Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 07/Jun/2016 às 12:20
0
Comentários

Mulher é queimada viva após negar pedido de casamento

Mulher morre após ter o corpo incendiado por negar um pedido de casamento no Paquistão. A vítima de 19 anos era professora de escola infantil e foi atacada dentro de casa. Um dos assassinos é o pai do 'pretendente'

jovem queimada viva paquistão
Jovem queimada viva foi levada a hospital, mas não sobreviveu (Imagem: AAMIR QURESHI/AFP/Getty Images)

Uma mulher paquistanesa morreu na última quarta-feira após ter o corpo incendiado por negar um pedido de casamento.

A vítima, identificada como Maria Sadaqat foi atacada dentro da própria casa. Ela vivia em Murree, uma área rural e bastante pobre do país. As informações são da BBC.

Professora de uma escola infantil, ela recusou a proposta do filho do dono de um estabelecimento onde ela trabalhou, de acordo com o relato de familiares.

“Ela estava dando aulas na escola, e eles fizeram a proposta há seis meses. O homem que queria se casar com ela tinha o dobro da sua idade, já era casado e tinha uma filha”, contou a tia da vítima.

Segundo informações da agência AFP, a jovem de 19 anos foi atacada por um grupo de cinco pessoas – entre eles o pai do ‘pretendente’ – e foi torturada. De acordo com a polícia, alguns suspeitos já foram presos.

Relatos publicados no jornal local Tribune dão conta de que 85% do corpo da jovem foi queimado.

“Ela foi cruelmente torturada e então queimada viva”, narrou Abdul Basit, tio da vítima, que foi levada para um hospital em Islamabad, onde não teria sido tratada adequadamente.

Cerca de 1.100 mulheres foram mortas no Paquistão nos chamados “crimes de honra”, segundo organizações ligadas aos direitos humanos. A maioria dos crimes é cometida por parentes das vítimas.

AFP, BBC e Brasilpost

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários