Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 04/Aug/2016 às 17:07
9
Comentários

Idosos tomam menos remédios onde a maconha é legalizada, revela pesquisa

Pesquisa revela que idosos dos EUA tomam menos remédio nos estados onde a maconha já está legalizada. Estudo mostra como a maconha medicinal está transformando o sistema de saúde americano

idosos maconha eua remédios terceira idade

Velhinhos que fumam maconha tomam menos analgésicos, antidepressivos e remédios para dormir. Essa é a conclusão da primeira pesquisa a estudar como a maconha medicinal, legalizada em parte dos Estados Unidos, está transformando o sistema de saúde americano.

Os pesquisadores da Universidade da Geórgia focaram nos números. Por lá, não há um SUS para toda a população. Existe apenas o Medicare, um sistema nacional de saúde para idosos e pessoas com doenças graves, que também cobre os custos com medicamentos. Foram os gastos desses órgãos que revelaram o impacto da maconha medicinal no país.

Os autores estudaram nove quadros em que a maconha pode ser recomendada como tratamento: ansiedade, depressão, glaucoma, náuseas, dor, convulsões, distúrbios de sono e espasticidade (rigidez muscular). O número de remédios convencionais receitados para oito dessas doenças caiu em todos os estados em que a maconha medicinal foi legalizada até 2013.

A única exceção foi o glaucoma – o que faz sentido, uma vez que os efeitos da maconha sobre os sintomas só dura uma hora. Nem para o mais hardcore dos aposentados dá para imaginar uma vida fumando maconha a cada hora do dia.

Sem ter que pagar pelos analgésicos tradicionais, o Medicare economizou mais de US$ 165 milhões (R$ 552 milhões). Se o país inteiro adotasse a maconha medicinal, os pesquisadores calculam uma redução total de US$ 470 milhões (R$ 1,5 bilhão) no orçamento do seguro-saúde.

Como no âmbito federal a maconha ainda é proibida, os médicos só podem recomendá-la, e não fazer uma receita oficial. Por isso, os baseados não são cobertos pelo plano de saúde. Mas, pelos cálculos dos autores, mesmo que o seguro cobrisse as doses de cannabis, ainda estaria economizando: maconha é muito mais barata que opioides como morfina e oxicodona.

Não dá para ter certeza que todos os idosos substituíram os remédios por maconha, mas os pesquisadores acreditam que a cannabis tem relação com a redução da prescrição dos medicamentos. Em 2013, os estados onde a droga era legal receitaram 1.800 doses a menos de analgésicos que os estados onde ela ainda é proibida.

Leia também:
Homossexualidade, maconha e feminismo na máquina do consumo
Prisão de youtuber escancara hipocrisia da ‘guerra às drogas’
Glória Maria comenta repercussão após fumar maconha na TV
Os principais mitos sobre a comercialização e uso da maconha na Holanda

Além disso, para as doenças que não podem ser tratadas com maconha, nada mudou. O número de receitas para anticoagulantes, por exemplo, não foi afetado.

Portanto, se estiver dando uma passada pelas ruas de Washington ou de Denver, não se assuste com os senhorezinhos de olhos vermelhos: o “tapa na pantera” pode ser só um substituto para a caixinha de remédios.

Ana Carolina Leonardi, Superinteressante

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Guilhermo Postado em 04/Aug/2016 às 20:14

    O que adianta tomar menos remédio e viver chapado dando gargalhadas ao ver uma mosca voando? hahaha

    • Rogério Postado em 18/Aug/2016 às 09:44

      Sinceramente... recomendar droga que altera a consciência como tratamento é coisa pra gente que não pensa. Ou não tem caráter. Drogas matam!

  2. Sergio Carneiro Postado em 05/Aug/2016 às 03:56

    Se liberarem a maconha, para tratamento de asma, no Brasil: teremos, em poucos dias, uma epidemia de "asmáticos".

    • marcio ramos Postado em 05/Aug/2016 às 07:47

      ... nasci com bronquite asmática e sarei fumando maconha e surfando com 15 anos... pode crê que e verdade.

  3. marcio ramos Postado em 05/Aug/2016 às 07:45

    .. o que adianta chapar de remédio e não sentir alegria nem com uma mosca voando???

    • Joao Postado em 05/Aug/2016 às 14:34

      mitou

  4. Maria Amaral Postado em 05/Aug/2016 às 19:55

    A falha dessas reportagens é que não citam os efeitos secundários e não falam na questão do vício, que pode se tornar um problema sério com graves conseqüências para determinados indivíduos.

  5. Salomon Postado em 06/Aug/2016 às 18:48

    Ora, tudo faz mal. A diferença entre o remédio e o veneno é a dose. Morrer de "causas naturais? Viver faz mal à saúde.

  6. José Ferreira Postado em 11/Aug/2016 às 11:16

    Para o pessoal do PP só é bom fumar maconha e dar o cu. O resto é "ruim", "opressor" e/ou assemelhados.