Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 21/Jun/2016 às 16:28
10
Comentários

Humorista acusado de racismo pede desculpas e promete refazer personagem

“Nesses últimos dias li, ouvi, pensei e entendi que há uma longa discussão sobre o uso de “blackface” muito anterior e muito maior do que eu, minha carreira, minha personagem”. Paulo Gustavo pede desculpas e decide refazer personagem após ser acusado de racismo

Paulo Gustavo humorista racismo negro multishow
Paulo Gustavo, ator e humorista (reprodução)

Paulo Gustavo usou o Facebook na tarde deste sábado para se desculpar com seus seguidores após ser acusado de racismo e de praticar black face — uma prática do teatro americano, no século 19, que satirizava e ridicularizava de modo extravagante os negros. Na última semana, o humorista foi alvo da acusação por interpretar a personagem Ivonete, uma mulher negra e caricata. Neste fim de semana, o artista anunciou mudanças no papel.

Nesses últimos dias li, ouvi, pensei e entendi que há uma longa discussão sobre o uso de “blackface” muito anterior e muito maior do que eu, minha carreira, minha personagem e o 220 volts, por isso decidi refazer a Ivonete sem que ela pareça uma caricatura risível da mulher negra. Ela não é. Ivonete é esperta, crítica, consciente e questionadora. É uma brasileira que passa por todas as dificuldades absurdas que todos passamos como a falta transporte eficiente, sistema de saúde precário, violência, etc etc etc… Ela se revolta, reclama, exige, sofre, mas não perde o rebolado, mantém-se de cabeça erguida, forte, guerreira e sobretudo alegre. Mas o blackface historicamente remete a experiências que são dolorosas para muitas pessoas e, mesmo não sendo a intenção, eu peço desculpas se ofendi ou magoei alguém. Eu posso pintar minha pele, posso fingir, representar, tentar dar voz a essa mulher, mas eu nunca saberei de verdade como é ser uma mulher negra. Nos textos, a alegria da personagem não fazia dela uma alienada, mesmo assim eu compreendi que a negra animada é um estereótipo que os movimentos negros combatem com razão pois na vida real, muitas vezes, não é nada engraçado. Apesar de conhecer e adorar muitas Ivonetes, ser negro no Brasil é difícil sim. Como ser mulher também é difícil; como ser gay também é difícil”, lamentou.

Na continuação do texto, o humorista ressalta que não teve a intenção de destacar preconceitos e que, na vida pessoal, busca lutar contra eles. Como exemplo, Paulo Gustavo cita ter assumido publicamente seu casamento com o médico Thales Bretas:

Tanto na minha arte quanto na minha vida pessoal tenho feito o que posso pra tentar transformar o mundo num lugar melhor. Casei com o Thales, assumi isso publicamente, mudei minha certidão. Entendo que temos um grande processo de conscientização sobre o racismo, o machismo e a homofobia no Brasil e ele vem passando por etapas dolorosas. Eu não quero de forma alguma ser agente dessa dor, corroborar com preconceitos e manter o status quo de uma sociedade que necessita melhorar. Todos nós precisamos conversar e pensar mais a respeito. Eu tenho feito isso. Eu e a Ivonete”.

Leia também:
A internet revela que o Brasil é um dos países mais racistas do mundo
Por que a única participante negra do Masterchef Brasil provoca tanto ódio?

Nos comentários, os internautas elogiaram a iniciativa do ator:

“Não tem palavras pra descrever a grandiosidade da sua alma”, “Por esse e outros motivos que te admiro demais! Você é um ser ímpar e sobretudo humilde! Raridade no meio artístico! Sabe como ninguém se colocar no lugar do outro! Deus continue abençoando sua vida e que seus passos sejam sempre iluminados! Simplesmente Te amo Paulo Gustavo”, “As palavras ficam sem expressão diante da sinceridade legítima da tua vontade de transformar a sociedade , por um mundo sem rótulos e mais amor”.

