponível, e eu acho que ela deve ter tomado uma chamada daquelas.

      • tiago Postado em 12/Sep/2016 às 14:28

        zzzzzzzzzzzzzzzzzz........

  2. Mateus Postado em 05/Sep/2016 às 17:01

    Isso é óbvio estamos longe ter uma sociedade que dá oportunidades parecidas para todos, mas isso não justifica defender bandidos de todos os tipos e nem a impunidade.

  3. johnnygo Postado em 05/Sep/2016 às 17:11

    http://jornalggn.com.br/blog/johnnygo/maldita-superacao Depois da medalha de ouro da Rafaela, vai chover matéria emocionante falando em superação. Pode esperar no Fantástico. É um discurso fácil de aceitar, mas que me incomoda bastante. Ele diz assim pra você: se deseja algo na vida, corra atrás, lute, esforce-se, pois você conseguirá. Tudo bem, como discurso motivacional, até que é bonitinho. Acontece que nem tudo depende só da gente. Tive algumas conquistas importantes na vida. Poderia dizer que lutei para alcançá-las. Um banho de mérito faz um bem danado ao ego de qualquer um. Mas, peraí: teria eu conseguido essas coisas se não fossem outras pessoas, se não fossem oportunidades oferecidas, se não fosse alguma vantagem inata minha? A mãe que me educou não merece crédito? A bolsa de estudos para alunos carentes que recebi não valeu nada? Uma cabecinha mais esperta para raciocinar também não ajuda? Um gesto humano em um momento crucial, idem? O mérito e a superação baseiam-se apenas no indivíduo, deixam de lado uma porrada de outras "variáveis sistêmicas" que, se ignoradas, podem nos tornar insensíveis e alienados. É muita egolatria, não? Tem muita gente que se esforça pra caramba e fracassa. E se um ferrado acreditar nos mantras da superação, vai pensar: foi tudo culpa minha. Talvez seja esta a conclusão que desejam plantar nos ferrados. Pode ser culpa e pode não ser, oras. Pode ser que vocẽ tenha feito corpo mole. Pode ser também que uma série de "variáveis sistêmicas" tenham sido pedras no seu caminho. Se achar que a superação resolve tudo, perde a visão do todo. Mais que isso, perde o desejo de consertar o mundo, nome que damos aos nossos ideais. Rafaela lutou, teve mérito pessoal. Chorei com sua vitória (sim, ando cada vez mais emotivo). Com grande mérito, superou a pobreza, o racismo, o sexismo. Mas também teve o apoio da família e dos amigos, provavelmente nasceu com uma compleição física privilegiada. E recebeu uma bolsa para atletas. Enfim, lute e conseguirá, uma meia verdade perigosa.

    • João Carlos Postado em 05/Sep/2016 às 23:47

      Não entendestes nada do post da juíza.

  4. Jovelino Corrêa Amorim Postado em 05/Sep/2016 às 17:11

    Tudo se torna fácil quando não se convive com o viver difícil e a dificuldade de viver.

    • Gita Govinda Postado em 06/Sep/2016 às 08:04

      só quem passa perrengue é que sabe...que bom que essa moça não passou, mas é sensível, capaz de se colocar no lugar do outro...

  5. coringa Postado em 05/Sep/2016 às 17:34

    Aplausos

  6. Nelo de Carvalho Postado em 05/Sep/2016 às 17:34

    Parabéns pela sinceridade.

  7. José Ferreira Postado em 05/Sep/2016 às 17:39

    Ela poderia ter entrado no mundo das drogas e "cheirado" todo o dinheiro que ela tem. Nesse caso, seria uma meritocracia negativa. É fácil para ela ser contra a meritocracia (embora não há o que ser contra, pois não é um posicionamento político) quando a mesma passou em um concurso. Que tal ela se exonerar e lutar para que os cargos passem a ser ocupados, por sorteio, pelos bacharéis de direito, assim como ocorre com a entrega de apartamentos da CDHU.

    • Alex Postado em 05/Sep/2016 às 19:02

      José, as drogas sao consequência de problemas emocionais advindos de vários aspectos do cotidiano, uma familia estruturada, com o básico das necessidades, também faz parte do conjunto do que nao pode ser considerado como meritocracia. A questão não eh que os cargos devam ser ocupados por sorteio, e sim que as condições sejam equivalentes, para daí sim alguem possa dar crédito somente ao esforço e ignorar o que foi proporcionado pelo ambiente e pela familia.

      • Marco Postado em 06/Sep/2016 às 00:58

        Alex, droga nao tem nada a ver com o que vc disse. Posso ter uma familia estruturada e com dinheiro e ter alguém envolvido com drogas

    • Icaro Postado em 05/Sep/2016 às 19:21

      José, ela em nenhum momento disse que é boazinha ou disse ser "contra" a meritocracia. Ela simplesmente argumentou que meritocracia não existe e que deveria parar de ser usada como pretexto para o estado se ausentar do problema da desigualdade. Não faria sentido ela abrir mão de um privilégio que ela admitiu ter somente para alimentar seu ego e dizer que é bondosa. Isso não resolveria nenhuma desigualdade.

    • Márcio Postado em 05/Sep/2016 às 19:40

      Q pensamento escroto o seu.

    • José Osório Postado em 05/Sep/2016 às 19:52

      Kkkkk. Falando em mundo das drogas, acho que José Ferreira estava sob efeito delas ao postar uma bobagem dessa, sem pé nem cabeça...

      • Monica Postado em 06/Sep/2016 às 08:30

        Kkkkkkkkkk boa.

    • Aline Postado em 05/Sep/2016 às 19:55

      Que tal, ao invés de termos que pedir nomeação por QI ou sorteio dar a mesma chance a todos? Não parece mais lógico?

    • Leonardo Irazoqui Postado em 05/Sep/2016 às 20:17

      Apaga que ficou bem infantil!

    • Bigudin Postado em 05/Sep/2016 às 20:19

      hahahhahahahahahahahahahahaha

    • Fabão Postado em 05/Sep/2016 às 20:21

      Quer merda, hein?

    • Alexandre Postado em 05/Sep/2016 às 20:23

      Fera, você cheirou o que pra emitir uma opinião desvairada e sem nenhum fundamento, como essa? "Meritocracia negativa"? Que diabo é isso? "Não dá pra ser contra meritocracia porque não é um posicionamento político?" Como assim, você não pode se opor a uma ideia só porque não é um posicionamento político? Quando é que ela defendeu essa sandice - levantada por ti - de sorteio pra cargos públicos? É com essa falácia que você defende a ideia de meritocracia? Na moral, me bata um abacate.

