Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 08/Jul/2016 às 14:42
21
Comentários

Estudante acusado de roubo se arrepende de ter dito que "racismo não existe"

Mulher acusa jovem universitário negro de roubar celular... que estava na bolsa dela. “Lembrei de todas as vezes em que abri minha boca pra dizer que o racismo não existia, e sei agora o quanto eu estava enganado”, diz o estudante de Engenharia Civil, que foi chamado de “negrinho ladrão”

racismo celular bolsa mulher ceará
Mulher acusou David de roubar seu celular: “É negro, só pode ser bandido!”

“Lembrei de todas as vezes em que abri minha boca pra dizer que o racismo não existia, e sei agora o quanto eu estava enganado”. Essas são palavras do universitário David Castro, que denuncia ter sido vítima de injúria, difamação e racismo em hamburgueria de Fortaleza, na última terça-feira (5).

Acusado injustamente por um falso sumiço de celular, o estudante de Engenharia Civil acionou a Polícia e relatou o crime do qual foi vítima, no Facebook.

Publicada nesta quinta-feira (7), a postagem já soma centenas de compartilhamentos e comentários e mais de 1,9 mil reações. Ao Tribuna do Ceará, David ressaltou que foi surpreendido pela atitude da senhora e demorou a perceber que estava sendo vítima de um crime de racismo. Ele preferiu preservar o nome do estabelecimento.

O crime aconteceu quando David fazia um lanche com um amigo, numa hamburgueria na Avenida Dom Luís, área nobre de Fortaleza, e percebeu a movimentação de uma senhora que cobrava providências diante de suposto sumiço de seu celular.

“Todos que estavam no estabelecimento perceberam a movimentação da senhora, até que ela chamou o André (um dos sócios do estabelecimento), que por sinal é meu amigo, e disse em alto e bom som que um negrinho ladrão e safado havia roubado seu celular. Eu não havia percebido que a senhora estava falando de mim, até ela vir na minha frente e dizer: ‘Devolve meu iphone seu nego bandido. É negro, só pode ser ladrão‘”, relatou.

Segundo ele, não havia outra pessoa negra no estabelecimento. “Sou uma pessoa muito política, não costumo discutir com ninguém. Na hora, fiquei sem reação nenhuma”, ressalta.

Apesar de afirmar que não havia furtado o celular da senhora, ela pediu para não deixarem ele sair do local. O rapaz ainda se prontificou para que ela o revistasse. “Ela disse: ‘Eu não discuto com bandido. Você (se dirigindo ao André) revista ele, porque ele tá com meu celular’”, conta.

O sócio do estabelecimento defendeu David e disse que o conhecia e sabia que ele não havia cometido nenhum crime. Foi pedido à senhora que novamente verificasse se o celular não estava na bolsa dela. “Ela foi tirando item por item da bolsa. Um dos últimos foi o celular. Ela olhou pra mim e pediu desculpas e disse que estava enganada. Me chamou de meu filho, antes eu era negro, safado, ladrão”, pontua.

A autora do crime foi Verônica Castilho de Brito Monte. Ela excluiu seu perfil no Facebook após o episódio. Apesar da tentativa de resolver a situação com um pedido de desculpas por parte da senhora, David chamou a Polícia para denunciá-la pelos crimes de injúria, difamação e racismo. Foi feito um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), após depoimento do envolvidos, do dono do estabelecimento e de duas testemunhas.

“Eu voltei pra casa chorando e completamente arrasado em saber que em pleno século 21 tem gente tão pequena, capaz de acusar alguém de ladrão por sua cor de pele e por perceber que o racismo está em todos os níveis da sociedade”, lamentou o universitário. Ele afirma que não tem interesse em nenhum tipo de indenização financeira. “Quero que ela aprenda a respeitar as pessoas”, destaca.

Jéssica Welma, Tribuna do Ceará

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. João Paulo Postado em 08/Jul/2016 às 15:19

    Negro com uma condiçãozinha melhor já se acha branco, veste a carapuça de coxinha, diz que não se vitimiza, odeia a Dilmãe e adota o papo de meritocracia. O discurso deles não muda. Continuarão que nem papagaios dos piratas da nação reproduzindo suas besteiras, mas adotarão um discurso genérico de que há "racismo" no Brasil. E que negros se fazem de vítima e são submissos mesmo, MENOS o gostosão.

