Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 10/Jun/2016 às 16:36
7
Comentários

Após negar acusações de machismo, cantor pede desculpas por assédio

Primeiro, o cantor rebateu as acusações de assédio afirmando que "nem homem me considero ainda". Agora, investigado pela polícia após a ampla repercussão do caso, Mc Biel gravou uma mensagem para tentar se redimir. Repórter assediada precisou tirar licença do trabalho

mc biel assédio repórter IG
(Imagem: Gabriel Araújo Marins Rodrigues, mais conhecido como MC Biel)

Desde que surgiu a denúncia do assédio de Gabriel Araújo, 20 anos, artisticamente conhecido como Mc Biel, contra uma jornalista do IG, o cantor tem se pronunciado para justificar o episódio, que ocorreu em maio, durante entrevista de divulgação de seu primeiro álbum.

A denúncia da repórter de 21 anos à 1ª Delegacia da Mulher de São Paulo veio à público na última semana e causou grande repercussão nas redes sociais.

Na primeira vez que tratou publicamente do assunto, Biel não negou os comentários machistas e desrespeitosos feitos à repórter na ocasião. No entanto, se justificou dizendo que tudo não passou de um mal entendido e que todas as investidas eram piadas.

“Nem homem me considero ainda pra ser prepotente ao ponto. Sou um menino, menino que brinca, menino sem papas na língua, menino que sorri”, disse.

Agora, pressionado e investigado pela polícia de São Paulo, Biel pediu desculpas à repórter e disse que brincou com “assuntos sérios”, que “estão na mídia”.

No Boletim de Ocorrências, a vítima revela que Biel disse frases como “te quebraria no meio” e que queria que aquela entrevista fosse a última do dia, para levá-la a um motel e “estuprá-la rapidinho”.

Vídeo: ‘Pedido de desculpas de Biel’

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. SILVIO MIGUEL GOMES Postado em 12/Jun/2016 às 12:56

    Todos jovens educados pela grande mídia canalha. Rede Globo e suas novelas sórdidas. Como ensinou MILLÔR FERNANDES TV no Brasil nasceu canalha e vive de forma canalha ensinando toda uma geração a ser sórdida e canalha

  2. Rodrigo Postado em 13/Jun/2016 às 10:08

    (Outro Rodrigo) Não bastasse absurda a atitude do "ídolo", também o é a das suas "fãs", que, a exemplo do que vemos na política, já partiram para a inconsequente justificação do que aquele disse. Um homem mostra-se agressivo com mulheres e algumas delas justificam, dizendo que não foi bem isso que quis dizer, ou que o que ele disse não tem esse significado ofensivo...

    • poliana Postado em 13/Jun/2016 às 22:15

      (outro) rodrigo, dá uma desconto. creio q as fãs desse menino são crianças e adolescentes, não?maturidade zero pra entender a complexidade da questão.

      • Rodrigo Postado em 14/Jun/2016 às 10:14

        (Outro Rodrigo) Poliana, sugiro que você analise até exatamente a quê as fãs do rapaz se propunham, caso eles a "assediassem", a quê elas dizem que se prestariam. Isso denota, sim, total falta de compromisso para com a própria dignidade, o próprio corpo e, mais, como sabemos, até implica em apoio a atitudes tais.

      • poliana Postado em 14/Jun/2016 às 13:59

        sim, mas qual a idade dessas fãs dele? é a isso q me refiro. n tô justificando a atitude delas, muito menos a dele, só falo mesmo pq certamente as fãs desse menino são pré adolescente e adolescentes lá pela casa dos 15 anos, não? n tem como esperar muita maturidade vindo de menininhas adolescentes.

      • Rodrigo Postado em 14/Jun/2016 às 16:31

        (Outro Rodrigo) E eu digo ser perigosa a relativização por parte delas, assim como o é a de menores outros que relativizem outros casos de ofensa ou agressão. Fala-se tanto em uma cultura do estupro, mas vejo o estupro como uma ponta de iceberg, uma das vertentes de uma cultura maior, da violência, da agressão ao próximo, ainda aliada a uma perigosa relativização (sempre conexa a alguma conveniência). E, sendo certo que atualmente os jovens já têm mais maturidade que nós então tínhamos, bem como amplo acesso à informação, quem conta 15 anos (ou mais, ou menos) já possui uma carga informativa a permitir melhor julgamento e posicionamento ante casos tais, até mesmo para se colocar no lugar da vítima. Vejo, pois, para além da atual idade, pensando na importância da crítica e reprovação em prol do desenvolvimento e melhor valoração das escolhas, melhor fundamentação dos julgamentos futuros que farão esses jovens. Para que também não cresçam pensando ser tudo ou quase tudo permitindo a alguém pelo simples fato de ter um status de "ídolo". P.S.: não estou, de modo algum, fazendo conexão necessária do comportamento dessas jovens com vítimas de estupro, assim não querendo dizer que pode ser atribuída culpa à vítima de uma violência.

  3. Thiago Teixeira Postado em 13/Jun/2016 às 16:36

    Pronto ... a culpa é do Lula.