    • ronaldo Postado em 05/Sep/2016 às 20:41

      "Às vezes é melhor ficar calado deixando que os outros pensem que você é um idiota, do que abrir a boca e não deixar nenhuma dúvida." Frase atribuída à Lincoln. Basta apenas apresentar exemplos que desmintam o que ela alegou. Não é preciso destilar seu preconceito e defendê-lo a ponto de confirmar sua estupidez.

    • Gamaliel Postado em 05/Sep/2016 às 20:46

      Apaga logo antes que a galera que acha que tu é ridículo passe a ter certeza disso.

    • Nicolau Mottola Postado em 05/Sep/2016 às 20:55

      Com a família e a educação que teve as chances de entrar para o mundo da droga diminuiu bastante. Ah, é sim um posicionamento neo liberal que entrou de sola em nossa sociedade. Sorteio não é sorte, é jogo de azar.

    • marco aurelio Postado em 05/Sep/2016 às 21:26

      com esse seu miolo nem nascendo em família com grana te levanta!!! credo!!!

    • Núbia Postado em 05/Sep/2016 às 22:46

      Tu viajou

    • Marcelo Postado em 05/Sep/2016 às 23:56

      José Ferreira , Educação integral, saúde universal, direito à moradia, família estruturada, esforço individual para encontrar no talento individual aprimorado a correta contribuição para si , para a comunidade e humanidade ; vc viu o que ela não disse; ela disse justiça de acesso e que o mérito será da sociedade, o que você entende?! Sorteio?! Continua vivendo e estudando vai

    • Noélia Coutinho Postado em 06/Sep/2016 às 08:20

      Isso mesmo José. Tem muito jovem com condições materiais e que não terminam nem os estudos básicos, esforço todos têm que ter. Não se pode dar a ideia que tendo estudo se alcançará uma boa carreira, se não houver dedicação. Venho da camada mais pobre mais sempre acreditei que tinha que aproveitar todas as oportunidades para mudar a história da minha família. O Estado deve dar o ensino básico de qualidade como era na minha infância. Hoje, há muito discurso e pouca prática.

      • poliana Postado em 06/Sep/2016 às 16:32

        "O Estado deve dar o ensino básico de qualidade como era na minha infância"....................E ele dá??? No dia q o Estado conferir uma educação de qualidade a todos, aí sim podemos falar em meritocracia. Foi justamente nessa questão q ela tocou...esse discurso de que o mérito deve ser exclusivo do indivíduo para q ele vença no vida, o famoso discurso, "se ele se esforçasse mais", é cruel pq retira do estado toda a responsabilidade q ele tem de fornecer o mínimo necessário para q os indivíduos consigam ter uma vida digna, e ascendam socialmente. Dizer q tudo depende exclusivamente do indivíduo qdo se nasce em berço de ouro é fácil. Quero ver tu nascer paupérrima, nos rincões mais pobres desse país e falar q basta o indivíduo se esforçar mais q ele consegue ser o q ele quiser...Esse discurso é cruel. A lucidez e a sensibilidade dessa moça é de se aplaudir!

    • Eduardo Ribeiro Postado em 06/Sep/2016 às 10:10

      Fico feliz em ver tanta gente estuprando frenetica e impiedosamente o discurso maltrapilho, canalha e mal intencionado do Zé Ferreira "O Istoriador". É mais um com aproveitamento 100% negativo: NUNCA JAMAIS falou algo que não fosse bosta. Obrigado por este belo momento.

      • José Ferreira Postado em 06/Sep/2016 às 13:23

        Bata a p... com moderação. Tem um povo que ficou me xingando, mas não entendeu nada do que eu disse.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 06/Sep/2016 às 13:59

        Judiação de você. Um historiador que escreve tanta coisa construtiva e é tão mal compreendido. Tanta gente te entendendo mal...é duro ser um genio em meio a gente tão limitada. Por favor todos: parem de cagar na cabeça do Istoriador....Não façam mais essas coisas feias, eu peço encarecidamente. ..

    • poliana Postado em 06/Sep/2016 às 16:22

      Jose, vc n entendeu absolutamente nada do q ela disse. Tenta de novo, por favor..

  8. Antônio Augusto Postado em 05/Sep/2016 às 18:53

    Meritíssima, o Brasil precisa de pessoas transparentes como Vossa Excelência!

  9. Vinicius Zhu Postado em 05/Sep/2016 às 18:59

    Faria até algum sentido se alguém defendesse que pra justificar a meritocracia todos deveriam obrigatoriamente começar do mesmo ponto de partida. A galera tem um conceito de mérito bastante deturpado. Geralmente associam "mérito" a "esforço" de forma linear, o que passa longe de ser verdade. Costumo dizer que mérito é um atributo transferível em alguma proporção. Exemplo: digamos que meu avô tenha nascido numa situação de extrema pobreza numa família com 8 irmãos. Digamos que todos os seus 8 irmãos fossem pessoas medianas - tiravam notas médias na escola, trabalhavam em empregos mecânicos como assistente de supermercado e não faziam nada diferente. Mas meu avô, diferente dos irmãos, dormia duas horas a menos por dia pra estudar e com isso tirava boas notas e conseguiu concluir o ensino médio. Por conta disso, com o passar do tempo, meu avô adquiriu mais conhecimento que os irmãos e conseguiu um emprego de encarregado numa fábrica, e com o salário melhor conseguiu ajudar os 5 filhos dele por mais tempo. Digamos agora que meu pai tenha igualmente se sobressaído em comparação com seus irmãos e principalmente com relação aos seus primos, que por não terem iguais condições oferecidas pelos respectivos pais, não puderam partir do mesmo ponto. Digamos então que como meu avô tinha melhores condições que meu bisavô, meu pai teve a oportunidade de começar a trabalhar um pouco mais tarde porque meu avô podia bancá-lo por mais tempo, de forma que conseguiu uma boa indicação de emprego e com esse salário, entrou numa faculdade particular, assim como um de seus irmãos, enquanto os demais apenas se limitaram a trabalhar e concluir o ensino médio. Por fim, digamos que meu pai teve 2 filhos, e meu irmão se dedicou a estudar enquanto eu quis ficar de boas e curtir o fato do meu pai me bancar. Meu irmão passa numa universidade pública enquanto eu passo numa particular, mas meu pai paga a minha mensalidade pra que eu possa me dedicar aos estudos sem me preocupar com dinheiro, e banca meu irmão morando fora pra estudar numa federal. Ainda assim, eu consigo um emprego numa multinacional ganhando 10k/mês porque arrumo um affair com a filha do dono, enquanto meu irmão consegue um trabalho honesto por 6k/mês e vive bem. Digamos também que o irmão do meu pai que fez faculdade também deu condições iguais para seu filho único, e o menino, muito dedicado e estudioso, começou desde muito cedo a estudar, e se especializou em manutenção de locomotivas a vapor. Certamente é a única pessoa no mundo capacitada pra fazer isso. CONSIDERAÇÕES: Veja que o mérito, neste meu exemplo, começou com meu bisavô que conseguiu incentivar um dos filhos a fazer algo a mais pra escapar do destino certo, e isso de alguma forma foi herdado e ampliado até a quarta geração da família. Veja que eu, ao decidir por não dar sequência à linha sucessória de ampliação do mérito, continuo numa condição melhor que meus primos porque eu "herdei o mérito" do meu pai, que foi maior que o dos meus tios. Veja também que apesar do fato de eu ter menos chances de me dar bem que meu irmão por ter me dedicado menos a atividades meritosas, aqui falamos de probabilidades e existem vários outros fatores que influenciam isso. A questão é que ter mais ou menos mérito influencia diretamente nesta probabilidade. Se eu perder meu emprego porque terminei o affair com a filha do dono da empresa, provavelmente estarei novamente na luta por um novo emprego e as chances de eu conseguir algo melhor que meu irmão são pequenas. Repare também que meu primo, mesmo tendo se agarrado à oportunidade que teve, dificilmente vai ter um grande sucesso na vida porque por mais que ele se esforce, o recurso que ele produz (manutenção de locomotivas a vapor) é um recurso pouco (ou nada) demandado pelo mercado e pela sociedade. Enfim, "meritocracia" não tem falácias, geralmente quem fala dela é que comete alguns erros crassos por não considerar todos esses pontos.

