Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 16/Jun/2016 às 17:07
8
Comentários

A internet revela que o Brasil é um dos países mais racistas do mundo

A Internet chegou para provar que somos um dos países mais racistas do mundo, tanto se olharmos os números de denúncias, como no racismo institucionalizado das polícias, no serviço médico, na mídia, no mundo corporativo

racismo internet brasil racista
(Imagem: Recortes de alguns casos de racismo registrados na internet e que repercutiram em Pragmatismo Político)

Instituto Humanitas Unisinos – IHU

Nascido em uma comunidade pobre de Salvador, Paulo Rogério Nunes começou a entender bem cedo o que significava ser afro-descendente no Brasil ao olhar para as zonas nobres da cidade mais negra do país e ver apenas brancos. Já na universidade percebeu que a discussão sobre a diversidade e a exclusão apenas existiam e resolveu dedicar sua carreira profissional a dar visibilidade aos problemas raciais.

Hoje, filiado ao Berkman Center for Internet and Society da Universidade Harvard, pesquisa sobre a inclusão no meio digital e coordena um projeto que mapeia iniciativas de jovens que estão produzindo inovação e tecnologias para o combate ao racismo na rede, de aplicativos à vlogs. A SaferNet, instituição que recebe queixas de violações de direitos na Internet, recebeu em nove anos mais de 469.000 denúncias de casos de racismo. Somente em 2015 foram 55.000 denúncias no país.

Na entrevista à María Martín, publicada por El País, 15-06-2016, ele afirma que “a Internet chegou para provar que somos um dos países mais racistas do mundo, tanto se olharmos os números de denúncias, como no racismo institucionalizado das polícias, no serviço médico, na mídia, no mundo corporativo“.

Eis a entrevista:

O Brasil se odeia mais nas redes sociais do que na rua?

As redes sociais são um reflexo do mundo off-line. Todo o discurso de ódio e as violações de direitos humanos que acontecem nas redes digitais são originárias das assimetrias sociais e da legitimação da desigualdade que é algo naturalizado na sociedade. O racismo, por exemplo, é um sistema de opressão institucionalizado no Brasil. Podemos identificar isso nas relações interpessoais, na forma como o Estado trata os cidadãos afro-brasileiros e, sobretudo, na economia. Quando alguém usa a Internet para cometer um ato de racismo, ela apenas sente-se mais confortável ao usar o anonimato e por ter o sentimento de impunidade, já que há muitos casos diariamente que não são resolvidos.

Não há como separar o racismo cometido nas redes digitais do sistema de opressão racial que existe no Brasil fora do mundo virtual. Não é à toa que vivemos num ambiente de extrema violência onde milhares de jovens, em sua maioria negros, são assassinados todos os anos. Nas redes digitais, as consequências do racismo são, em geral, de caráter psicológico. Já nas ruas as consequências são físicas e não raramente geram morte, sejam cometidas por grupos extremistas ou pelo braço armado do Estado.

Vários estudos indicam um aumento de discursos de ódio canalizados através das redes sociais. Quais seriam as causas?

É verdade que há uma sensação de que existe um aumento do ódio na Internet. De fato, o número de denúncias e reportagens sobre esse assunto só cresce. Mas se analisarmos friamente, vamos perceber que, na verdade, as redes sociais aumentaram o poder de comunicação dos cidadãos, amplificando discursos, por isso achamos que há mais violações, mas, de fato, elas sempre estiveram presentes em nossa sociedade, pois o discurso do ódio é a base da nossa abissal desigualdade. Mas, sem dúvida, esses discursos vêm tomando uma grande proporção nos últimos tempos. Funciona assim: se antes uma pessoa racista fazia um comentário em seu círculo social, isso ficava ali, até que alguém eventualmente o denunciasse.

