Redação Pragmatismo
Compartilhar
Impeachment 02/Sep/2016 às 13:11
5
Comentários

NYT: Será uma vergonha se História provar que Dilma estava certa

Editorial do The New York Times diz que será uma vergonha se a história provar que Dilma Rousseff tem razão

nytimes impeachment golpe dilma vergonha história brasil
Dilma Rousseff (Andressa Anholete|Agence France-Presse)

O Brasil teve quatro presidentes eleitos desde que a democracia foi restaurada, em 1985. Dois deles cumpriram seus mandatos [Nota da Redação: Três, se se considerar que Dilma terminou seu primeiro mandato]. Na quarta-feira (31), Dilma Rousseff foi a segunda a ser deposta enquanto no cargo, em meio a um turbilhão político e denúncias de malfeitos.

Os senadores votaram por larga maioria no impeachment de Rousseff pelo uso de fundos de bancos estatais para sustentar o orçamento do governo antes de sua reeleição em 2014, o que eles consideraram um crime; alguns de seus antecessores usaram truques orçamentários semelhantes. A saída de Rousseff marca o fim de um regime transformador de 13 anos do Partido dos Trabalhadores, de esquerda, que usou as receitas do Estado geradas por um apogeu das matérias-primas para tirar milhões de pessoas da pobreza, mas perdeu o apoio quando a economia entrou em recessão nos últimos anos.

Rousseff denunciou o processo como um golpe de adversários políticos que a consideravam uma ameaça porque não impediu um inquérito sobre corrupção que envolvia dezenas de membros da classe governante do país. Rousseff comparou o caso contra ela com o período do regime militar, quando foi uma das centenas de pessoas detidas e torturadas.

Hoje o Senado tomou uma decisão que entrará para a história como uma grande injustiça“, disse ela em um discurso desafiador, depois que os legisladores votaram por 61 a 20 por seu impeachment. “Sessenta e um senadores reverteram a vontade expressa por 54,5 milhões de votos.”

Rousseff prometeu combater o que ela descreveu como a tentativa de uma coalizão de políticos homens de direita, eles mesmos manchados por denúncias de corrupção, para sequestrar o processo político. “O projeto nacional progressista, inclusivo e democrático que represento está sendo interrompido por uma poderosa força conservadora e reacionária“, disse ela.

Será uma vergonha se a história provar que ela tem razão. Mas o legado de Rousseff, e os fatos que levaram a sua queda, são mais complexos do que ela admite. Rousseff tornou-se profundamente impopular quando a recessão se instalou e ela não conseguiu criar a coalizão necessária para governar com eficácia. Quando investigadores da corrupção se concentraram em seu antecessor na Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, ela abusou de sua autoridade ao lhe dar um cargo de ministro, para protegê-lo de um processo.

Leia também:
O primeiro discurso de Dilma Rousseff após ter o mandato cassado
Temer é empossado e empresários já falam em usurpar direitos e conquistas sociais
Dilma julgada pelo dono do helicóptero do pó, por um algemado e por um cassado

Há passos concretos que o governo pode dar para começar a restaurar a fé dos brasileiros em sua elite política assolada por escândalos. Michel Temer, que se tornou presidente interino em maio quando Rousseff foi afastada, deve permitir que continuem as investigações de corrupção e rejeitar as iniciativas legislativas destinadas a enfraquecer os promotores.

Desde que ele assumiu o cargo, a economia do Brasil melhorou modestamente, conforme os mercados reagiram positivamente a seus planos econômicos, que incluem a privatização de companhias estatais e a reforma do inchado sistema de aposentadorias do país. Equilibrar o orçamento exigirá cortes dolorosos, mas Temer deve ser judicioso ao reescalonar os programas sociais que deram popularidade ao Partido dos Trabalhadores. Até que os brasileiros possam eleger um novo presidente, em 2018, ele poderia honrar o processo democrático do país ao permanecer razoavelmente fiel à plataforma que eles aprovaram na última vez.

New York Times | Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Girelli Postado em 04/Sep/2016 às 19:37

    "será uma vergonha "se" a história provar que Dilma Rousseff tem razão. - O título do NYT já está errado (não estão familiarizados com o uso da "partícula se"), pois deveria ser, "quando" a história provar, já que não há dúvidas quanto a isso.

  2. Sergio Carneiro Postado em 05/Sep/2016 às 04:50

    Se a história provar que Dilma é inocente?????? Deem uma indenização que ela ficará satisfeita.

    • Marcos Vinicius Postado em 05/Sep/2016 às 11:17

      Ou não.

    • pedro Postado em 05/Sep/2016 às 14:11

      nao funciona assim.

  3. pedro Postado em 05/Sep/2016 às 06:57

    Playboy do futuro vai estudar na Fundação Dilma Roussef.