Redação Pragmatismo
Compartilhar
Tragédia 17/Jun/2016 às 16:13
0
Comentários

O relato de uma mãe sobre o menino de 2 anos morto por um jacaré na Disney

Tragédia da Disney deixou muitos pais pensando: "poderiam ser meus filhos". Jennifer Venditti sentiu isso tudo mais intensamente. Meia hora antes do pequeno Lane Graves ser atacado e morto pelo jacaré, seu filho brincou no mesmo lugar (imagens). Em seu relato, ela sugere uma reflexão aos que condenam os pais

jacaré menino mãe disney
Filho de Jennifer Venditti também brincou no mesmo local onde menino de 2 anos morreu. “Julguem menos”, diz

Uma tragédia que teve como palco um hotel do complexo Disney deixou muitos pais pensando “poderiam ser meus filhos”.

RELEMBRE A TRAGÉDIA AQUI

Jennifer Venditti talvez tenha sentido isso tudo ainda mais intensamente. Apenas meia hora antes do pequeno Lane Graves ser atacado na beira do lago Seven Seas dentro do hotel Disney Grand Floridian Resort & Spa, seu filho Channing brincou no mesmo lugar.

“É uma praia pequena, cercada de piscinas, tobogãs, um restaurante e uma fogueira. eu não posso conceber que um jacaré estaria ocupando um espaço tão pequeno”, contou ela em sua conta no Facebook, pedindo ainda “menos julgamento e mais orações”.

Eis o seu relato:

“Rezem, rezem muito por essa família e por aqueles que testemunharam esse evento trágico. Tirei essas fotos no exato lugar onde [a tragédia] ocorreu entre 20h e 20h30, o incidente aconteceu às 21h. Os helicópteros sobrevoaram até 1h da manhã, e estavam de volta ao amanhecer. Eu não posso imaginar que alguém tenha conseguido dormir, sabendo que o helicóptero buscava por uma criança que desapareceu ao ser atacada por um jacaré.

Eu não posso ajudar, mas fico me perguntando se nós brincamos com ele, se eu conversei com sua mãe. Como alguém consegue ir para casa sem seu bebê a tiracolo? Eu já vi mensagens criticando os pais. Eu posso falar, com certeza, que jacarés não passaram pela minha cabeça enquanto Channing estava na água. É uma praia pequena, cercada de piscinas, tobogãs, um restaurante e uma fogueira. Eu não consigo conceber que um jacaré estivesse em um lugar tão pequeno e movimentado.”



O corpo do pequeno Lane, de apenas dois anos, foi encontrado na tarde de quarta-feira (15), após 18 horas de buscas. Segundo a polícia, a provável causa da morte da criança foi afogamento, visto que ele não foi profundamente ferido pelo jacaré. Cinco animais foram capturados e mortos, e serão examinados para descobrir se algum deles foi o que atacou Lane.

A criança foi arrastada na terça (14) à noite , por volta das 21h30 (22h30 de Brasília) pelo animal. De acordo com a CNN, o menino estava apenas com os pés dentro da água quando foi puxado pelo animal, que deve ter entre 1,2 e 2,1 metros.

O pai e a mãe do menino tentaram lutar contra o jacaré na esperança de resgatar a criança. A profundidade da água no local não ultrapassa 30 centímetros. O acidente aconteceu durante uma exibição de filmes ao ar livre, organizada pelo hotel.

A jornalista brasileira Patrícia Maldonado, que vive em Orlando há um ano, contou que esbarrar com um jacaré na cidade da Flórida é coisa “normal”, e que embora seja difícil assumir, a tragédia, descrita por ela como uma fatalidade, poderia acontecer com qualquer um.

“Assim como toda criança que mora aqui, minhas filhas sabem que não podem ir perto dos lagos. Sabem que mesmo que a gente não esteja vendo os crocodilos eles podem estar submersos e, o pior, que são velozes na hora do ataque, ao contrário do que muita gente pensa (podem se mover a 48 km/h para pegar uma presa). Mesmo assim eu repito tudo isso todos os dias (até porque moro em frente a um lago). “Cuidado” e “Nada de ir perto da água” são minhas frases preferidas. Mas sabe como é criança, né? Não basta falar, tem que vigiar. 24h por dia se possível. E, mesmo assim, basta uma piscada para elas aprontarem”, escreveu ela, mãe de duas meninas pequenas em seu blog na revista Crescer.

Os pais de Lane, Matt e Melissa Graves, não deverão ser indiciados, afirmou o xerife do condado de Orange, Jerry Demings.

Não há sinais de que Will e Melissa Graves cometeram nenhum crime que possa ter contribuído para o acontecido, disse Demings. “Não há nada neste caso que indique algo extraordinário” em termos de negligência, disse.

HuffPost Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários