Redação Pragmatismo
Compartilhar
Exploração Trabalhador 29/Jun/2016 às 16:43
8
Comentários

Faxineira é demitida via WhatsApp por ser “mãe solteira”

Faxineira é demitida do emprego por ser “mãe solteira” e denuncia preconceito. Patroa afirmou que não poderia “aceitar esse tipo de gente”. Mulher ainda suplica pelo emprego: “Não faz isso, tenho meus filhos para sustentar, sou honesta”. Conversa foi registrada no WhatsApp

faxineira mãe solteira diálogo demitida

Na última semana, o drama de uma faxineira que foi demitida por ser mãe solteira veio à baila através de uma denúncia via Facebook.

A publicação da página diário de uma mãe solteira teve milhares de curtidas e comentários e gerou revolta na rede social por evidenciar um caso de preconceito.

No diálogo, para justificar a demissão da mulher, a patroa alega que “não pode aceitar esse tipo de gente [mãe que não seja casada]”.

A justificativa se estende para os filhos, que poderiam “aprender algo errado”, e o marido, porque não queria “esse tipo de gente” perto dele.

“Não faz isso, tenho meus filhos para sustentar, sou honesta”, suplica, em vão, a faxineira.

Apesar do apelo, a decisão de demiti-la não se altera e a empregadora afirma que o dinheiro devido poderá ser retirado com o porteiro do prédio.

De acordo com a página que publicou a denúncia, todo a conversa foi enviada pela filha da faxineira. Ainda segundo a página, advogados se prontificaram a ajudar a vítima. O caso repercutiu em portais como Hypeness, Estadão, Fórum, O Tempo, IstoÉ, VEJA, Correio Braziliense, O Dia.

No site da revista Veja, chama a atenção alguns comentários que concordam com a prática da patroa.

“Não é por preconceito, mas eu também não aceitaria uma mulher solteira. Hoje o mundo tá perdido. Confiar em homem já é complicado. Com uma estranha do lado, piorou. Mas tem mulher que concorda… então boa sorte”, diz uma internauta.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Leonardo Postado em 29/Jun/2016 às 18:46

    Manda a empregada embora por ser mãe solteira e depois se reúne com a família para assistir as novelas da Globo.

  2. João Paulo Postado em 29/Jun/2016 às 19:04

    Quais valores ela acha ter passado para os filhos com a divulgação dessa conversa? Figura pitoresca e assustadora. Escrota mesmo. Não consigo ver pena mais adequada que chibatadas em praça pública. No mais, é aquela ação caprichada de indenização por danos morais.

  3. Rafael Martini Postado em 29/Jun/2016 às 20:32

    Tendo como patroa alguém com essa mentalidade, ainda mais no serviço doméstico, ela devia trabalhar pisando em ovos. Se receber certinho, com o valor da demissão sem justa causa, a empregada se livrou de uma fria. E com a repercussão do caso, não deve tardar a arrumar outro trabalho. Torço por ela.

  4. Jonas Schlesinger Postado em 29/Jun/2016 às 22:12

    Moderação: 4° parágrafo. Justificava ou justificativa?

    • Administrador
      Moderação Postado em 30/Jun/2016 às 09:41

      Jonas, obrigado. Bom dia!

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 30/Jun/2016 às 11:22

    "Nessecidade" foi duro, viu, Dona Simone? Aliás, em quem será que Dona Simone votou em 2014? Será que Dona Simone deu alguma utilidade distinta e anormal - além de cozinhar - para suas panelas nos últimos 18 meses?

  6. Fernando Postado em 30/Jun/2016 às 11:35

    Numa certa altura da conversa a "patroa" diz: "pessoas como vc encontram emprego com facilidade por questão de necessidade".É exatamente este o pensamento desta merda de elite que temos: eles chutam o traseiro dos seus empregados e dão como prêmio de consolação o "alento" de que logo estarão empregados pois são um bando de mortos de fome que se sujeitam a trabalhar por qualquer salario miserável para não morrer de fome. Garanto que esta maldita ainda acha que fez um favor ao mercado despachando a pobre coitada pois, na necessidade, ela aceitará qualquer valor pela diária e isto ajudará a manter os preços estáveis. É isto que este modelo neoliberal quer: a democratização da miséria para que o regime de semi-escravidão ou sub-emprego reinem soltos neste país. A cada dia mais me convenço de que se não rolar sangue destas bestas por meio de uma revolução popular, este país nunca será uma nação de verdade.

  7. George Postado em 30/Jun/2016 às 11:38

    esse pessoal "gente de bem" que faz ou apoia esse preconceito, a maioria é podre de hipocrisia.Duvido muito se muitos deles não praticam swing entre casais, depois bostejam falsa moralidade nas redes sociais.