Redação Pragmatismo
Compartilhar
Utilidade Pública 14/Jun/2016 às 11:56
4
Comentários

Como ser um pai ativo e comprometido?

Como exercer uma paternidade ativa? Um pai presente influencia positivamente no desenvolvimento de seus filhos em diversas áreas. Crianças que tiveram um pai participativo apresentam maior autoestima, melhor desempenho escolar, mais habilidades sociais e, no caso dos meninos, maior probabilidade de ser um pai comprometido. Saiba mais no guia sobre paternidade ativa preparado pela Unicef

pai ativo paternidade família participação

Um pai presente, comprometido e carinhoso influencia positivamente no desenvolvimento e bem-estar de seus filhos em diversas áreas. Crianças que tiveram um pai participativo, por exemplo, apresentam maior autoestima, melhor desempenho escolar, mais habilidades sociais e, no caso dos meninos, maior probabilidade de ser um pai comprometido.

Um guia sobre paternidade ativa preparado pelo Unicef e outras duas instituições, e distribuído no Chile, é um importante material de apoio para homens que querem ser pais mais participativos. Segundo a publicação, a paternidade se aprende com a prática, o que torna natural que existam dúvidas e preocupações sobre como ser pai. Porém, o importante é “confiar em você mesmo e nas observações pessoais que você tem do seu filho”, indica o material.

Ser um pai ativo significa:

– Ter uma relação afetuosa e incondicional com seu filho;
– Manter uma relação que vá além do provimento financeiro;
– Participar dos cuidados diários e da criação do seu filho, dando comida, ajudando-o a se vestir, colocando-o para dormir e ensinando-o;
– Promover um vínculo carinhoso, de apego mútuo e de proximidade emocional com seu filho;
– Compartilhar com a mãe as tarefas de cuidados com o filho e com a casa;
– Estar envolvido em todos os momentos do desenvolvimento do seu filho: gravidez, nascimento,
primeira infância, infância e adolescência;
– Incentivar o desenvolvimento de seu filho: lendo histórias, cantando e/ou colocando música, apoiando-o em trabalhos de casa e brincando com ele.

Todas essas ações podem ser realizadas sendo o pai casado com a mãe da criança ou não. O que realmente faz a diferença é que ambos cheguem a um acordo diante das principais questões de criação do filho. Diz o guia: “É positivo que os casais e ex-casais aprendam a negociar as decisões de criação de seus filhos. Podemos observar que quando há menos conflitos na relação entre os progenitores, existe uma maior participação do pai na vida da criança.”

Sobre as dificuldades de conciliar a participação ativa na criação do filho com uma eventual carga pesada de trabalho, a publicação indica que pequenos momentos sejam respeitados quando possível. Como pedir permissão no trabalho para participar de alguma atividade escolar do filho, ou levá-lo ao médico, por exemplo. Quando não for possível, é importante se manter informado de tudo o que aconteceu nestas ocasiões. No caso de o pai passar o dia inteiro fora de casa, ele deve garantir que o pequeno tempo que tem com o filho seja de qualidade: priorizando o contato físico e o diálogo e evitando distrações como TV e celular.

Leia também:
Alienação parental: 8 perguntas necessárias
A emoção de um menino autista no show da banda Coldplay
Menino negro rejeitado por heterossexuais é adotado por casal gay

Para ter acesso ao material completo clique aqui.

Bruna Ramos, EBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Teixeira Postado em 14/Jun/2016 às 16:21

    Discordo, esse tipo de cuidado com o filho vai torna-lo um bunda mole, mimado, medroso e folgado. Meus filhos (as) eu crio a base do terror. Acordam levando tapa (igual o filme tropa de elite 1), arruma a cama a toque de caixa, uma vai pra louça, outra vai ajudar a mãe estender o varal, confiro lições de casa, notas escolares sempre acima de 7 (menos é cintada), organização do guarda roupa impecável, chão do quaro limpo, confiro as mochilas para ver se não tem drogas e bilhetes e namoradinhos, todos na mesa na hora do café - almoço - janta (quem se atrasar apanha e fica sem comida pois tem horário em casa), dormem no horário que desejamos a base de xingo, resumindo, dou a criação que tive de meus pais e que tiveram dos meus avós. Frescura e muito nhêm nhêm nhêm dos pais é a nova fábrica de mau caráter e gente folgada dos dias de hoje.

    • João Paulo Postado em 15/Jun/2016 às 22:45

      Verdade. É muita conversinha hoje em dia.

    • Marcio Ruzon Postado em 16/Jun/2016 às 01:40

      Educo minha filha com frescura (leia-se: amor e respeito) e tenho uma das crianças mais maravilhosas que a vida pôde me dar. Estranho, não?

  2. Daniel Postado em 15/Jun/2016 às 12:51

    Isso aí, a década de 60 manda lembranças.