    • Débora Postado em 08/Jul/2016 às 16:58

      Não entendi seu comentário...

      • João Paulo Postado em 08/Jul/2016 às 23:21

        Débora, o "negro de classe média" (por assim dizer) adota o discurso do "branco de classe média". É contra cota, contra políticas sociais e inclusivas. E enche a boca para dizer que não é vítima de racismo, até porque a sociedade - de alguma forma - vê com bons olhos as famílias negras de classe média. Talvez, porque - para a sociedade (branca) - assim se torna mais fácil dizer que basta o negro querer trabalhar/estudar para sair da pobreza. Mas bastou um único episódio do "negro de classe média" ser confundido com um "mero mortal negro" para cair a ficha dele de que há racismo no Brasil. Ou seja, a vítima deste caso jamais conseguiu olhar para o lado, para o passado e jamais exerceu seu poder de empatia com os negros que sofrem discriminação corriqueiramente.

    • Maria Postado em 08/Jul/2016 às 19:23

      Infelizmente é verdade! Conheço vários assim, lamentável

    • Juliana Postado em 08/Jul/2016 às 23:43

      Que comparação mais tosca. E desde quando um negro precisa se achar branco por conquistar uma boa qualidade de vida graças à sua garra, competência e inteligência? Quer dizer que ser "branco" agora é condição "social"? Tal condição qualquer um, independente da raça ou sexo pode conquistar. A forma como você mesmo se expressa já é uma forma de racismo velado, assim como seu linguajar, típico de pessoas invejosas e preconceituosas, que a meu ver não possuem nenhuma qualidade ética ou moral para afirmar o que é certo ou errado.

    • DANIEL Postado em 15/Jul/2016 às 13:01

      concordo João Paulo sou negro e convivo com negros classe média, que dizem em alto e bom tom que não são negros. inclusive tenho um grande amigo que diz que a escravidão não existiu. não sei porque as pessoas estão tão incomodadas com teu comentário.

    • Isaac Postado em 20/Jul/2016 às 11:05

      Vc está reproduzindo o racismo no momento em que generaliza os negros, como se todos fossem racistas quando têm "condição melhor". É o mesmo que culpar o negro pelo racismo.

  2. tatiana reis Postado em 08/Jul/2016 às 17:01

    vc é podre

  3. Araceli Souza Postado em 08/Jul/2016 às 17:20

    É tão esdrúxulo para não dizer abominável esse seu comentário que nem merece ser respondido.

  4. Mariangela Postado em 08/Jul/2016 às 18:55

    Que comentário racista sr João Paulo!!! Deveria ser processado pra aprender a respeitar as pessoas!

  5. Yra doce Postado em 08/Jul/2016 às 19:56

    Mais um desmiolado por aqui ...bateu a cabeça ou fumou orégano? A senhora da reportagem foi bem explícita...explícita em demasia.

    • Vera de Alcantara Postado em 09/Jul/2016 às 06:40

      João, vc. aparenta ser o cidadão mais pobre de espirito que já. patticipou de um comentario por aqui. Faz um favor para o mundo, cale-s

  6. Clara Postado em 08/Jul/2016 às 20:08

    Eu entendi seu comentário, João. Já vi amiga negra se definindo como morena e criticando o sistema de cotas, sem entender que era beneficiada por ele. Achava que nunca havia sofrido racismo mas nem desconfiava que alguns homens não cogitavam ficar com ela devido à textura do seu cabelo afro esticado. Dá um misto de dó e vergonha alheia. Eu tenho orgulho da minha negritude.

