Redação Pragmatismo
Compartilhar
Europa 25/Aug/2016 às 09:37
1
Comentário

Policiais italianos cozinham para casal de velhinhos que choravam de tristeza

Policiais dão show de empatia ao acalmar casal de velhinhos. Acometidos por uma profunda solidão, Jole, de 89 anos, e Michele, de 94 choravam muito e sentiam muita tristeza diante da vida

itália policiais cozinham idosos abandonados tristeza

Só quem realmente vivenciou algum período de extrema solidão sabe o quanto o sentimento de ser “abandonado” pode doer.

Alguns lidam melhor com a situação, mas, quando se está na terceira idade e as atividades da rotina ganham outro ritmo, a angústia de ser “esquecido” é bem mais dolorosa.

Jole, de 89 anos, e Michele, de 94, moram em um bairro de Roma e preocuparam seus vizinhos na noite de 3 de agosto. O casal de velhinhos estava chorando muito e a vizinhança chamou a polícia com medo de que o pior pudesse ter acontecido.

Mas chegando ao local, os policiais não notaram sinais de arrombamento, violência ou roubos. A situação encontrada era um pouco mais profunda e exigia medidas bem mais cuidadosas: Jole e Michele sentiam uma tristeza profunda diante da vida.

Eles, que nos últimos tempos só tinham a televisão como companhia, não aguentaram assistir a tantas notícias ruins no aparelho e desabaram em uma angústia profunda.

A ideia de que ninguém havia visitado o casal e que eles não tinham marcado nenhum encontro com familiares ou amigos em um futuro próximo levou os velhinhos italianos ao desespero.

Os policiais resolveram melhorar a situação e nada como um belo jantar feito com carinho para aquecer corações solitários. Os oficiais pediram permissão e usaram as únicas coisas ainda disponíveis na dispensa: macarrão e queijo.

Naquela noite, o casal cheio de angústia foi tranquilizado pelo gesto de solidariedade e empatia.

A Polícia de Roma se encantou com o gesto de seus funcionários e publicou um belo texto na página do Facebook:

“As vezes a solidão se derrete em choro. As vezes é como uma tempestade de verão, chega de repente e domina. Mas quando a solidão é um peso no coração, pode ser que se perca a esperança. Na cozinha umas miseras uvas murchas são a prova de um jejum que dura há muito tempo. Michele e Jole encheram o coração dos oficiais de ternura. Não há formulários para preencher e nesta noite os códigos não servem. Precisamos ser homens. Ser verdadeiros.

E enquanto esperam a ambulância para verificar que o casal está bem, entendem que apenas um pouco de calor humano poderá devolver a tranquilidade a Jole e a Michele. Improvisam um jantar. Um prato de macarrão com manteiga e queijo. Nada de especial. Mas com um ingrediente precioso: existe nele toda a sua humanidade.”

Ana Beatriz Rosa, Brasil Post

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Postado em 25/Aug/2016 às 15:13

    que coisa linda. que a gente aprenda a amar e cuidar dos nosso velhos. e também a aquecer os corações dos que se sentem sozinhos.