Redação Pragmatismo
Compartilhar
Polícia Militar 27/Sep/2016 às 20:48
6
Comentários

Filho de Bolsonaro visita PMs responsáveis por chacina: "Presos por trabalhar"

Filho de Bolsonaro visita policiais acusados por chacina que matou 11 pessoas e feriu outras cinco no Ceará: 'Presos por trabalhar'. Das vítimas fatais, apenas duas tinham antecedentes policiais: um por acidente de trânsito e o outro por falta de pagamento de pensão alimentícia. A denúncia feita pelo Ministério Público atingiu 44 PMs

Eduardo Bolsonaro chacina pms ceará
(Imagem: Eduardo Bolsonaro)

Deputado federal pelo PSC de São Paulo, Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, visitou, na última semana, policiais militares presos sob acusação de participarem de uma chacina que matou 11 pessoas e feriu outras cinco em Grande Messejana, um distrito de Fortaleza, no Ceará, em novembro de 2015.

A prisão dos PMs foi decretada no fim de agosto por três juízes de primeiro grau em atuação na 1ª Vara do Júri.

A denúncia feita pelo Ministério Público atingiu 44 policiais militares, que estão presos. Foram indiciados 38 PMs pela Delegacia de Assuntos Internos (DAI), sendo que 33 deles por homicídio qualificado ou tentativa de homicídio.

Outros cinco PMs são acusados pela prática de prevaricação, que é o crime cometido por funcionário público contra administração. Eles estão encarcerados no 5º Batalhão Prisional, no Centro.

Em um post no Facebook, Eduardo Bolsonaro questiona as acusações sobre os policiais, que teriam sido baseadas em “denúncias genéricas”.

“O que eles estão sofrendo ali é uma acusação genérica, que não serve para nenhum vagabundo. […] Quem estava ali no dia e passou perto do local dos fatos está sendo condenado. Não fizeram exame de balística nas armas deles. Não tem testemunhas reconhecendo eles”, argumentou.

Eduardo admite, porém, que não acompanhou o caso da chacina desde o começo, e que a visita aos PMs não estava programada. Ele criticou a conduta do governo do Estado e o fato de o Ministério Público, que denunciou os policiais, aprovar a prisão preventiva dos acusados.

A chacina

A Chacina do Curió ocorreu na madrugada de 12 de novembro de 2015. De acordo com a polícia, os crimes ocorreram num intervalo de quatro horas, nos bairros de Curió, Alagadiço Novo e São Miguel, na Grande Messejana. No total, 11 pessoas foram mortas e cinco feridas.

Das vítimas fatais, apenas duas tinham antecedentes policiais: um por acidente de trânsito e o outro por falta de pagamento de pensão alimentícia. Entre os mortos estavam quatro adolescentes.

Algumas vítimas foram retiradas de suas casas e exterminadas no meio da rua. Uma das linhas de investigação discorre sobre uma represália em torno da morte de um PM, que teria ocorrido no bairro de Lagoa Redonda, em Fortaleza, horas antes da chacina.

O processo de investigação da série de assassinatos na Messejana corre em segredo de Justiça, enquanto os policiais indiciados seguem sob prisão preventiva.

com informações de O Povo e Extra

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 28/Sep/2016 às 07:13

    Tá certo ele, direitista tem mais é que visitar o povo deles. Agora onde estão os grandes políticos de esquerda? Quantos deputados do PSOL visitaram cadeias, quilombolas, viúvas da violência policial? Onde anda a grande Luciana Genro que se diz de esquerda mas quer "governar para todos" em POA? PSTU, PCB onde estavam na luta contra o Golpe? Pior, o STU fez carta apoiando a prisão de Lula.

    • Cebola Postado em 28/Sep/2016 às 10:38

      PSOL? Me poupe de posmod jovem... no brasil não tem uma esquerda de respeito, salvo os movimentos sociais, mas como eles tem dificuldade para se comunicar, acabam sendo fracos sozinhos. O PT era a união, mas deu no que deu né. Não souberam usar a maquina direito, e cometeram vacilos que resultou em surra diária na mídia. Neutralizar ameaças, lição de O Príncipe de Maquiável, o PT não estudou, se enrolou, teve uma presidente inocente linchada e o grande nome do partido ta a ponto de tomar uma condenação sem provas. Foram incompetentes e cagaram em anos de esforço da esquerda. É triste, mas é a verdade, entregamos o monstro pra quem não tinha culhões... agora é chorar e aguentar o avanço reacionário...

      • Thiago Teixeira Postado em 28/Sep/2016 às 12:33

        Faço minhas as suas palavras.

  2. Andrew Postado em 28/Sep/2016 às 09:25

    Se os caras foram tirados de casa pela polícia e foram eliminados, provavelmente tinha envolvimento com algo, a pm não ia tirar os caras de dentro de casa sem saber de nada. Pq alguns foram mortos e seus vizinhos não?

    • Thiago Teixeira Postado em 28/Sep/2016 às 12:35

      Uma guarnição honesta levaria os suspeitos por delitos para a delegacia. Capitão que manda fazer este tipo de coisa é criminoso.

  3. Pedro Tiago Costa Postado em 28/Sep/2016 às 10:30

    Você algum dia já foi jornalista? Não se pode responsabilizar uma pessoa por um crime antes de uma sentença transitada em julgado, dizer que os policiais são responsáveis pela chacina é no mínimo uma informação leviana, tenha em mente que há uma forte suspeição de cunho político nesse caso. Lá estão presos policiais de conduta Ilibada e deram sua vida pela sociedade que não os reconheceu um dos que estão presos salvou a filha da corregedora Socorro França de um cárcere durante um sequestro outo realizou um parto iminente dentro de uma viatura e dentre várias outras ações que os demais policiais realizaram que resultou na preservação de várias vidas e é esse o agradecimento que eles receberam, presos por uma suspeita. E enquanto isso policiais que são corruptos de verdade não são nem investigados. Acordem abram os olhos esses policiais que estão presos são apenas uns que pegaram pra Cristo. Uma investigação em que foi preciso pedir a autorização de traficantes poderosos da área tem alguma validade? Não sou eu quem estou falando o áudio da própria investigadora é quem diz.