Redação Pragmatismo
Compartilhar
Protestos 05/Sep/2016 às 16:49
4
Comentários

Frase dirigida a repórter da BBC revela a "índole democrática" da PM

A índole democrática da PM está impressa no “Sai, lixo” dirigido ao repórter da BBC ao mesmo tempo em que recebia golpes de cassetete em todo o corpo

repórter bbc brasil fora temer
Civis foram espancados pelo Choque em manifestação contra Michel Temer em São Paulo. Repórter da BBC relata agressão. Repressão começou após o término da marcha

Leia, abaixo, o relato de Felipe Souza, repórter da BBC Brasil agredido pela PM-SP na manifestação de domingo contra Michel Temer.

Cobri o protesto contra o presidente da República, Michel Temer, desde o seu início na avenida Paulista, às 16h30.

A manifestação seguiu sem problemas até o Largo da Batata, na zona oeste da capital. No caminho, membros do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto obrigaram supostos black blocs a tirarem suas máscaras ou deixarem o ato.

A intenção do MTST, segundo eles, era evitar que ocorressem atos de vandalismo.

Minutos após os manifestantes começarem a se dispersar, por volta das 21h, a polícia começou a jogar bombas de gás lacrimôgeneo e efeito moral pelas ruas de Pinheiros. Também foram disparados diversos tiros de bala de borracha.

A Secretaria da Segurança Pública informou que a confusão começou após um princípio de tumulto na estação Faria Lima, “que se transformou em depredação”. A pasta informa ainda que “vândalos quebraram catracas, colocando em risco funcionários” e que a “Polícia Militar atuou para restabelecer a ordem pública, sendo recebida a pedradas, intervindo com munição química e utilização de jato d’água”.

Enquanto manifestantes atiravam garrafas e colocavam fogo em barricadas, eu acompanhava os confrontos atrás dos policiais, na rua Sumidouro. De repente, eles decidiram mudar de rota e se voltaram para o lado oposto ao que seguiam.

Nesse momento, a Tropa de Choque ficou de frente para mim e ao menos outros dois repórteres fotográficos. Ao perceber que poderia ficar encurralado, procurei uma rota de fuga e me encostei na parede para aguardar a passagem dos policiais.

Identificado com colete e crachá da BBC Brasil, levantei minhas mãos e me identifiquei como imprensa. Mesmo assim, os policiais avançaram contra mim enquanto gritavam para eu sair da frente.

“Sai da frente! Vaza, vaza!”, diziam ao menos quatro policiais pouco antes de me atingir com golpes de cassetete no antebraço direito, na mão esquerda, no ombro direito, no peito e na perna direita. Um deles ainda me chamou de lixo, mas o áudio do vídeo que fiz não captou.

A marcas das agressões ficaram no meu corpo, principalmente no antebraço, que inchou e ficou roxo. Por sorte, o golpe que levei no peito foi amortecido pelo colete. Eu também usava capacete e máscara de gás. A utilização desses equipamentos de segurança é exigência de normas internas da BBC para cobertura de manifestações.

O celular que eu usava caiu no chão após a agressão e ficou com a tela danificada.

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que “os fatos narrados pelo repórter serão investigados e solicita que o jornalista registre um boletim de ocorrência”.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 05/Sep/2016 às 19:58

    Mesmo tratamento foi dado aos coxinhas gritando "morra Dilma Vadia?".

  2. Trajano Postado em 06/Sep/2016 às 01:46

    Nunca esquecerei do dia que comentaram via whatsapp sobre uma chacina em São Paulo. Fiquei preocupado, tenho parentes vivendo lá. Notícia fresca, então poucos portais de notícia divulgaram (as prioridades naquele momento eram a Dilma e o Lula, qualquer fala deles virava primeira página). Resolvi após anos ver se no G1 aparecia. O Google mostrou que sim e me direcionou para aquela página. Nossa... Li a matéria com aquele frio na espinha, muita gente assassinada. Então resolvi cometer o erro de acessar a parte dos comentários. Putz! Esperava coisa ruim, mas não uma série de vários comentários exaltando não somente a polícia como os assassinatos. Aquela coisa de "gente na rua naquela hora coisa boa não estava fazendo" !!!!! O que aconteceu no domingo seguinte à chacina? Adivinhem: micareta de fascistas no domingo. SELFIES com policiais. Sério. Isso é um fato. Ao invés de cobrar da instituição um posicionamento a respeito dos assassinatos, estavam comemorando sabe-se lá o que, o porquê e pra onde. Foi uma das poucas vezes que eu tive uma vergonha bem grande da minha nacionalidade. Resultado: foi chacina de inocentes, constatado tempos depois. Não é só o nosso voto que atualmente está valendo porra nenhuma. Nossa vida também nunca foi tão desvalorizada. Temos de trevas. E o fascismo avança...

  3. Denisbaldo Postado em 06/Sep/2016 às 09:11

    Hahaha! O chicote estralou Sr. Fora Temer!!! Hahahaha!

  4. Jonas Schlesinger Postado em 06/Sep/2016 às 10:19

    O tratamento "democrático de direito" que a corporação policial militar aplica aos habitantes de São Paulo (que diga-se de passagem é um lugar péssimo de se viver e com o povo mais preconceituoso da América Latina) é o mesmo tratamento "democrático de direito" aplicado pela corporação policial de Caracas. Aqui estamos aprendendo direitinho a plantar e colher Maduro. Hipocrisia define esses black blocks. (tbm disfarçados de jornaleiros, ops, jornalistas)