    • Amanda Vieira Postado em 06/Sep/2016 às 00:23

      Ela comparou com pessoas da mesma geração que a dela... E ela não desmereceu o esforço pessoal, mas que as principais condições para o crescimento, são características inertes da vida... Sem contar que você sequer considerou o preconceito no seu raciocínio, muitas pessoas mais qualificadas não ficam com bons cargos por conta de preconceitos e ignorância... A raiz do problema é mais embaixo, analisou o problema muito superficialmente.

    • Quem se importa Postado em 06/Sep/2016 às 02:15

      Resumindo sua explicação, a meritocracia é bem canalha e não é nem nada novo. É apenas uma denominação nova criada sobre o velho sistema capitalista baseada na acumulação de poder proporcionada pela hereditariedade.

    • Pedro Postado em 06/Sep/2016 às 03:07

      Vinicius, esses exemplos de "meritocracia" acumulativa ou transferível são anedóticos. Para avaliar se uma sociedade é efetivamente meritocratica, e se desejamos viver em uma sociedade arranjada dessa forma, são necessários dados da população em geral. Se a questão for "esforço gera recompensas", é necessário avaliar o quanto cada indivíduo "se esforça" no trabalho, no dia a dia, para sobreviver ou mesmo avançar economicamente. Existe uma falha profunda na nossa sociedade que é a hiper-valorização do estudo formal. O estudo deve ser fim em si mesmo, não caminho para melhores ganhos. Além disso, estudar é um privilégio e um prazer, não uma tarefa árdua. Sempre que vejo brasileiros justificando seu "sucesso" pelo quanto sofreu estudando, me entristeço ao constatar que somos um povo com péssima relação com o uso da mente: trata-se de algo que não traz prazer, de um estorvo. Isso é lamentável. O ponto fundamental é: a população realmente vive em regime "meritocratico", no qual os indivíduos conquistam benefícios proporcionais aos seus esforços. No exemplo que você ofereceu, o irmão que resolveu dormir duas horas a menos o fez porque quis ou porque era capaz? Essas horas a menos de sono afetou seu trabalho e desempenho no trabalho mecânico? E quanto seus irmãos se esforçavam em seus trabalhos mecânicos? Porque o trabalho mecânico era algo desvalorizado do qual deveriam "escapar"? A meritocracia em si não possui falácia alguma: como idéia ela é limpa. A sociedade é que não tem condições de aplicar a meritocracia do discurso. Ha outros agravantes: as pessoas são heterogêneas e possuem aptidões e capacidades diferentes. Em uma sociedade que valoriza habilidades e aptidões como capacidade de concentração e inteligência, qual é o mérito de quem nasce melhor equipado para essas habilidades? Se a pessoa é biologicamente predisposta a se sobressair, não ha mérito: ha sorte genética. A meritocracia em si persevera intacta: a diversidade humana é que impede sua aplicação "limpa". Talvez este irmão que subtraiu duas horas de sono fosse alguém capaz biologicamente de dormir menos, enquanto seus irmãos necessitavam de suas horas de sono para executarem o trabalho mecânico (que como disse, não ha razão nenhuma para ser inferior a outro trabalho). Este binômio de "sucesso na vida" e "estudo", no qual a atividade intelectual é uma barreira a ser enfrentada mostra, mais do que qualquer noção de meritocracia, a mah relação que temos com o estudo. Como disse acima, a aquisição de conhecimento e educação formal são fins em si, e não meios de acensão social. Eh triste ver toda uma classe social que fala "do quanto estudou" como se isso fosse uma tortura: isso revela uma relação disfuncional com o conhecimento e o estudo em si. Finalmente, a sua anedota pode ser facilmente contraposta a uma contraria: a das pessoas que sequer irmãos tinham, pois vinham de famílias fragmentadas. Das pessoas que são vistas pela sociedade como inferiores e encontram apenas portas fechadas. Das pessoas que passam por milhares de problemas e traumas irrecuperáveis durante a infância e juventude, ou mesmo na vida adulta. A vida não é uma narrativa simples, mas um mar de complexidades: a meritocracia não é um barco capaz de navegar por essas aguas. Trata-se apenas de uma idéia, correta sim, originalmente chinesa (confucio) que deve ser aplicada no preenchimento de cargos, mas não na construção de uma sociedade complexa.

      • Toninho Postado em 06/Sep/2016 às 09:47

        Poxa, dizer que o ESTUDO deve apenas ter um fim em si mesmo é ir contra toda a história humana e seu desenvolvimento. Apenas o conhecimento leva o ser humano e a humanidade pra frente.

      • Pedro Postado em 06/Sep/2016 às 10:00

        Toninho: eu nao sei o que você quer dizer com sua afirmação. Eu quis dizer que o estudo deve ser fim em si mesmo como valor. Em momento algum eu diminui o que o conhecimento pode conquistar. O conhecimento é extremamente valioso, e sua obtenção um privilégio imensurável. A visão de que "quem estudou merece mais" na sociedade é deturpada, porque quem estudou, e gozou de capacidade intelectual para fazê-lo com competência, ja goza de enorme privilégio. Eu não disse que ESTUDO deve ter um fim em si mesmo. Eu disse que o estudo deve sim ser encarado como fim em si mesmo: sua leitura do meu comentário é incorreta. Você proporia que os currículos escolares sejam alterados para que se ensine apenas e somente aquilo que tem utilidade pratica na função que o indivíduo vai executar?

