Redação Pragmatismo
Compartilhar
Eleições 2016 30/Sep/2016 às 10:51
4
Comentários

Doria é grosseiro com Erundina em último debate para a prefeitura de SP

João Doria (PSDB) deixou cair a máscara de bom moço e tratou com grosseria a candidata Luiza Erundina (PSOL) no debate da TV Globo. Por outro lado, todos os candidatos isolaram Haddad e evitaram confronto com o petista

João Doria Luiza Erundina debate

O último debate na TV entre os candidatos a prefeito de São Paulo ocorreu na noite desta quinta-feira (29) nos estúdios da Rede Globo.

Líder das pesquisas eleitorais, o tucano João Doria pôs de lado o jeito de bom moço e tratou com grosseria a ex-prefeita Luiza Erundina – logo ela, a mais frágil entre os seus oponentes.

Ao responder a uma pergunta sobre seus negócios, Dória disse que tinha uma trajetória “moderna, atual e transformadora”, em contraste com a rival octogenária.

Erundina rebateu: “Você diz que sou antiga, mas você é um velho. Você é tão velho quanto qualquer outro político velho deste país. Ser moderno é privatizar o cemitério?”, questionou a deputada.

Em seguida, Erundina criticou o discurso pregado por Doria em sua campanha de que não é político.

“Você faz política negando a política… isso é velho e deseduca os jovens”, disse Erundina, acrescentando que fazer política é algo muito positivo. “Quando você liderou o movimento Cansei, você não estava fazendo política?”, perguntou.

A candidata do PSOL recordou ainda a ação do Ministério Público Eleitoral, que pediu a impugnação da chapa de Doria por ter usado a máquina do governo Geraldo Alckmin (PSDB) para ganhar tempo de TV. “O Ministério Público está te processando por praticar a velha política”.

Haddad isolado

O atual prefeito Fernando Haddad (PT) foi deixado de lado pelos adversários no debate.

Com o segundo turno em aberto, os maiores rivais do petista na disputa, Celso Russomanno (PRB) e Marta Suplicy (PMDB), evitaram questioná-lo diretamente, mas criticaram sua gestão. Ambos optaram por dirigir suas perguntas para o líder nas pesquisas, João Doria (PSDB), e o nanico Major Olímpio (SDD).

O tucano, por sua vez, poupou os principais adversários e chegou até a fazer dobradinha com Marta Suplicy em diversos momentos, com perguntas amigáveis e troca de elogios de parte a parte.

Prévias de audiência apontavam que o debate marcou 24 pontos no Ibope, uma audiência alta para o horário.

Velocidade

Quando questionado por Erundina sobre suas propostas na área de mobilidade, Haddad fez questão de criticar todos os adversários que defendem o aumento da velocidade máxima nas vias de São Paulo.

“Estão colocando o interesse eleitoral à frente da saúde pública. A ONU recomenda a redução as velocidades”, diz. De acordo com ele, os rivais fazem “demagogia barata”.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. José Ferreira Postado em 30/Sep/2016 às 13:59

    A única nanica desse debate é a Erundina. Tanto no tamanho, quanto na pequenez de seu partido e de sua trajetória pessoal.

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 30/Sep/2016 às 15:34

    Vejo um pequeno e irrelevante menino rico que acha que é alguém, e vejo uma GIGANTE olhando-o nos olhos e doutrinando-o publicamente com chineladas no bumbunzinho cheio de talco importado.

  3. Thiago Teixeira Postado em 30/Sep/2016 às 18:20

    Não vi pelo menos nesta parte editada grosseria do coxinha Dória. Vi um debate em alto nível. Agora mudando de assunto, onde estão aqueles babacas que vinham aqui dizer que PSDB é esquerda? Qual partido de esquerda que quer estado mínimo?

  4. Roberto Pedroso Postado em 01/Oct/2016 às 02:05

    Dória é o retrato do que PSDB se tornou uma triste caricatura sem estofo para dirigir a maior cidade do Pais; mas ele tem uma grande vantagem frente aos demais candidatos pois Dória e'o queridinho da grande imprensa paulistana com uma postura afetada que parece querer ser uma copia sul americana de Michael Bloomberg e se valendo de ações midiáticas palatáveis à grande imprensa conseguiu destaque e apoiadores posando de empresario engajado criador do LIDE (mais um movimento de grandes empresários descontentes mas que ironicamente,se valem dos financiamentos do BNDES)é uma figura tarimbada nos meios de comunicação em SP e esta sempre disposto a ser entrevistado em colunas sociais eletrônicas, emitindo sua opinião politica sobre "os rumos da nação"enfim é o fruto mais refinado que a "velha nova politica" poderia criar contando com boas relações em setores estratégicos da imprensa paulista e com a atuação competente de marqueteiros o empresario nada mais é do que uma autentica caricatura de politico, um aventureiro que conseguiu o apoio de um partido tradicional,antiquado e tão decadente quanto seu próprio candidato.