Hoje, esses mesmos comentários são feitos de maneira aberta e muitos deles tornam-se virais. Ou seja, o que era um comentário restrito a um número pequeno de pessoas passa a ser algo que viola e ofende toda uma coletividade. Por outro lado, a visibilidade desses casos é muito boa, pois por muito tempo o movimento negro denunciou sozinho o mito da “democracia racial”, no qual muitos acreditavam que o racismo no Brasil era menor do que em outros países. A Internet chegou para provar que somos um dos países mais racistas do mundo, tanto se olharmos os números de denúncias, como no racismo institucionalizado das polícias, no serviço médico, na mídia, no mundo corporativo…

A crise política tem favorecido um aumento dessa hostilidade?

Os momentos de crise política sempre elevam as tensões sociais e acirram o radicalismo. Não há dúvida que isso tem influenciado o aumento dos casos de racismo nas redes sociais. Apesar da questão político-partidária não ser o foco de nossa pesquisa, percebemos isso ao vermos alguns números recentes. Casos de xenofobia, racismo e intolerância religiosa, que já são bastante elevados no Brasil, terminam sendo ampliados em um contexto onde há uma crise de representatividade, de liderança e aumento de uma retórica nociva e polarizada. As tensões históricas e a extrema desigualdade brasileira são elementos fundamentais para compreender o momento atual.

Que papel jogam nas redes sociais, nesse sentido, personagens que, como Bolsonaro, têm milhões de seguidores e promovem discursos ultra-conservadores e ofensivos contra quem não pensa como ele?

Assim como no Brasil, o mundo vem passando por um momento bastante difícil em relação ao aumento da narrativa do ódio. Em vários países, grupos extremistas de vários matizes ideológicos estão usando as redes para imporem suas ideias e eliminarem a possibilidade do diálogo, que é algo fundamental para a democracia. As pessoas que vocalizam o discurso de ódio são apenas a ponta do iceberg, infelizmente, pois representam um pensamento que pouco contribui para o desenvolvimento do nosso país. Precisamos ter instituições públicas sólidas para controlarem os excessos dentro do contexto de liberdade de expressão. Esse talvez seja mais um dos desafios que a Internet precisa superar e isso é urgente. A retórica do extremismo não é saudável e pode nos levar a um lugar muito perigoso. Precisamos usar o potencial da Internet para dar voz a nossa criatividade, à construção de novas formas de superar os problemas sociais e garantir um futuro melhor para as próximas gerações. Esse foi o propósito inicial dos entusiastas que sonharam com uma sociedade em rede.

Em casos famosos como os ataques racistas contra a atriz Thais Araújo, temos visto depois que alguns dos agressores também eram negros. Como se explica isso?

O racismo brasileiro está tão internalizado que, por vezes, até os oprimidos se comportam como opressores. Realmente é difícil explicar como isso pode acontecer, mas há de se observar com cuidado como essas pessoas, na verdade, reproduzem o discurso racista. A escola, por exemplo, infelizmente tem sido um dos primeiros vetores onde fomentam-se ou toleram-se as práticas racistas ou a negação da história e contribuição africana para o mundo. Só recentemente, em 2003, que surgiu uma lei para que os estudantes tenham acesso a informações cruciais para o combate de ideias racistas, como o fato de que foram os africanos os primeiros a dominarem a matemática, astronomia, engenharia etc. A auto-agressão vem de uma negação profunda de sua própria identidade.

O líder pan-africano Marcus Garvey disse certa vez que “um povo que não conhece sua história é como uma árvore sem raiz“. É preciso fortalecer as contra-narrativas ao discurso de ódio, apresentando fatos históricos importantes, além da valorização estética e cultural dos afro-brasileiros, e em especial das mulheres negras que são o alvo principal dessas agressões. Não podemos perpetuar a ideia de que a cultura negra começou há 500 anos com a escravidão. Isso é muito limitador, parcial e abre caminho para aberrações como essas.

Quais são as características específicas do Brasil, diante de outros países, nesse fenômeno?