    • Toninho Postado em 06/Sep/2016 às 09:45

      Muito bem explicado e esclarecido. A lenda da "igualdade social" já acaba na manhã seguinte ao se acordar e cada um decidir que rumo tomar. É um caminho longo e o esforço pra se criar OPORTUNIDADES IGUAIS é o melhor que o mundo encontrou, ciente de que o ponto de partida de cada um é bem diferente. Claro que a sociedade também deve estabelecer formas de se taxar os mais ricos pra que as desigualdades sejam minimizadas mas elas sempre existirão. Estou até agora tentando entender por que a juíza ressaltou tanto ser branca, já que nasceu em uma família de classe média e com recursos.

  10. Bela Flor da Consciência Postado em 05/Sep/2016 às 19:09

    Acho que não existe meritocracia negativa. A pessoa vence na vida por esforço próprio? Primeiro: precisa de alguém que a alimente. Quando a criança é abandonada, dificilmente sobrevive por mérito próprio. Foi essa a colocação de Fernanda O. Ao reconhecer que ninguém vence na vida sem o apoio da família, amigos e colegas dos amigos que vão indicando o caminho do emprego e do sucesso financeiro. Com o esforço, aliado à dedicação (esses são os méritos da pessoa que vai à luta), porque quem nasce em berço de ouro mas "fuma" toda a herança, não pode dizer que foi por mérito que ele alcançou o degrau do fracasso. Mas por fraqueza de espírito, ou problemas psíquicos. Não posso julgar a dor do cidadão que joga fora as oportunidades de nascença. Reconhecer que recebeu apoio e influências positivas, materiais e espirituais é sinal de humildade. Quem, ao contrário diz ser tudo fruto do esforço pessoal e não reconhece quem lhe estendeu a mão, por menor que tenha sido o gesto de confiança, é hipócrita, orgulhoso e mentiroso.

  11. Omas Postado em 05/Sep/2016 às 19:23

    Será que foi ela mesma quem andou cheirando???

  12. Hortasul Postado em 05/Sep/2016 às 19:30

    Quando começam a criticar a idéia de meritocracia param de trazer a tona a função que o Estado tem , já que sempre falam de políticas públicas , de prover - ou devolver os impostos em forma de - educação , saúde de qualidade a todos. Parece que pulam a parte de cobrar de forma lúcida, e objetiva o direito que todos tem. Todos tem esse direito. Sim a meritocracia só funcionaria se todos tivessem as mesmas condições iniciais. E por que não lutar para que todos tenham as mesmas condições iniciais , sem usar paliativos ? Não é feio nascer em berço de ouro. Não é nem de longe o meu caso. Se o governo cumprisse a sua função mínima de prover educação e saúde não soaria "feio" como muitos acham, falar que a meritocracia e legal. Lembremos que os seres humanos não são iguais , uns se preocupam mais , trabalham mais , tem mais ambições que outros...

  13. Rodrigo. Postado em 05/Sep/2016 às 19:30

    ( pois não é um posicionamento politico). Claro que é. Vc vive em sociedade. Cinismo é fedorento.

  14. Thiago Teixeira Postado em 05/Sep/2016 às 19:39

    Extrema lucidez meritíssima Fernanda. O Mundo precisa de pessoas como você, que valoriza e reconhece as oportunidades que teve, se empenhou chegou ao cargo de juíza. Mas lembre-se Fernanda, há muitas pessoas que como você tiveram oportunidade e jogaram tudo no lixo, cheiraram as oportunidades e se acabaram em patifarias, festas, entraram no crime e hoje estão no mesmo lugar que o favelado que roubou para colocar um leite na mesa. Sucesso e tudo de bom!

  15. Leo Pereira Postado em 05/Sep/2016 às 19:41

    Verdade...mas não ha demérito algum em nascer branco, ter recursos e se valer disso para agregar conhecimento e cultura. Se o estado se faz ausente na saúde e educação básica, não é por falta de boa vontade e contribuição pecuniária de quem paga...

    • Marcelo Postado em 05/Sep/2016 às 23:58

      A questão Nao é quanto se paga mas quanto se contribui para construir uma sociedade solidaria

    • poliana Postado em 06/Sep/2016 às 16:35

      Mas ela n se desmereceu em momento algum, apenas reconheceu q nasceu privilegiada e n teve qq obstáculo em seu caminho pra realizar seus objetivos e chegar aonde queria. N há qq demérito nisso e em nenhum momento ela o demonstrou...

  16. Silas Postado em 05/Sep/2016 às 19:55

    Será porque pessoas escolhem companhias Para seus filhos , os colocam em escolas particulares , aula de inglês se o ser humano não é fruto do meio ?

  17. Rodolfo Postado em 05/Sep/2016 às 20:15

    Quisera tivéssemos mais magistrados como ela... pois que a judicatura deveria ser exercida por pessoas com sensibilidade social, algo mais que os pré-requisitos técnicos e de formação acadêmica. O juiz que não reconhece a realidade tal como ela é, ou seja, profundamente desigual e iníqua, não passa de um tecnocrata de beca. E a meritocracia poderia ser válida em países onde não existam grupos em estado de vulnerabilidade social. Não sendo esse o caso brasileiro, seu discurso de igualdade formal não passa de um princípio vazio de justiça. O engodo do mérito legitima e naturaliza o fosso social já existente, impedindo as necessárias transformações.

  18. Bela Postado em 05/Sep/2016 às 20:19

    Diminuir o próprio salário ninguém quer, né? A remuneração dos juízes ultrapassa o teto. Há juízes que chegam a ganhar 1 milhão de por mês! É fácil fazer discurso contra a desigualdade, quero ver fazer a sua parte reduzindo seus próprios ganhos. O Brasil tem o judiciário mais caro do mundo.

