Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 22/Jul/2016 às 15:26
0
Comentários

Repórter da Record faz depoimento corajoso e revela ter doença incurável

“A doença não é contagiosa. Mas como é rara, desconhecida, há muito preconceito”. Repórter Arnaldo Duran grava vídeo para revelar que é portador da Síndrome de Machado-Joseph, doença sem cura e fatal

Arnaldo Duran repórter record
Repórter Arnaldo Duran diz ser vítima da Síndrome de Machado-Joseph

O jornalista e repórter Arnaldo Duran anunciou que é vítima da Síndrome de Machado-Joseph.

Em sua conta oficial no Facebook, o profissional da Rede Record revelou que sofre dessa terrível doença degenerativa, que, recentemente, causou a morte do humorista Guilherme Karan – um dos grandes nomes do programa TV Pirata, exibido pela TV Globo de 1988 a 1992.

“A doença de Machado-Joseph é denenerativa, sem cura e fatal. Mas, tenho fé. A doença não é contagiosa. Mas, como é rara, desconhecida, há muito preconceito”, diz Arnaldo Duran no texto publicado no Facebook, e que acompanha um vídeo (assista abaixo). Ele foi diagnosticado com a doença em fevereiro de 2015.

Febre do oropouche: conheça a segunda doença febril mais frequente no país

Mais um importante nome da televisão brasileira é vítima da Síndrome de Machado-Joseph. Em sua conta oficial no Facebook, o jornalista e repórter Arnaldo Duran, atualmente na Rede Record, revelou aos fãs que sofre dessa terrível doença degenerativa, que, recentemente, causou a morte do humorista Guilherme Karan – um dos grandes nomes do programa TV Pirata, exibido pela TV Globo de 1988 a 1992.

“A doença de Machado-Joseph é denenerativa, sem cura e fatal. Mas, tenho fé. A doença não é contagiosa. Mas, como é rara, desconhecida, há muito preconceito”, diz Arnaldo Duran no texto publicado no Facebook, e que acompanha o comovente vídeo. Ele foi diagnosticado com a doença em fevereiro de 2015.

Segundo o portal da Associação Atlântica de Apoio ao Doente Machado-Joseph, a síndrome causa distúrbios dos neurônios responsáveis pelo equilíbrio, coordenação motora, deglutição, fala e respiração. Não existe tratamento. O que se faz é melhorar a qualidade de vida do paciente com medicamentos para dor, depressão, contrações musculares, entre outros.

Por ser hereditária, existe 50% de chances de a doença ser passada de pai para filho. Tanto no caso do ator Guilherme Karan quanto do repórter Arnaldo Duran, outros membros da família também foram diagnosticados com o problema.

O jornalista da Rede Record, que participa principalmente do programa Domingo Espetacular, está com 64 anos e começou a trabalhar na rádio Piratininga, da cidade de Tupã (SP), nos anos 1970. Ele também já teve passagens pela TV Globo, pela extinta TV Manchete e pela Record News TV.

“Ainda não há medicamento, mas desde 2010 eu frequento uma instituição que promove a fé não emotiva, a fé não religiosa, que tem me ajudado bastante”, diz o repórter no vídeo.

VÍDEO:

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Tags

Recomendados para você

Comentários