Redação Pragmatismo
Compartilhar
Homofobia 16/Jun/2016 às 15:31
5
Comentários

Médico é flagrado ofendendo lésbicas: "Gay, tem que matar!"

Médico agride casal de lésbicas após tentar passar a mão em uma delas, oferecer bebida e levar um fora. "Gay, se pegar, tem que matar essa desgraça... O mundo não é pra isso, as aberrações, anormais, esquece isso". Em seguida, pneumologista Ricardo Dourado sugeriu que as meninas parassem de 'nadar contra a corrente' e fossem 'procurar homens'

médico agride lésbicas mulheres gay
Médico de Goiânia Ricardo Dourado agrediu mulheres em posto

Um casal de lésbicas foi agredido verbalmente por um médico em Goiânia na madrugada da última quarta-feira (15). A agente de turismo Angélica Santana e sua namorada, Giovana Alves, estavam em um posto de combustível no centro da cidade quando o médico pneumologista Ricardo Dourado partiu para a discussão após perceber que as duas eram um casal (vídeo abaixo).

“Veado, gay, tem que matar… essa desgraça”, disse Dourado. As ofensas homofóbicas foram gravadas pelo casal. “O mundo não é pra isso, as aberrações, esquece isso.”

O casal já registrou ocorrência contra o médio no 1º Distrito Policial da cidade e o vídeo foi postado nas redes sociais.

Além de classificar a homossexualidade de “aberração”, o médico disse que atração por pessoas do mesmo sexo é “anormal” e sugeriu às mulheres irem “atrás de um homem” e desistirem de “nadar contra a corrente”:

“Vai atrás de um homem bom pra você, casa, vai ter filho. Isso é normal. Vocês querem o anormal? Você vão lutar. O dia que você pular no rio, você nada contra a correnteza. Ensina pra ela [chamou uma pessoa ao lado, não identificada]: nada no rio e nada contra a correnteza.”

Angélica disse que estava no quiosque do posto de combustível com a namorada e uma amiga quando foi abordada pelo médico. Ela relatou que ele ofereceu bebida a elas e chegou a passar a mão nas costas dela. Quando a namorada pediu que ele parasse, ele se deu conta que elas eram um casal e partiu para ofensas gravadas em vídeo.

“Ele já chegou muito intimidador, pegando na minha amiga, depois na minha namorada, passou a mão em mim. Eu falei ‘para por favor’. Foi a hora que a Giovana falou ‘por favor, não encosta na minha namorada’, pra me defender. Aí ele começou com o discurso homofóbico.”

Segundo o site regional Jornal Opção, Angélica disse que outras pessoas que presenciaram a cena afirmaram que ele estava armado. “Não vi, mas quem estava comigo disse claramente: ele está armado. Cuidado.”

Após denunciar o caso no Facebook, o perfil de Angélica foi deletado. Segundo a namorada, por causa de Dourado. “Facebook da Angelica foi deletado porque o nosso agressor está devidamente constrangido com a repercussão do relato com os vídeos. Mas a justiça ainda será feita. Obrigada todos que se mobilizaram para compartilhar e nos apoiaram”, escreveu em uma postagem na rede social.

Por telefone, Ricardo Dourado confirmou ao portal G1 as agressões verbais e, ao tentar se justificar do ato homofóbico, disse que o casal estava “se exibindo”:

“Eu só pedi respeito em um ambiente público, elas não quiseram. Se eu falei isso, de morte, infelizmente, falei sem ver, peço até desculpas, porque não é isso. Como médico, eu não vou querer matar ninguém, é lógico. Acho até incabível essa colocação, posso ter falado lá como qualquer um fala quando está exaltado.”

Ele afirmou ainda que tinha bebido cerveja e estava com “ânimos exaltados”.

VÍDEO:

HuffPostBrasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Anselmo Postado em 16/Jun/2016 às 16:34

    Respeito! Médico homofóbico!!!

    • regina lian Postado em 16/Jun/2016 às 19:55

      E ignorante pois não conhece o CID!!!!!!

  2. regina lian Postado em 16/Jun/2016 às 19:54

    Um médico que desconhece o CID (que não considera homossexualidade como doença) num assunto tão óbvio deve ter seu CRM cassado

  3. Dyego Alves Postado em 16/Jun/2016 às 20:41

    Se exibindo? rsss Será que ele diria isso de um casal hetero que estivesse trocando carinhos? E pelo que deu a entender elas nem estavam fazendo nada, tanto que ele chegou para assediá-las sem se dar conta que eram um casal. O que não é natural é essa peruca ridícula que ele tá usando. Lamentável. Espero que a vida dele se torne um inferno pra aprender a respeitar os outros. E sua carreira de médico seja bem prejudicada! Ânimos exaltados? As mulheres não fizeram mal algum a ele, que motivos ele teria para se exaltar a não ser a homofobia?

  4. Roger Postado em 18/Jun/2016 às 10:17

    Mais médicos cubanos, por favor! Olha o nível dos daqui! Bêbado, homofóbico, comportamento vergonhoso para a profissão.