Extra

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Leonardo Araújo Postado em 21/Jun/2016 às 16:44

    Belíssimo exemplo de humildade e grandeza.

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 21/Jun/2016 às 20:48

    Se Danilo Gentilli morrer e reencarnar umas 600x, talvez sua alma podre evolua um pouco e aprenda o valor do respeito, o valor do homem que é humilde, reconhece que errou, pede desculpas a quem ofendeu, aprende com seus erros e não os comete mais, e o valor do verdadeiro humor.

    • enganado Postado em 23/Jun/2016 às 10:12

      Reencarnar aqui no Planeta Terra outra vez? NUNCA! Todos esses safados da Direita, vão para vala-espiritual sem perdão, ou alguém pensa que o nosso PAI MAIOR está dormindo? Ao Planeta Terra está reservado ser um Planeta de Regeneração, pois suportaria nem o vagabundo do Boechat=Trouxinha Disfarçado estaria entre NÓS, isso mesmo NÓS. Ou seja, é notório para qq entidade de LUZ que as safadezas começando pelas do MORO não tem respaldo NENHUM por aqueles que clamam por JUSTIÇA e agem como AÓPIO, FHC, TEMER, çERRA, ... etc. Amém!

  3. Priscila Postado em 22/Jun/2016 às 01:45

    Infelizmente o estereótipo da mulher negra "forte e guerreira" também é um estereótipo... não adianta, qualquer representação que um homem branco fizer de uma mulher negra vai se limitar ao que esse homem branco PENSA que ser mulher negra é. Talvez a melhor solução mesmo seria ele simplesmente abandonar essa personagem. Ou chamar uma mulher negra para interpretá-la.

    • Jonas Schlesinger Postado em 22/Jun/2016 às 16:22

      E não precisa nem do humor para estereotipar os negros. Nas novelas, quantas negras já foram protagonistas? Nos filmes (terror) quantos negros sobreviveram às investidas dos seriais killers?

  4. André Anlub Postado em 22/Jun/2016 às 08:05

    A imagem da mulher negra somente vista como empregada e afins está desaparecendo aos poucos; pena que a passos lentos. Hoje vejo mais médicos negros, mais negros nas faculdades e que futuramente estarão formados. Foi - e ainda é - um caminho difícil, mas tenho otimismo que isso tão em breve se tornará passado.

  5. Luiz Postado em 22/Jun/2016 às 09:29

    Essa é uma atitude de um homem. Todos nós temos alguma atitude preconceituosa na vida, mesmo que inconsciente. Não existe ser humano sem preconceito. Apenas uns tem mais e outros menos. Muito dos preconceitos advém de nossa educação e reprodução de padrões culturais. A grande virtude está em humildemente reconhecermos em nós algum comportamento preconceituoso e tentar eliminá-lo. Grande atitude de Paulo Gustavo.

  6. José Ferreira Postado em 22/Jun/2016 às 10:48

    Brasil: Onde a política é vista como uma piada e o humor é visto como politicagem.

  7. Carmen Lima Postado em 22/Jun/2016 às 18:14

    Fiquei emocionada com a postura do artista Paulo Gustavo de quem sou fã de carteirinha e com o qual dou risadas sem fim, com os episódios dele no Youtube, com o seu medo de avião e a maneira de descrevê-lo, a imitação de Dona Hermínia, etc. Já assisti 500 vezes e dou risadas sempre. parece mentira mas não é, (até porque tenho medo de avião também). Vivo a recomendar ás pessoas para assistirem suas apresentações para elevar seu astral.

  8. Guilherme Postado em 22/Jun/2016 às 23:00

    Não assisto televisao, nao vejo o referido programa, mas só de um ator/humorista agir como um ser humano, e reconhecer que errou, que existe espaço para melhora, e refletir que ele é um profissional com responsabilidade pelo que toca e por quem toca, isso, pessoas, é humanidade. Gostaria q os gentillis da vida compreendessem que o humor tem como objetivo fazer todos rirem, inclusive o alvo da piada e não diferenciar, denegrir, humilhar.