Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 20/Jul/2016 às 11:34
0
Comentários

5 vezes que você transmite preconceito ao seu filho sem perceber

Desmontar o racismo sistemático é uma tarefa árdua e contínua. Veja cinco maneiras em que os pais transmitem – muitas vezes sem perceber – preconceito a seus filhos, preconceito esse que pode levar à perpetuação do racismo

preconceito filhos crianças racismo

por Danielle Slaughter*

Quantas vezes você já não viu um meme de uma criança negra abraçando uma criança branca, com uma legenda dizendo que as crianças “são inocentes e não enxergam a cor da pele” ou nos lembrando que as crianças “não são racistas de nascença”?

Esses memes tendem a aparecer aos montes nos momentos em que estão acontecendo discussões sobre racismo. Essa discussão virou contínua depois de diversos casos de racismo se tornarem públicos.

As pessoas se parabenizam na seção dos comentários e falam que a próxima geração lhes dá esperança, mas todos evitamos falar da realidade: que é muito provável que um dia no futuro essas duas crianças vão olhar uma para a outra com desconfiança. Ninguém quer falar de como as crianças aprendem a ter preconceito.

Em vez disso, ficamos fazendo de conta que tudo ficará bem no futuro.
Se formos realmente honestos, admitiremos que as coisas não vão ficar tudo ok no futuro e que nós somos parte do problema. É uma verdade difícil de engolir, mas precisamos admitir que continuamos a perpetuar o preconceito e/ou o racismo em nossa vida cotidiana.

Preconceito é uma opinião desfavorável de uma pessoa em função de sua raça, religião, sexo, orientação sexual, etc. Racismo é o que acontece quando se mistura preconceito com poder e se usa as duas coisas para discriminar sistematicamente contra um grupo de pessoas.*

Desmontar racismo sistemático é uma tarefa tremenda, mas veja abaixo cinco maneiras em que os pais transmitem preconceito a seus filhos, preconceito esse que pode levar à perpetuação do racismo.

1.Dizemos uma coisa, mas fazemos outra

Falamos a nossos filhos que não se deve julgar um livro pela capa, mas quantos de nós colocamos isso em prática quando se trata das pessoas? Vivemos julgando e estereotipando outros pais no playground.

Não estou falando de alguém abanar a cabeça com expressão desaprovadora porque uma mãe está no telefone ou porque ela não sai do lado do filho. Já lhe aconteceu de você impedir seu filho de brincar com certas outras crianças no playground porque são filhas de mãe solteira?

Você já recusou um convite para seu filho ir brincar na casa de um amiguinho, preocupado porque os pais do amiguinho são um casal do mesmo sexo?

É fácil imaginar que as crianças não estão prestando atenção, mas sabemos que elas são verdadeiras esponjas, absorvem tudo e estão sempre prestando atenção.
Atravessamos a rua e trancamos as portas do carro quando vemos alguém que achamos que tem aparência perigosa.

Você explica a seus filhos que está trancando as portas porque vocês estão sozinhos num estacionamento, à noite? Ou você faz cara assustada e tranca as portas correndo, sem explicar nada? Pode ser que tranque as portas correndo, sem explicar, porque está numa cidade grande e dois rapazes negros passaram ao lado usando agasalho com capuz, ou porque há um grupo de adolescentes brancos com roupa gótica.

Se você explica aos seus filhos o que está fazendo, pode impedi-los de tirar suas próprias conclusões sobre o seu medo e, mais para frente, fazerem algo semelhante, eles próprios.

2. Falamos coisas ofensivas sem querer, em momentos de tensão

Admito que eu mesma faço isso às vezes. Quando anunciaram que Darren Wilson não seria indiciado após a morte de Michael Brown, fiquei arrasada e furiosa. Gritei com a televisão e, conversando com meu marido, comentei abertamente o desdém que senti por “aquele pessoal branco”.

Meu filho, que tinha 2 anos e meio, me viu chorar, viu meu marido tentando me consolar. Na manhã seguinte me senti culpadíssima e torci para não ter transmitido essa forma de preconceito a meu filho.

Aprendi desde então a mudar de canal quando meu filho está presente, evitando aqueles momentos que desencadeiam esse tipo de reação. Meu marido e eu trocamos olhares assinalando que é preciso cuidado com o que falamos.

Conhecemos a realidade do racismo na América, mas queremos transmitir as informações ao nosso filho de maneira mais neutra, deixando que ele forme suas próprias ideias, com base no que ele mesmo viver.

3. Escondemos os lados mais tenebrosos da história

“Por que tudo o que aprendemos na escola é mentira?” Um de meus alunos calouros na faculdade me perguntou isso, uma vez, durante um debate sobre cultura popular e movimentos sociais. A pergunta dele foi um exagero, sem dúvida, mas também encerra muita verdade.

Quando suavizamos aspectos da história ou escondemos seus lados mais brutais, para proteger nossos filhos dessas verdades, estamos deixando de lhes dar todas as informações que eles precisam para entender realmente os sistemas de opressão que afetam a todos nós.