  19. GILMAR DE OLIVEIRA Postado em 05/Sep/2016 às 20:37

    Eu nasci pobre, pardo, numa terra de alemão, onde eu era o preto pobre da rua. Via as mães chamando os filhos pra dentro quando eu descia o morro de minha casa, aliás, um casebre meia-água, de madeira doada. Pais escandalosos, só com desavenças, segundo casamento conturbadíssimo, com herança de cada um trazendo um filho jovem cheio de problemas de vícios e transgressões. Estudei em escola pública, boa, até. Era bagunceiro e aprontador. Mas lia bem, mesmo sem pré escolar, já entrei aos 7 anos lendo na 1a série. Não fiz inglês, nem datilografia. Fiz SENAI porque era perto de minha casa, curso de eletricista. Mas fui orientado pelos poucos mestres da escola que davam aulas preocupados com meu futuro e daqueles filhos de operários cujo único sonho era correr pras linhas de produção e um dia, quem sabe, serem líderes de produção. Meus poucose bons professores mostraram mais leituras, mais exemplos e me fizeram acreditar. Eu quis. Meus amigos, alguns somente, quiseram ir adiante. Do SENAI paguei com trabalho meu Ensino Médio em escola particular. Estudei com apostila usada, preenchida, emprestada de um amigo que se empregou na empresa onde sua mãe trabalhava e ganhou tudo pra estudar fora... e eu, em meio às brigas entre meus pais, que sempre atrapalharam minha vida. Fiz faculdade particular, paguei 3 anos de FIES, pós particular na PUC... instalei casas, fiz manutenção em prédios aos finais de semana. Fui dar aulas de professor substituto na rede estadual. Fiquei 9 anos assim. Paguei tudo, ralando. Mestrado conciliando trabalho e estudo, também particular. Clínica, jogos, brinquedos... tudo ralando. Pago impostos, altos, desiguais. Tudinho, honestamente. Hoje, sou feliz. Sou psicólogo educacional, 1o lugar no concurso de João Pessoa. Professor universitário de larga experiência. Tenho clínica de neuropsicologia e psicoterapia, varios cursos em ambas as áreas. Eu calei a boca revoltadinha na hora certa. Aprendi a fazer primeiro a minha parte pra exigir depois os "meusdereitcho". Hoje vejo carinhas querendo tudo e podendo tudo. Mas ao orientar, ao oferecer oportunidades, querem a moleza. Meritocracia, sim. Chance se não tem, criamos. Não tem um fdp de um professor caco, que seja, neste Brasil, que não alerta, que não manda estudar e olhar o futuro. Quem quer, segue. Quem quer oportunidade, cria, mesmo longe dos melhores lugares. Jamais conseguirei fazer doutorado no Brasil, porque é dia de semana, eu trabalho direto pra me sustentar e oferecer conforto à família. Nem passarei na Federal pra dar aulas. Não farei protesto por isso. Ou faço fora, concluindo no Paraguay e numa Universidade decente, americana, validando aqui ou faço grana dando aula lá, em espanhol ou inglês que aprendi sozinho na biblioteca da cidade, ou em português mesmo, interessa é dar o melhor de mim e receber bem por isso, sem choro ou vitimismo.

    • rudi santos Postado em 05/Sep/2016 às 23:23

      Também venho de uma historia assim amigo, mas não acredito em meritocracia. Cada um de nós, aleatoriamente passou por pessoas boas ou más. Se ao invés de seus professores te incentivarem, eles te desanimassem e se vc tivesse tido um amigo traficante que te oferecesse um trampo que desse grana fácil e você, por inexperiência da vida aceitasse tudo poderia ter sido diferente. Vc poderia ter sido mais um no sistema carcerário. Veja, sei que a índole da pessoa influi. Mas o meio tem uma influência significativa também.Um favelado pode ou não vir a dar valor ao estudo, vai da sorte dele. Se estivéssemos falando de pessoas que partem de um mesmo meio e condições, não teríamos tantas variáveis. Em suma, acho que meritocracia é uma forma de eximir os órgãos públicos de fazer o mínimo pelo cidadão e de colocar a culpa de tudo de ruim em quem se deu mal.

    • silvia Postado em 05/Sep/2016 às 23:36

      parabéns Gilmar você foi a luta , diferente de muita gente que recebeu tudo do papai e da mamãe , são esses que são contra os benefícios dados aos mais pobres, pois eles não sabem o que é ser pobre e viver a margem da sociedade. E também estão preocupados , apenas com seu próprio umbigo e os que o cercam. Querem o melhor apenas para eles. puro egoismo.

    • Quem se importa Postado em 06/Sep/2016 às 02:27

      Legal, GILMAR! Você é um exemplo (uma exceção), não uma Estatística. Só não se esqueça disso.

    • Toninho Postado em 06/Sep/2016 às 09:55

      Parabéns cidadão. Precisamos disso, de mais DEVERES e menos DIREITOS. Claro que o caminho de cada um é diferente, mais fácil ou mais difícil é relativo, além de a RESULTADO de cada um também ser diferente. Cada um tem sua ambição e capacidade de esforço, e cruzar os braços esperando o Estado NÃO FUNCIONA. Penso que meu caminho tenha sido mais fácil, mas também com muitas armadilhas. As dificuldades geram sucesso. Vejam países com terras ruins e clima violento como se superaram. E por aqui com a melhor terra e clima do mundo mal aproveitada ...

  20. Stênio Postado em 05/Sep/2016 às 20:41

    Fácil falar. Seria exemplo de dignidade se ela se abdicasse, como aliás dois outros juízes fizeram, do crime que é o auxílio moradia e auxílio livro.

  21. marcos Postado em 05/Sep/2016 às 21:12

    Todos nós temos oportunidades na vida...a diferença é que muitas vezes, ela bate à porta e uns estão dormindo ou nem ligam, outros agarram com força.... Seja vc branco, negro, amarelo, azul, baixo, alto, gordo, magro, homem, mulher, hétero, homossexual, seja o que for, TODOS, TODOS sem excessão recebem OPORTUNIDADES NA VIDA....A diferença é que alguns agarram e outros deixam escapar e ficam reclamando.

  22. ari couto Postado em 05/Sep/2016 às 21:18

    Moreno, com cerca de um metro e setenta, 27 anos, ele é praticamente analfabeto, expressando-se num português muito pobre e com erros os mais grosseiros, do tipo “nós foi”. Totalmente despreparado para a vida, inclusive para o trabalho típico de roça, Valdir é fruto da pobreza e da ignorância. Mora no sertão da Bahia.Seus pais passaram muita fome. A vida deles mudou muito nos últimos anos, mas mesmo assim as dificuldades são imensas para o Waldir. A menos que algo de inesperado ocorra, ele está fadado a uma vida sem grandes perspectivas. A juíza tem sua parcela de razão: por mais que tente, Waldir pouco poderá fazer e certamente o golpe só fará sua vida pior nos próximos anos.

  23. Juliano Postado em 05/Sep/2016 às 21:31

    Pior é quem tem essas oportunidades que ela teve e joga no lixo.

  24. paulo Postado em 05/Sep/2016 às 21:32

    Existem pessoas com cérebro no Direito.

  25. FÁBIO Postado em 05/Sep/2016 às 21:38

    As oportunidades são de longe melhores mas as escolhas são as mesmas.

  26. José Ferreira Postado em 05/Sep/2016 às 21:43

    Se você ver o Facebook, ela é petista desde criancinha. Ela é rica, mas quer que os ricos se sintam culpados pela sua riqueza. Coisa de pseudocomunista.

