Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 29/Aug/2016 às 12:44
2
Comentários

Meninas citadas em lista de “mais vadias” abandonam estudo e tentam suicídio

Meninas abandonam estudos e tentam suicídio após entrar para lista das "mais vadias". Moda entre alunos de algumas escolas de SP, "TOP 10" circula na internet e dentro das instituições de ensino

meninas citadas lista vadias top 10 estudo suicídio
“Mulheres na Luta” promovem grafitaço para apagar recados as vítimas do “TOP 10” (reprodução)

Uma lista chamada “TOP 10”, que circula entre alunos de escolas públicas nas periferias de São Paulo, já motivou tentativas de suicídio de pelo menos 12 garotas desde o ano passado no Grajaú, Parelheiros e Embu das Artes, segundo apuração da reportagem do R7 com os movimentos sociais que fazem atendimento às garotas.

Os alunos montam rankings classificando dez meninas como “vadias”. Os nomes circulam pelo WhatsApp, vídeos no Youtube, Facebook e até cartazes colados no interior das escolas. Cada colégio tem sua lista e alguns alunos as divulgam semanalmente. As escolhidas que ficam mais de uma semana no ranking vão subindo de colocação. Desde que a lista começou, há quase um ano, a rotina dessas meninas se transformou em uma espécie de prisão e condenação sem que nada tivessem feito. Grupos ativistas tentam reverter a situação das vítimas e conscientizar os adolescentes do crime que estão cometendo.

Os estudantes pegam fotos das redes sociais para montagem ou se utilizam de imagens de nudez que as meninas mandaram para algum namorado que repassou para os colegas. A lista tornou-se conhecida não só entre os alunos, mas também nos bairros, depois que muros com xingamentos às vítimas foram pichados. No Jardim Castro Alves, no Grajaú, zona sul da capital, “S. L. Puta Top 10” ficou exposto por meses até que foi apagado por um “grafitaço” promovido pelo movimento social “Mulheres na Luta”.

Algumas vítimas conversaram com o R7, mas preferiram não se identificar. T. P., de 15 anos, é uma das garotas que tiveram o nome divulgado em uma lista no Grajaú. Ela afirma que estava em casa, no Jardim Varginha, quando uma amiga a avisou do “TOP 10”.

— De um dia para o outro, todo o bairro me conhecia e me apontava como piranha. Eu estava em 6º lugar no “TOP 10” com o argumento de que eu me achava e pagava de gostosa na escola. Depois, minhas amigas saíram no “TOP 10 Dá a b…… para o namorado e deixa o c… para os moleques na rua”. Pior foram as minhas amigas que eram lésbicas e os pais não sabiam e fizeram uma lista disso. Todo mundo ficou sabendo. Quem quer ir para a escola depois disso?

Ela afirma ainda que frequentava uma igreja evangélica e passou a sofrer preconceito no local depois que outros integrantes ficaram sabendo.

— Eu tive que parar de ir até na igreja, porque perguntaram como eu era evangélica e estava numa lista dessas. Só que eu não fiz nada para estar nela. Eu não tenho culpa.

Nem mesmo os pais sabiam o que se passava com as filhas. A dona de casa I.M., do bairro Barragem, em Parelheiros, conta que a filha, de 14 anos, ficou uns dois dias chorando trancada no quarto e não queria ir para a escola.

— Ficamos desesperados porque ninguém entendia nada. Depois soubemos que ela estava nesse “TOP 10” falando que ela era mais rodada que pneu de caminhão. Tivemos que conversar muito, dar muita atenção para animá-la e fazer com que retornasse para a escola. Ela ainda sofre porque anda na rua e tiram sarro dela.

Elânia Francisca, do coletivo Mulheres na Luta, conta que o movimento passou a prestar apoio às meninas expostas, incluindo as que tentaram suicídio, e a orientá-las. Ela afirma que o movimento busca fazer ações para explicar sobre sexualidade aos adolescentes.

— Nós percebemos que essas meninas eram questionadas pela família porque estavam em uma lista. Como se elas fossem culpadas disso. Existe também a questão da rivalidade feminina, uma vez que muitas listas do “TOP 10” são feitas por outras meninas. Nós estamos oferecendo todo o apoio a essas meninas expostas, mas queremos ir mais além. Queremos falar sobre a sexualidade com os adolescentes e ensinar a questão do respeito, do companheirismo, do sexo. De que uma menina que enviou uma foto em um momento de intimidade não deve pagar por isso pelo resto da vida.

Iniciativas

O R7 esteve no Grajaú para acompanhar a ação de grafite para apagar os nomes e xingamentos dos muros. Os moradores falaram sobre os problemas do bairro e que veem o “TOP 10” como o reflexo da falta de cuidados do Estado com a educação, cultura e lazer nos bairros. A moradora Juciele Cristina, mãe de uma menina que estuda em uma escola pública do bairro, afirma que é comum que as relações sexuais aconteçam cada vez mais cedo, com pouca informação.

— Ninguém fala sobre sexualidade com as crianças daqui. Elas aprendem com as letras de funk, com o coleguinha que também aprendeu errado, por isso não sabem respeitar o outro. Aqui não temos lazer, convivemos com uma constante violência policial, com bailes funk frequentados por crianças, com descaso do Estado. O “TOP 10” é só um dos problemas atuais. Temos muitos.

Sidineia Chagas, do movimento Escritureiros, diz que os problemas do Grajaú são os mesmos de Parelheiros, onde o grupo atua. Ela afirma que estão tentando uma aproximação com os adolescentes para falar sobre o “TOP 10”. Atualmente, seis meninas estão em atendimento depois de integrarem listas. Elas apresentaram depressão e evasão escolar.

Leia também:
Jovem se suicida após vídeo vazar no WhatsApp
O suicídio da jovem estagiária e o silêncio que incomoda
Jovem anuncia suicídio no Facebook

— A gente sabe que nem camisinhas os meninos querem usar. Estamos chamando a comunidade para conversas sobre o assunto e queremos que essas meninas expostas tenham sua auto-estima de volta. Que consigam ver a vida com otimismo depois de uma coisa terrível dessas.

Listas “TOP 10” do ABC Paulista, Minas Gerais, Paraná e Rio de Janeiro também circulam pela internet. Existe um “TOP 10” dos meninos, mas ele é visto como um “prêmio” pelos eleitos. Os garotos são “pegador do Grajaú” ou “Come 12 em duas horas”, reproduzindo uma cultura machista que vitima as meninas. Os adolescentes relataram que as escolas não fazem uma orientação específica sobre o assunto. Apenas retiram cartazes que eventualmente são colados nas paredes das unidades.

Sylvia Albuquerque, R7

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Renan Pantojo Postado em 29/Aug/2016 às 21:58

    É... machismo se aprende na escola...

  2. Thiago Teixeira Postado em 30/Aug/2016 às 12:43

    As meninas deveriam pagar com a mesma moeda, fazer uma lista dos MICRO 10, ou seja, quem tem os menores pênis da escola, e de preferência, como o nome dos babacas que elaboram e compartilham estas listas escrotas.