  7. Darasoares Postado em 09/Jul/2016 às 08:34

    Gente, por Deus, só leiam o que a pessoa escreveu... e daí respondam o que ESTÁ DITO, não o que vcs acham que é. João Paulo, o único problema do tua manifestação é o racismo implícito: não é o "negro-classe-média" que é assim; é toda (ou pelo menos majoritariamente) classe média. Pessoas com condições sociais mais elevadas de vida (qualquer etnia) tendem mesmo a ignorar a pobreza. Mas esse papinho de que todo o grupo excluído socialmente ter sempre que ter o bom exemplo pra tudo, ser melhor, blá blá blá, para não justificar o seu valor é ridículo. Nossa, quanta gente branca é chata, burra, rouba, mata, fala merda e não precisa se esforçar para ser melhor em nada? Por que Verônica achou que podia falar o que disse? Por que vc acha que pode condenar a vítima só porque ela não age do acordo que vc acha certo? Assim, julgar/condenar qualquer negro (qualquer ser não pertencente ao quadro considerado "sociedade") que "parece esquecer" das condições opressoras em que vivem, como se todo negro tivesse que ser um manifestante ambulante, é definir um papel de outra pessoa de acordo com o que vc ACHA, o que além de ser DITATORIAL E OPRESSOR, é principalmente GRAVE quando vc julga a VÍTIMA, mas não o opressor.A igualdade é para todos, ou não é igualdade. Lamento, João Paulo, mas vc é racista, tanto quanto a tal Verônica. Não cabe a vc, nem a ela, nem ninguém definir o papel do outro. Mas cabe a todos o respeito. Espero que vc repense o seu racismo (que não é diferente do dela), pare de executá-lo e se por acaso for uma dessas pessoas que lute pela igualdade, passe a fazer de forma não hipócrita.

  8. Eduardo Ribeiro Postado em 09/Jul/2016 às 08:34

    É triste que o garoto tenha que ter vivenciado um episódio de racismo tão explícito e violento para descobrir que o céu é azul, a água é molhada, o o sal é salgado e o racismo existe no Brasil. Tem gente que tem cérebro e olhos funcionais mas nada vê e nada compreende, nem mesmo as maiores obviedades do planeta. Gente que precisa enfiar o dedo na tomada pra descobrir que dá choque e precisa comer merda pra saber que merda não presta. Ao menos ele aparenta ter virado gente agora. Ou iniciou o caminho. Porque ser um negro racista é degradação moral demais. Aprendeu na marra e deixou de ser um clone vagabundo do Fernando Holiday. Que vá e não peque mais.

  9. Margareth Brito Postado em 09/Jul/2016 às 13:24

    Vergonha desse País....... vou ali vomitar

  10. João Paulo Postado em 10/Jul/2016 às 12:53

    Quanta gente burra/hipócrita nesses comentários. Além de moralmente questionáveis e de inteligência/ alfabetização duvidosas, possivelmente vivem na lua. Devem viver na mesma realidade paralela das pessoas que acham que não existe racismo.

  11. jota Postado em 11/Jul/2016 às 01:08

    Ele teve o que merecia, porque não acredito que um universitário seja tão burro de não notar racismo no Brasil, principalmente em Fortaleza. Ele é um traíra que estava se achando superior porque estuda medicina. na verdade ele não presta.

  12. sergio ribeiro Postado em 12/Jul/2016 às 16:29

    Negro dizendo que racismo no Brasil não existe é dose! Lembro de um fato que parece até engraçado, mas não é. Sou branco feito um palmito, mas um dia resolvi brincar de truco na internet e usei um avatar de um negrinho porque o achei engraçado e simpático. Acreditam que fui alvo de piadas do tipo "você é preto, mas é gente boa"!? Se eu que "fui" negro por algumas horas passei por isso, por onde andava esse tonto que nunca percebeu o racismo?

  13. Sergio Carneiro Postado em 13/Jul/2016 às 05:19

    Racismo no Brasil existe e é uma política de governo. Segregar as pessoas pela cor é a mais pura forma de racismo, já não basta as cotas raciais.

  14. DANIEL Postado em 13/Jul/2016 às 15:00

    é uma pena ter que acontecer com a gente, pra descobrir que brasileiro é racista. E não acredite na mídia SIONISTA ( essa sim com real interesse no racismo) quando divulga em manchetes sensacionalista que policia matou traficantes, bandidos que reagiram sempre na maioria dos casos negros, não deixe que tenha que acontecer conosco para nós podermos acreditar.