    • joao Postado em 06/Sep/2016 às 09:53

      Falou o fascistinha !

    • poliana Postado em 06/Sep/2016 às 16:37

      Putz...em nenhum momento ela demonstrou qq tipo de culpa!!!! Meu deus, continua tentando q vc ainda n entendeu o q ela disse, jose ferreira. Tenta de novo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  27. Maria Gonçalves Postado em 05/Sep/2016 às 21:53

    Pois é, se as oportunidades são diferentes, porque os resultados não seriam? Por isso sou a favor dos incentivos a classe dos desfavorecidas em nosso país (bolsa escola, bolsa família, ProUni e o que mais tiver). Digo isso pq sou a mais velha de onze filhos, de uma família que mora na zona rural do interioir do Nordeste, porém, graças a esses incentivos pude concluir uma graduação em universidade pública e hoje sou cirurgiã dentista oncursada! Não tenho palavras pra agradecer A Deus e a cada incentivo, pois sem eles, não teria conseguido! Fiz por merecer? Claro. Mas, não teria conseguido, pois não se concluiu graduação quando não se tem nem o que comer!

  28. wilson Postado em 05/Sep/2016 às 21:57

    Então a vida não é uma pedra no caminho, e sim afalta de oportunidades ou melhor, o Estado e sua ausencia..

  29. Ailton Postado em 05/Sep/2016 às 22:01

    Juiz. Algo muito forte para que se comece com esse poder na flor da idade. Juízes deveriam começar aos 50 ou 60 anos.

  30. Ricardo Andrade Postado em 05/Sep/2016 às 22:04

    Também sou juiz e sempre estudei em escola pública. Nunca fiz curso de inglês ou preparativo para concursos. Apendí com meu esforço e ajuda de minha esposa. Quando resolví prestar concurso, tinha 3 filhos e trabalhava mais de sete horas por dia. A desigualdade não pode ser creditada somente ao governo. Aproveitei cada momento ou oportunidade que me apareceu. Hoje sou rotulado de coxinha.

  31. Jussara Hausen Soares Postado em 05/Sep/2016 às 23:00

    ELA ESTÁ NA LUTA PELA LIBERTAÇÃO DE SEU SER EM UMA SOCIEDADE DOENTIA >>> O MERECIMENTO ANTES DO ESFORÇO >>> é a forma natural inerente em toda a natureza e que aflora nas relações, principalmente na preparação do saber. ESTUDAMOS PRA SABER E NÃO PARA SERMOS PREMIADOS. Prêmio e castigo estão juntos nesse barco do MERECIMENTO COMO PRÊMIO, E AÍ FERROU!!! Isso vem fazendo a miséria em nossas relações, em nossos corações, mentes e psique. >>> O MERECIMENTO E A CULTURA DO PRÊMIO >>> deslocaram o merecimento, retirando de antes do esforço, para colocar no final de todos os esforços. As elites separatistas do racismo e do condicional preconceito mantêm as raízes culturais deformadas, consequentes da sociedade que premia "o melhor produto da vitrine" determinado pelo meio social capitalista.

  32. Carlos Henrique Muller Postado em 05/Sep/2016 às 23:03

    Pensamento míope, a meu ver. Pelo que entendo a meritocracia é alguém colher os justos frutos pelos seus méritos. Ela deve comparar sua situação como as demais crianças que nasceram em condições semelhantes e que optaram por serem qualquer outra coisa na vida ou coisa nenhuma.E o caso de tantos juízes, médicos, pedreiros, advogados, garis e domésticos que ralaram pra mudar suas vidas de berços, não são méritos justos colher pelas suas escolhas e esforços?

  33. rudi santos Postado em 05/Sep/2016 às 23:13

    Concordo com ela. O conceito de meritocracia não leva em conta as diferenças entre as condições iniciais das pessoas. É como se você colocasse numa mesma corrida de 100 metros um perneta, um cadeirante, um down, um louco, um com condições físicas perfeitas e achasse que todos eles teriam as mesmas condições de chegar ao mesmo tempo na marca final. É, assim como a "lei da atração" falada no livro "o Segredo" uma forma de dizer as pessoas que a culpa por não terem uma vida decente é delas mesmas, afinal, somos nós que criamos nossa realidade. Ou seja, você não tem médico no posto de saúde por cupa sua, não tem atendimento dentário no sus por culpa sua, não tem bons professores, por culpa sua. Isto é o que nos tentam enfiar goela abaixo.

  34. Silvia Postado em 05/Sep/2016 às 23:31

    PARABÉNS pela clareza de ideias e pelo espirito e por reconhecer o obvio, que muitos não reconhecem , acha que é coisa de comunista, petista, o que não é verdade. O que temos de pessoas egoístas, que só veem o próprio umbigo, e só defende o proprio bem estar e de sua familia e que os outros que se danem.

  35. Ronan Postado em 05/Sep/2016 às 23:34

    Realmente o mérito não pode ser fator determinante, pois a desigualdade social é tremenda! Mas uma posição como a que a juíza chegou há que se valorizar o mérito pessoal sem dúvida, pois se duas pessoas que dwisputassem um cargo tivessem as mesmas condições, porém determinação e esforço díspares, qual possuiria o mérito?

  36. Teka Romanholi Postado em 06/Sep/2016 às 00:18

    Ola tua auto estima sobre sua luta faz com que eu me sinto mais forte para chegar e me formar. Faco graduacao de Servico Social e tambem tenho minhas lutas

  37. Chuck Postado em 06/Sep/2016 às 01:14

    Que bom que temos mais cabeças pensantes do que achávamos! linda sua história, Meritíssima! Eu também tive alguns privilégios. Mas mesmo assim sou a favor de ajudar aos outros sempre que precisarem!

  38. Junior Rodrigues Postado em 06/Sep/2016 às 01:15

    Verdade! Dificuldades cada um tem a sua. Penso que boa parte depende de si próprio. No caso da juíza ela é branca e de classe média, mas não é o caso de Joaquim Barbosa ou Obama. Certamente eles ralaram mais que Ela, mas conseguiram, demonstrando a possibilidade. Penso que para alcançar o topo, muitas questões pesam, mas você próprio pesa sem dúvida alguma 99%. Poucas pessoas teriam motivos reais para não conseguir chegar no topo, porém claro, com sacrifícios desproporcionais. Não acho que seria utopia chegar ao topo por ser negro, pobre, ter que trabalhar na infancia ou tantos motivos similares, mas seria hipocrisia acreditar que a dificuldade seria semelhante.