Prestamos um desserviço a nossos filhos quando fazemos de conta que o racismo e/ou o preconceito não existem mais. Precisamos, pelo contrário, compartilhar a verdade com eles, se quisermos desmontar o sistema ainda em nossas vidas.

Para isso, precisamos procurar livros e filmes próprios para a idade deles que falem da verdade desses momentos difíceis de nossa história e depois precisamos dar respostas francas aos nossos filhos quando eles nos fazem perguntas. Podemos expor nossos filhos a atividades culturais diversas que lhes mostrem as partes boas e também ruins da história.

Não festeje apenas o dia 4 de Julho com eles, festeje também o Juneteenth (19 de junho, data em que se comemora a emancipação dos escravos do sul dos Estados Unidos).

4. Promovemos a “política da respeitabilidade

Quando dizemos a adolescentes negros que, se quiserem ser respeitados, precisam usar camisa social, não agasalho com capuz. Quando fazemos comentários desairosos sobre casais homossexuais que exibem seu amor em público ou sobre o fato de esses relacionamentos serem mostrados na televisão. Quando falamos das roupas usadas por mulheres jovens, dizendo que elas “atentam” os homens.

Quando promovemos leis que põem em perigo as pessoas que não se pautam pelas regras habituais sobre gênero.

Quando fazemos essas coisas, estamos ensinando a nossos filhos que apenas certas pessoas merecem respeito. Estamos dizendo a eles que tudo bem demonstrar viés contra alguém que não exerce seu papel na sociedade da maneira que nos parece correta.

Estamos ensinando-os a estereotipar grupos e conduzindo-os pelo caminho do preconceito, mesmo que pensemos que estamos apenas protegendo-os.

Os perigos que nos preocupam são reais, sem dúvida, mas precisamos explicar esses perigos aos nossos filhos. Em vez de dizer que o agasalho com capuz faz você ficar com cara de bandido ou que aquele shortinho faz você parecer uma vagabunda, precisamos explicar aos nossos filhos como eles podem ser vistos por pessoas racistas, sexistas e/ou preconceituosas.

Quem precisa sentir vergonha é a sociedade, não são as vítimas do preconceito.

5. Nós nos calamos em momentos incômodos

“No final, vamos recordar não as palavras de nossos inimigos, mas os silêncios de nossos amigos.” Sempre me lembro dessa frase célebre do Dr. Martin Luther King quando sinto a tentação de me calar em um momento incômodo.

Se você fizer silêncio quando seus familiares ou amigos estiverem falando de questões polêmicas e afirmarem seu preconceito em voz alta diante de seus filhos, estará concordando silenciosamente com esses preconceitos. Sim, você pode falar disso com seu filho mais tarde para lhe dizer que discorda, mas, se quiser criar um filho que um dia seja defensor da justiça social, precisa lhe servir de exemplo e expor o que você pensa diante de todo o mundo.

Eu lembro a meus familiares e amigos toda hora que não vou deixar que manifestem preconceito contra qualquer grupo na presença de meu filho.

Isso é contraproducente para a pessoa que quero que ele se torne. Recentemente participei de conversas sobre a posição da Target em relação ao uso de banheiros por transgêneros (a empresa autoriza os transgêneros a usarem o banheiro do gênero com o qual se identificam), e, apesar de querer me afastar porque o clima ficou um pouco hostil, não fiz isso.

Continuei a falar e transmiti dados sobre o assunto, porque é isso que eu gostaria que meu filho fizesse. Sei, também, que não faz tanto tempo assim as pessoas com minha aparência não eram autorizadas a usar o banheiro que quisessem, e sinto gratidão às pessoas que não se calaram naquela época.

Pergunte-se: você gostaria que seu filho fosse a criança que impede uma menina de usar o banheiro feminino na escola, só porque seus cabelos são curtos e ela não está de vestido? Ou gostaria que ele fosse a criança que se erguesse em defesa daquela garotinha?

Nossos preconceitos podem ser o que leva nossos filhos a virarem pessoas que maltratam colegas mais fracos ou, pelo contrário, a se tornarem defensoras dos direitos dos outros.

Não é fácil educar nossos filhos. Educar filhos para terem consciência social é ainda mais difícil. E o mais difícil de tudo provavelmente é reconhecer que nós mesmos somos parte do problema.

Se pudemos nos esforçar para eliminar esses cinco comportamentos que temos, como pais, acho que avançaremos no caminho para reconhecer nossos privilégios, frear nossos preconceitos e dominar nossa soberba.

Por sorte, não precisamos encarar esse trabalho sozinhos: podemos fazê-lo juntos. Junte-se a mim e a outros pais no curso inaugural de “Raising an Advocate”,Exposing The Three Ps: Privilege, Prejudice, and Pride. (Expondo os três Ps: Privilégio, Preconceito e Orgulho).

*Se você tiver interesse em aprender mais sobre racismo e preconceito sistemáticos, dê uma olhada em Privilege, Power, and Difference.

*Danielle Slaughter é a voz por trás do Mamademics e a criadora de Raising an Advocate, onde ela compartilha materiais e dá cursos para ensinar pais a educar seus filhos para serem defensores da justiça social. Siga-a no Facebook e no Twitter.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários