Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direitos Humanos 21/Jun/2016 às 15:28
1
Comentário

Inspeção flagra trabalho escravo infantil em grife de luxo de São Paulo

Grife de luxo é flagrada em investigação fazendo uso de trabalho escravo e infantil na confecção de suas roupas

Inspeção Brooksfield trabalho escravo infantil imigrantes bolivainos
Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego em São Paulo (Imagem: Pragmatismo Político)

Revista Fórum

Cinco trabalhadores bolivianos, incluindo uma garota de 14 anos, foram encontrados em uma oficina no bairro de Aricanduva, em São Paulo (SP). Os imigrantes não tinham carteira assinada, férias e dormiam no local de trabalho inalando um cheiro forte. Os vasos sanitários não tinham porta e as camas eram separadas das máquinas de costura por placas de madeira e plástico.

Uma investigação de fiscais do Ministério do Trabalho sugere que a grife de luxo Brooksfield utiliza trabalho escravo e infantil na confecção de suas roupas. A inspeção foi feita em uma oficina subcontratada da empresa em São Paulo no início de maio.

Os trabalhadores recebiam o pagamento de acordo com o quanto produziam. Em média, ganhavam R$ 6 por peça confeccionada. A Via Veneto, proprietária da Brooksfield Donna, negou a acusação e informou que “não mantém e nunca manteve relações com trabalhadores eventualmente enquadrados em situação análoga a de escravos pela fiscalização do trabalho”.

A empresa se recusou a pagar as multas trabalhistas que são estimadas em R$ 17,8 mil. As peças chegam a ser vendidas nas lojas por R$ 500. De acordo com o relatório da inspeção do MTE, a marca “é inteiramente responsável pela situação encontrada na oficina” e foi considerada “a real empregadora”, responsável “pelos ilícitos trabalhistas constatados”.

Segundo o relatório da fiscalização, “apenas com muitas horas de trabalho os trabalhadores imigrantes conseguiriam gerar renda suficiente para garantir as despesas com alimentação e moradia administradas pelo gerente da oficina, além da almejada sobra que, remetida à Bolívia e convertida em moeda local, poderia minimamente prover a subsistência de uma família inteira”.

Leia também:
Trabalho escravo no Brasil em 2015: 936 pessoas são resgatadas
Por que Aécio não assinou o compromisso contra o trabalho escravo?
O que é a ‘lista suja’ do trabalho escravo?

Como a marca se recusou a pagar as despesas e reconhecer o vínculo com as oficinas, o Ministério Público do Trabalho instaurou um inquérito civil contra a empresa.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Ribeiro Postado em 21/Jun/2016 às 17:34

    Assim é o Capitalismo, senhores. O lucro dos caras é a prioridade, e já é naturalmente cavalar (já que a vantagem competitiva deles é a preferencia do consumidor, a ostentação, eles cobram o quanto querem). Mas eles querem mais lucro ainda. Então....bora minimizar custos esfolando a mão-de-obra, ué....porque essa é a lógica perversa do sistema: para poucos ganharem muito, muito são massacrados para ter o que comer. Aí tem débil mental pra dizer que "o problema da desigualdade no mundo é a falta de capitalismo"....na hora do acerto de contas, quem escraviza em nome do dinheiro é o primeiro na fila do fuzilamento.