Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 13/Jun/2016 às 16:32
12
Comentários

Conheça o homem que matou 50 pessoas na boate Pulse

Americano de ascendência afegã já havia sido interrogado pelo FBI duas vezes. Confira o perfil de Omar Mateen, o atirador que matou dezenas na boate gay de Orlando

Omar Mateen boate gay pulse
(Imagem: Omar Mateen)

O atirador que matou dezenas de pessoas em uma boate gay em Orlando, na Flórida, foi identificado como Omar Mateen, um cidadão americano que estava no radar do FBI desde 2013.

Mateen abriu fogo dentro da boate Pulse nas primeiras horas da madrugada de domingo, no atentado a tiros com o maior número de vítimas da história moderna dos Estados Unidos.

O FBI diz que o homem de 29 anos morto pela polícia aparentemente “tinha inclinação” para a ideologia islâmica radical, embora ainda não esteja claro se o ataque terrorista esteve ligado à ação de algum grupo estrangeiro.

Em ligações feitas para o número de emergência da polícia antes de morrer, Mateen teria jurado lealdade ao grupo autodenominado Estado Islâmico (EI). Depois, o EI disse que um “combatente” do grupo havia feito o ataque, mas não especificou se ele estava diretamente envolvido na ação ou se teria apenas “inspirado” o atirador.

O pai de Mateen disse à rede americana NBC que o ataque “não tinha nada a ver com religião”.

Seddique Mateen afirmou que seu filho ficou “muito bravo” após ver dois homens se beijando no centro de Miami recentemente.

Ele disse que a família não sabia que ele estava planejando um ataque. “Estamos chocados como todo o país.”

O agente especial do FBI Ron Hopper disse que Mateen havia sido interrogado duas vezes em 2013 após fazer comentários inflamados a colegas dizendo que tinha ligação com o EI.

A investigação foi encerrada porque as autoridades não conseguiram confirmar as alegações. Mas Mateen foi interrogado outra vez em 2014 sobre uma possível conexão com Moner Mohammad Abu-Salha, um americano que cometeu um atentado suicida na Síria.

A investigação do FBI não descobriu nenhuma “relação substancial” entre Mateen e Abu-Salha e o caso foi fechado, disse Hopper.

Apesar de estar no radar do FBI, Manteen não estava na lista oficial de suspeitos por terrorismo e legalmente estava autorizado a ter licença para portar armas, de acordo com os registros oficiais da Florida.

Mateen trabalhava como segurança armado para a empresa G4S desde 2007.

Segundo a polícia, ele realizou o ataque na boate Pulse com um rifle e um revólver. É possível que ele também estivesse portando um explosivo, mas isso não foi confirmado.

Mateen nasceu em Nova York, filho de pais afegãos, mas se mudou para Fort Pierce, uma cidade a cerca de 2h de Orlando.

Sua ex-mulher, Sitora Yusufiy, disse que ele era violento e psicologicamente instável e que havia batido nela repetidamente.

Os dois se casaram em Fort Pierce em 2009 após se conhecer na internet. Quando souberam dos abusos cometidos por Mateen, os pais de Sitora intervieram e a levaram de volta para sua casa.

“Ele não era uma pessoa estável”, disse ela ao jornal americano Washington Post. “Ele me batia. Ele chegava e começava a me bater porque as roupas não estavam lavadas ou coisa do tipo.”

Ela disse ao jornal que Mateen não era muito religioso quando eles estavam juntos e que ia muito à academia.

Segundo ela, ele tinha uma arma de baixo calibre e trabalhava como vigia em uma unidade para jovens infratores.

VEJA TAMBÉM: Vítima de atentado em boate gay dos EUA registrou momento do ataque

Ela também disse a repórteres que Mateen era bipolar e que, apesar de muitos ligarem sua ação a religião ou ao EI, as razões estariam ligadas a problemas de saúde mental. O casal se divorciou em 2011.

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Pereira Postado em 13/Jun/2016 às 18:16

    O terrorista muçulmano era filiado desde 2006 ao partido democrata. Eleitor da Hilary clinton e Obama. E por aqui, conseguiram por a culpa no Bolsonaro e no Trump. Piada !

    • Ricardo Postado em 13/Jun/2016 às 18:45

      Claro. Daí Cristo diz: "amai-vos uns aos outros" e porque um cristão fundamentalista mata alguém posso dizer que é por causa do discurso de Cristo.

      • Pereira Postado em 14/Jun/2016 às 13:42

        Não existe "fundamentalismo cristão" ! Vocês parecem idiotas tentando comparar a violência muçulmana com uma coisa que não existe.

      • Ricardo Postado em 14/Jun/2016 às 17:19

        "Não existe fundamentalismo cristão". Putz...

    • Vinis Postado em 13/Jun/2016 às 20:41

      Pereira mais uma vez dando o ar de sua inteligência, agora porque fulano é filiado a um partido que segundo Pereira apresenta convicções opostas àquelas que defendem Bolsonaro e Trump, o discurso de ódio às minorias promovido por esses dois deixa de reproduzir a homofobia...

  2. Ricardo Postado em 14/Jun/2016 às 12:41

    Errado: o problema é o ódio dos fundamentalistas. Há fundamentalistas islâmicos, cristãos e judeus. Isso é que deve ser combatido: o ódio daqueles que justificam sua violência (ou seu sadismo) sobre uma interpretação torta da fé. Esse é o ponto.

  3. Ricardo Postado em 14/Jun/2016 às 12:43

    Parece que ele era canhoto! Sabia que não podia confiar em canhotos... Ou será que foi porque ele era torcedor do Miami Heats?! Não, espera! Parece que ele era peixes com ascendente em escorpião! Só pode ser por isso! Esses conservadores cretinos fazem de tudo para desviar do problema.

    • Pereira Postado em 14/Jun/2016 às 16:26

      hehehehe ! você se supera no quesito imbecilidade ! A esquerda torce para que apareça um "fundamentalista cristão" armado e mate pessoa por aí. Ou melhor, que apareça um exército cristão armado que faça terrorismos em nome de Jesus. hahahahaha é patético !

    • Pereira Postado em 14/Jun/2016 às 16:29

      Esse Ricardo sequer sabe que 80 % dos muçulmanos são radicais, alguns dos radicais não pegam em armas é bem verdade, mas ainda sim tem nas mulheres uma propriedade assegurada por Alá. A maioria pega em armas para defender sua fé. A ignorância e o mau caratismo em comparar islã com cristianismo na questão da violência é sem igual.

    • Pereira Postado em 14/Jun/2016 às 16:33

      Esse comentário merece ir para as pérolas da esquerda. Mal sabe ele que as maiores vítimas da intolerância religiosa no mundo são os cristãos. Cerca de 150 mil são mortos todos os anos na mão do terrorismo islâmico. Quantos gays morrem no mundo por homofobia ao ano ? Quantos muçulmanos morrem por ano por atentados feitos por cristãos ????

    • Ricardo Postado em 14/Jun/2016 às 17:21

      Chora, Pereira. Enquanto vc diz que só a tua violência é legítima, eu digo que nenhuma violência é legítima.

  4. Ricardo Postado em 14/Jun/2016 às 17:32

    Vou te ajudar um pouquinho, Pereira (mas não te acostuma, ok?!): http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/fundamentalista-cristao-realizou-ataques-na-noruega. Eu tenho uma hipótese: vc acusou o golpe porque se identifica com os fundamentalistas cristãos.