  39. Fabiano Postado em 06/Sep/2016 às 07:44

    As pessoas se esquecem que todos somos diferentes.... que mudamos... que queremos coisas diferentes ao longo da vida... claro que todos teoricamente deveríamos ter a mesma oportunidade ( no mínimo ter essa condição mais próxima pra todos ) mas isso não vai acontecer nunca ...Pq o mundo não é assim.... até nos países mais ricos tudo e dividido por classe social.... todo mundo quer ser chefe. ...mas não dá. .. alguns por condição própria. .. luta pessoal... capacidade mental vão chegar mais longe sim e isso é fato... Alem da disciplina que o brasileiro nao tem em sua raiz.... So se fala na Coreia que tirou o país do fundo do poço com a educação. ..mas estão esquecendo da disciplina... brasileiro não tem a disciplina e foco de coreano... e até lá tem chefes e operadores de máquinas. Se uma pessoa quer ir pra praia todo dia e outro quer fazer um curso de especialização depois de vender pastel o dia todo que faça. .. só que quando o pasteleiro tiver uma rede de pastelarias o praiano quer um pedaço do negócio e diz que não teve chance..me poupe né? ?? Podemos nao ser todos juizes...mas podemos ser os melhores marceneiros... vendedores... enfermeiros...padeiros... to falando os melhores por merito pessoal e faremos diferença em nossa vida e de nossos filhos....seremos dignos...temos que ter disciplina.... Vamos trabalhar ... estudar o que der da melhor forma... e ver aonde a vida vai que é melhor.... ou a juíza não tem os auxiliares que saíram de classe social parecida com a dela ???

  40. Verônica pereira Postado em 06/Sep/2016 às 07:44

    Eu acredito que quando tem que ser é. Claro a inclinação para a coisa ajuda mas tem gente que a oportunidade chega na porta em quanto outros tem que correr atrás. Eu sou uma tenho inclinação meu sonho fazer direto e ser promotora de justiça mas cadê a oportunidade? Já tem gente que faz curso de direito não pelo interesse de ajudar as pessoas mas a si proprio como pea fazer concursos públicos por exemplo. Aí o que acontece por causa da maioria hipócrita que quer se dar bem os que realmente querem lutar por direitos justos fica prejudicado por o curso se torna caríssimo e fora da possibilidade. Quem quiser seguir em frente rale. Eu vou correr atrás.

  41. Deivison Postado em 06/Sep/2016 às 07:45

    Venho de uma família de classe baixa e sempre estudei em escólas públicas. Após terminar o ensino médio no horário noturno (para poder trabalhar durante o dia) passei em uma prova para cursar curso técnico de Informática também no horário noturno. Aos 17 anos eu já tinha concluido o ensino médio e 2/3 do curso Técnico e aos 18 tive que trancar o curso para servir o Exército Brasileiro, no qual não fui voluntário mas ao servir meu país fui aprendendo a gostar do que eu fazia e passei a ter orgulho de vestir a farda verde olíva. Lá também, pude aprender muitos valores que carrego até hoje comigo. Em Janeiro de 2009 dei baixa no serviço militar por ter recebido uma proposta para trabalhar em uma Usina Siderúrgica, porém, devido a crise que ocorria naquele ano fui ser contratado somente em Agosto/09. Enquanto não havia sido contratado, terminei o 1/3 do curso Técnico que faltava e sempre estudando a noite e quando podia, trabalhando de dia. Quando terminei o curso, coincidiu com o período que entrei nesta Usina como Operador de Produção, trabalhando em turnos de revezamento. Em Fevereiro de 2011 ingressei no curso de Engenharia Metalúrgica em uma Universidade Federal e estudava em período integral e ainda trabalhava em turnos diferentes a cada semana. Em 2014 eu saí dessa empresa e com as minhas economias pude enfim ficar alguns meses sómente estudando até que em meados de 2015 fui contratado como Estagiário de Engenharia Metalúrgica em uma das empresas do ramo que é consideradas por muitos a melhor. Resumindo, hoje estou no último semestre da faculdade e me formo ao final do ano e meu sonho de me tornar um Engenheiro está bem próximo. Digo a todos que estudam ou tem filhos que estudam em escolas públicas: É possível, basta aproveitarmos cada oportunidade, mesmo que aos nossos olhos pareça não nos agradar! Grande abraço

  42. Vilmar Diniz Postado em 06/Sep/2016 às 07:52

    Penso que a Meritíssima não está contra a meritocracia, mas contra o sistema que abarca. É importante que haja suporte para todos, que haja escolar, saúde, etc e etc. Entretanto, na vida nada é fácil. Fosse fácil, não teria a jovem estudante de direito estudado 12 horas por dia, seus pais não teriam investido na educação, e muitas coisas. Entretanto, essa é a experiência dela, unicamente dela. Como uma pessoa que cuida da saúde, faz atividade física regularmente, descansa um tempo por semana, faz meditação para o equilíbrio físico-psicológico-espiritual, convive bem com todo mundo, etc. Ao chegar aos 40 anos, num exame de rotina, descobre um câncer. É justo? Mas não fez tudo certo? Ao contrário, o sujeito vive desmazeladamente, come qualquer coisa, bebe qualquer coisa, cheira qualquer coisa, não se aplica a nada, nunca vai ao médico e morre de velhice mesmo. Nunca teve um câncer. É justo? Falar de justiça parece fácil para alguém que teve tudo, e falar de injustiça parece fácil para alguém que nunca teve nada. Entretanto, nem sempre é assim. A prezada estudante de direito, não fosse seu esforço, e o esforço de seus pais, porque nada é de graça, não estaria postando o que publicou. Seria, ao contrário, alguém sem voz, sem ouvintes para seus textos. Ou vai dizer que conseguiu ser juíza por indicação? Foi nomeada para isso? Ou fez um concurso? Sei não, mas falar de coisas que já fez como se fossem as piores coisas da vida me soa como cuspir no prato que comeu.

  43. Deirolli Postado em 06/Sep/2016 às 07:53

    Meritocracia no Brasil é um mito, porém este mesmo País deveria aplicar uma política de igualdade de oportunidades e deixar de dar as coisas, sou professor, estudei feito um louco minha vida toda, hoje ocupo dois cargos efetivos em duas prefeituras diferentes, estou com quase 40 anos e ainda não terminei de pagar minha casa, faltam ainda 10 anos, ao lado da minha residência houve uma invasão e hoje tem sobrados maiores que o meu, aí eu te pergunto, que sociedade desigual estamos falando? Desigualdade é relativa aos esforços para alcançar o que deseja, se duas pessoas lutam para alcançarem o mesmo objetivo na mesma proporção, não acho certo que entre em jogo o mérito individual somente, agora, se essa luta é desproporcional, onde um vagabundo que recebe as coisas de mão beijada porque é negro ou pobre, aí o mérito troca de figura, pois, ele estará a favor de pessoas trabalhadoras que somam para a sociedade e não aos que dela se aproveitam e não produzem nada, sou negro e nunca precisei de cotas!

