Redação Pragmatismo
Compartilhar
Desigualdade Social 03/Aug/2016 às 10:34
5
Comentários

Itália lança 'Bolsa Família' para combater a pobreza

'Bolsa Família' italiano destinará até 400 euros (R$ 1,44 mil) mensais para famílias pobres. Atualmente, a pobreza absoluta na Itália atinge 4,5 milhões de pessoas, o número mais alto desde 2005

Itália bolsa família pobreza desigualdade combate
Giuliano Poletti, ministro do Trabalho e Matteo Renzi, primeiro-ministro da Itália (reprodução)

O Ministério do Trabalho da Itália lançou na última semana um projeto chamado “Apoio para a Inclusão Ativa” (SIA, na sigla em italiano), que destinará até 400 euros (R$ 1,44 mil) mensais para famílias que vivem em situação de pobreza.

O benefício será de 80 euros (R$ 288) por membro do núcleo familiar, respeitando o teto de 400 euros – ou seja, famílias com seis ou mais componentes receberão o mesmo que aquelas com cinco integrantes.

Para ter acesso ao incentivo, os núcleos deverão ter Indicador da Situação Econômica Equivalente (ISEE) de até 3 mil euros (R$ 10,8 mil) e a presença de pelo menos um membro menor de idade, deficiente ou grávida. O ISEE é um instrumento criado para avaliar a situação financeira dos italianos, levando em conta renda, patrimônio e características da família.

Além disso, precisarão aderir a um projeto personalizado de inserção social e trabalhista, uma espécie de acompanhamento para deixar a condição de pobreza. Sendo assim, as pessoas beneficiadas deverão se empenhar na busca por trabalho e no cumprimento de objetivos educacionais (como frequência escolar) e sanitários (como vacinação).

As famílias interessadas poderão solicitar a bolsa a partir de 2 de setembro, e o governo acredita que o SIA cobrirá entre 180 mil e 220 mil núcleos e de 800 mil a 1 milhão de cidadãos, metade dos quais menores de idade.

Segundo o ministro do Trabalho Giuliano Poletti, já foram separados 750 milhões de euros (R$ 2,7 mil) para o projeto em 2016, mas ele ressaltou que a medida será apenas uma “ponte” que levará o país à chamada “renda de inclusão”, que ajudará todos os menores de idade em condição de pobreza absoluta, algo em torno de 1 milhão de jovens.

Há apenas quatro meses, o primeiro-ministro Matteo Renzi havia chamado de “esmola de Estado” a proposta do Movimento 5 Estrelas (M5S) de criar uma “renda de cidadania” para pobres. O projeto, atualmente em discussão no Senado, prevê que todas as pessoas maiores de 18 anos que recebam menos de 780 euros (R$ 2,8 mil) por mês tenham um auxílio financeiro para atingir esse patamar.

Atualmente, a pobreza absoluta na Itália atinge 4,598 milhões de pessoas, a cifra mais alta desde 2005, ainda antes da crise que jogou o país em uma longa recessão.

revista Época

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Leonardo Araújo Postado em 03/Aug/2016 às 12:07

    A ONU já havia recomendado a implantação de programas semelhantes ao Bolsa Família em países que estivessem em busca de solução para a redução da pobreza. Essa recomendação fez com ela fosse alvo de comentários bem "inteligentes" e "isentos" do tipo: "mais uma organização aparelhada por esses malditos petistas".

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 03/Aug/2016 às 14:48

    Esse Foro de SP é poderoso demais, pai....forçaram a Italia a adotar bolsa-vagabundo...é a doutrinação marxista acabando com o mundo..

    • Pedro Postado em 27/Aug/2016 às 10:23

      KKKKK, aprendeu essa com o Olavo de cavalho? pai dos ignorantes politicos

  3. Jorge Viana Postado em 07/Aug/2016 às 00:59

    Tivéssemos no Brasil uma renda per capita de R$ 2,8 mil por mês e já seríamos um país de primeiro mundo. Falta pouco, é só triplicar o valor do Salário Mínimo, ainda que alguns economistas de direita do naipe de Armínio Fraga acreditem que do jeito que esta já esta alto demais.

  4. Vinis Postado em 26/Aug/2016 às 20:19

    "Comunistas financiados pelos judeus estão acabando com o mundo, IMPITIMAN na ISQUERDA JÁ!!"