Redação Pragmatismo
Compartilhar
Esporte 30/Jun/2016 às 16:46
6
Comentários

Repórter australiano explica por que Olimpíadas no Rio serão 'especiais'

Repórter australiano do jornal The Sydney Herald usa sua própria experiência no Rio de Janeiro para explicar por que os Jogos Olímpicos serão especiais

olimpíadas rio de janeiro
“Os Jogos Olímpicos no Rio serão um vexame internacional? Absolutamente, não!”

O vírus Zika. O atraso na entrega de instalações olímpicas incompletas e da expansão do metrô. Uma superbactéria na Baía de Guanabara. Um laboratório antidoping fechado. O aumento da criminalidade. O processo de impeachment de Dilma Rousseff. O escândalo da Petrobras.

Mesmo diante de uma longa lista de problemas, Andrew Webster, repórter especial de esportes do jornal australiano The Sydney Herald, é categórico ao responder às perguntas que rondam a mente de quem acompanha o noticiário sobre o Brasil neste período pré-olímpico.

“Tudo isso seria motivo para não ir à Olimpíada? Um sinal de que será um fracasso?”, questiona, em um artigo publicado recentemente, para emendar em seguida: “Absolutamente não.”

O título do texto deixa clara sua mensagem a mensagem de Webster: “Chega de criticar o Brasil. Estes Jogos Olímpicos serão especiais”. E o repórter usa sua própria experiência na cidade para explicar por quê.

Ele conta que uma das coisas “mais idiotas” que já fez na vida foi ir a um baile em uma favela. Para sua surpresa, diz ter se sentido seguro, mesmo sendo o único estrangeiro ali – até começarem os tiros.

“Não estavam vindo da pista, mas de algum lugar não muito longe. Entrei em pânico e comecei a correr. Todo mundo continuou a dançar, como se nada tivesse acontecido”, afirma.

“Então, sim, ir a uma favela com estranhos e tiros sendo disparados por perto foi uma das coisas mais idiotas que já fiz – mas também uma das mais divertidas.”

Webster diz contar essa história quando se fala do “caos, do perigo e de beleza hedonista” do Rio, que ele considera uma das cidades “mais misteriosas, fascinantes, frustrantes, letais e visualmente espetaculares” do mundo.

O povo

O jornalista destaca que a disparidade entre ricos e pobres quase nunca esteve tão clara para quem mora no país, com bilhões de reais investidos em instalações esportivas enquanto áreas como saúde, educação, transporte e segurança deixam muito a desejar.

E que a raiva despertada por isso “transborda para as ruas na forma de crimes”, algo que tem preocupado a delegação australiana, que reforçou sua segurança e proibiu atletas de chegarem perto de favelas.

Por outro lado, diz Webster, as Olimpíadas no Rio serão uma oportunidade única de ver cerimônias olímpicas no Maracanã, assistir a jogos de vôlei de praia à meia noite em Copacabana e ver disputas de tiro com arco no sambódromo.

E completa dizendo que, apesar de todas as pedras atiradas na direção das Olimpíadas no Rio, o que as salvará será “aquilo que os estrangeiros parecem mais temer, o povo”.

“Você poderá ficar horas preso em um engarrafamento, levar metade do dia para fazer o check in em um voo ou imaginar que a conta que você pediu no restaurante não vai chegar nunca”, afirma Webster.

“Mas, quando você estiver em um quiosque em Ipanema, bebericando água de coco e comendo um misto quente enquanto admira o Oceano Atlântico e tenta se lembrar da noite anterior e todas as pessoas que você conheceu, nada disso importará.”

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Luiz Postado em 01/Jul/2016 às 01:17

    Cadê o link da reportagem do australiano?

    • Beth Abreu Postado em 01/Jul/2016 às 12:29

      Aqui: http://www.smh.com.au/sport/olympics/rio-2016/rio-2016-enough-of-the-brazil-bashing--these-olympic-games-will-be-something-special-20160627-gpsplh.html

  2. julia Postado em 01/Jul/2016 às 08:35

    Estive na Austrália. País maravilhoso e o povo australiano é incrivel. Eles tem uma visão de mundo diferente de nós. O mais interessante disso tudo é que precisa uma pessoa de fora do país para escrever um lance desse porque tanto os brasileiros que estão aqui, como aqueles que migraram para lá aprenderam cantar bem o " hino do cachorro vira-lata" e não conseguem enxergar nada de bom do próprio país. A romantização do sofrimento humano, a cosificação das pessoas que moram na favela e a discriminação contra os brasileiros começa a partir deles mesmos. Perdi as contas de quantas vezes vi brasileiros se desvalorizarem, se menosprezarem e até mesmo correr atrás de outra nacionalidade porque se diziam envergonhados de ser brasileiros. Uma pena, porque o brasileiro é respeitado em todo mundo e apesar de todos os problemas que temos o nosso país tem o melhor de todos os povos, porém, apenas o estrangeiros percebem isso.

    • Sandra Postado em 01/Jul/2016 às 14:06

      Belo comentário, merece aplausos!

  3. gustavo0 Postado em 03/Jul/2016 às 07:23

    Quero uma nova reportagem quando acabarem os jogos sr.Webster.

  4. poliana Postado em 04/Jul/2016 às 15:21

    ah claro..pra vc só são válidos os comentários e matérias detonando o brasil, não é, naro solbo!!!!! ninguém pode fazer um único elogio ao país que pra vc n vale nada e é merchand!!!?? vc n passa de um vira lata sarnento!