  44. Nicolau Postado em 06/Sep/2016 às 08:21

    Palmas para a juíza. Seu post é de uma sinceridade que nos faz refletir. Mas e aí? Ficou só nisso? No discurso? Ficando só no discurso parece que sapateira da cara dos 'injustiçados'. Cadê a cobrança ou o engajamento para que o estado dê a todos as condições mínimas para entrar numa disputa?

  45. Rogério Postado em 06/Sep/2016 às 08:28

    Tudo o que se fala sobre mérito é sempre voltado às coisas materiais, a maioria se esquece que muitas vezes ter as coisas não significa ser feliz! tem muita gente que vive muito mais feliz com muito menos coisas que os outros! Vejo a felicidade com muito mais freqüência em pessoas mais simples! As pessoas são muito ligadas à matéria e isso muitas vezes às impede de serem felizes de verdade!

  46. Leandro Galego Postado em 06/Sep/2016 às 08:41

    Com todo respeito Meritíssima, talvez nao pensaria assim se não tivesse tido todos esses privilégios e mesmo assim tivesse chegado onde chegou, com todo seu esforço e merecimento claro. Acho que vontade de vencer na vida e o que temos que ter, pegar somente bons exemplos e se agarrar a eles. Me diz o que é isso então, um morador de rua que passou em primeiro lugar em um concurso publico para o Banco do Brasil. Respeito a opinião de todos mais temos que olhas todos os lados antes de criticar um dos lados, me sinto merecedor de tudo que tenho, passei por varias coisas em minha vida e se não fosse minha dedicação, foco e esforço estaria bem longe de onde estou hoje. Então pode ter injustiças sim, mas também você ficar lamentando da vida se agarrar em coisas que você ve por ai e esperar que as pessoas te de algo só porque é pobre ou por algum outro motivo. E se as pessoas não te ajudar? Não sentissem dó de você o que você ira fazer? Lamentar, dizer que não teve oportunidades, que não te deram oportunidades? Corra atrás mostre para o mundo que você também pode, todos nós podemos e uma questão de dedicação, força e foco, ninguém esta dizendo que vai ser fácil mas se lutar pelo que você quer você consegue. Esta aqui uma prova disso:http://g1.globo.com/Noticias/Concursos_Empregos/0,,MUL617037-9654,00-MORADOR+DE+RUA+PASSA+EM+CONCURSO+DO+BB+E+ASSUME+CARGO+EM+JULHO.html http://g1.globo.com/bahia/noticia/2016/01/era-meu-sonho-diz-baiano-de-11-anos-aprovado-para-bale-do-bolshoi.html Lembrando que não estou discordando de quem pensa desta forma, apenas estou mostrando o outro lado também.

  47. Anderson Cardoso Silva Postado em 06/Sep/2016 às 08:52

    Data venia, meritissima, tem muita gente nadcida em berço de ouro que não quer nada com a vida. Conheço alguém que estudou em escola pública, não teve acesso a cursinho etc e passou pra medicina. Hoje é médico e já teve muitas conquistas na vida, 'tá rico! Seu texto é muito inteligente, conseguiu muito destaque com ele, parabéns! Mas, descordo parcialmente.

  48. lino Postado em 06/Sep/2016 às 08:59

    Li quase tdos os cometario ! Entao vou colocar minhas observações. e como se nos colocasse a culpa de tudo em deus .a maior meritocrassia de tdas e livre arbitreo que deus te deu quando vc nasceu ele disse do suor seu rosto cada um tira o seu alimento.

  49. pickupdeluxo Postado em 06/Sep/2016 às 09:43

    Um texto pequeno mas com um poder de reflexão muito grande.

  50. Eduardo Ribeiro Postado em 06/Sep/2016 às 10:30

    Sensacional a abordagem sobre a tal "meritocracia". Mais didático que isso, só desenhando com giz de cera pros debilóides entenderem. A verdade é que ninguém acredita nessa merda, mesmo os defensores dessa sandice. O que eles querem, do fundo do coração, é que brasileiro pobre se foda. Sempre foi assim: enquanto o filho do trabalhador humilde tá lá literalmente morrendo de fome enquanto o pai e a mãe matam um leão por dia, tá tudo ok. Quando ele deixa de morrer de fome, consegue fazer 3 refeições por dia e por isso além de não morrer de fome consegue uma condição pra estudar e sair dessa sub-vida (ainda assim, matando um leão por dia, a exemplo do pai e da mãe), aí passa a ser um profundo incômodo, um imensurável desgosto, "como assim, essa sub-raça teimosa está viva? era pra ter morrido aos 4 anos de idade, não era pra estar na mesma faculdade que meu filho". Como pega meio mal exteriorizar esse pensamento, aí eles se agarram a essas idéias que não param de pé sozinhas, idéias raquíticas, anêmicas, como o que eles entendem por "meritocracia". Então guardem isso: NINGUÉM acredita em "meritocracia". "Meritocracia" é o verniz imoral que cobre o verdadeiro desejo dessa corja de vagabundos: que brasileiro pobre tem mais é que se foder na vida. No dia em que cada defensor dessa idéia vagabunda perder um ou dois dentes - não é nem pra deixar terminar a palavra, "eu acredito em merito...." e a tijolada na boca vem - , garanto que ela some do nosso vocabulário.

  51. eu daqui Postado em 06/Sep/2016 às 10:58

    Meritocracia não existe mesmo. Nem o primeiro dos estágios da meritocracia, que é a democracia, sequer existe. Daí afirmar que aqueles que se esforçam não tem nenhum mérito, acho perigoso pq desestimulante e antincentivador. Reconheço o mérito pessoal de todos aqueles que algum esforço positivo fizeram ainda que o sistemão não tenha mérito algum.

  52. Moacir Postado em 06/Sep/2016 às 11:18

    Meritocracia é disfarce para ofuscar a Desigualdade Secular! Nossa verdadeira Herança Maldita!

  53. Ariane Postado em 06/Sep/2016 às 12:48

    DESIGUALDADE e meritocracia. = E ainda querem governar baseados na meritocracia neoliberal que não explica para as pessoas que para A SOCIEDADE SER JUSTA, TODOS DEVERIAM TER OPORTUNIDADES IGUAIS para que os méritos individuais prevalecessem!

  54. gustavo Postado em 06/Sep/2016 às 21:47

    Muito bom!! Excelente texto, resume muito do que eu penso!! Parabens!!

  55. Francisco Neto Postado em 07/Sep/2016 às 13:45

    Sou a favor que resolver a desiguldade todo negro pobre e branco já nasça com curso superior completo e uma vaga de emprego de nível superior garantida