Quando eu e minha colega, a antropóloga Niousha Roshani, conversamos com os diretores do Berkman Center lá da Universidade Harvard para incluirmos o Brasil nessa pesquisa, apresentamos a eles dois pontos importantes: o primeiro é que os brasileiros realmente são hiperconectados e são os que mais passam tempo on-line. Além disso, mostramos para eles que somos o país com o maior número de descendentes de africanos fora da África; e por fim, que há aqui um movimento forte de jovens produzindo comunicação nas redes para combater o racismo com muitas páginas, portais, sites, games, aplicativos e várias tecnologias.

Se compararmos com os outros países que estão sendo analisados, é claro que há semelhanças também. Os afroamericanos são bastante conectados e há uma tradição de imprensa negra que fez uma excelente migração para o on-line, além de movimentos que surgiram nas redes como o Black Lives Matter. A diferença é que apesar de tanta visibilidade eles são apenas 13% da população dos EUA, já aqui somos mais da metade dos brasileiros. Por fim, no caso da Colômbia, há uma característica em comum com o Brasil, que é o tipo de racismo ibérico, onde não houve uma segregação no âmbito legal, mas que empurrou a população afro-colombiana para a base da pirâmide social. A diferença é que aparentemente há muito mais movimentos que contestam o racismo aqui no Brasil do que lá.

Quais são os instrumentos legais que um internauta anônimo tem para se defender dos ataques? Há outras vias, além dos tribunais, para combater o ódio virtual?

Existem as vias tradicionais do Judiciário que precisam ter sua eficácia discutida e também há plataformas que recebem denúncias como a SaferNet e Humaniza Redes. Além disso, há várias redes de solidariedade e que produzem uma contra-narrativa e apoio às vítimas de racismo e demais violações de direitos humanos na Internet. Estamos começando a estudar esses grupos para entender melhor como eles atuam. No evento que fizemos no Rio de Janeiro, no final do mês de abril, conseguimos apresentar alguns deles como o aplicativo Kilombu, que dá visibilidade a empreendedores negros; o grupo Desabafo Social, que criou a Ubuntu, uma rede social livre. Há ainda grupos de makers e hackers em favelas, vlogueiras negras com canais de vídeos, além de aplicativos para mapear a violência policial e outros para denunciar problemas nas cidades. Ou seja, tudo isso entra nesse grande movimento de empoderamento dos cidadãos para não ficarem passivos em relação ao racismo estrutural da sociedade brasileira.Todos precisam ser co-responsáveis em promover de diversidade.

Haveria como diminuir a grande proteção que é o anonimato para diminuir atitudes hostis?

A neutralidade da rede e o anonimato devem ser preservados, pois garantem outros direitos. A questão não é mudar a essência da rede, mas garantir que as pessoas sejam responsabilizadas por seus atos de maneira rápida e justa. Deve-se estimular uma maior participação cidadã nas redes, uma revisão dos procedimentos no caso de crimes digitais e o fortalecimento das instituições que combatem o racismo. A Internet nasceu livre, aberta, democrática e descentralizada. E assim deve permanecer.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. João Paulo Postado em 17/Jun/2016 às 14:22

    Que o preconceito no Brasil é gigante, todo mundo sabe. Cego pode enxergá-lo e surdo, ouvi-lo. Acho interessante é dizer o "Brasil é um dos países mais racistas do mundo", como se isso não fosse um fenômeno mundial. Ah, e sem qualquer critério estatístico. Inclusive, uma ótica pouco explorada e muito real chamado "colorismo" foi recentemente abordada aqui no site. Mas, enfim, esquerda e direita, cada um com seu vira-latismo ...

  2. Eliana M. Postado em 18/Jun/2016 às 06:00

    Nao é so contra negros. contra orientais tb. por ser oriental, já ouvi os maiores absurdos das pessoas ditas "brancas".

  3. Edvaldo Postado em 18/Jun/2016 às 08:40

    Saber quem na história do Brasil estimulou, via política, o racismo , é quem sempre foi conta, também, um dos motivos para eu apoiar que de fato, desenvolve, estratégias, de combate ao racismo. Valendo, informar, que baseado, nas leituras, de publicações, sobre o que se apura a respeito, não há dificuldade, em identificar o rol, de quem de verdade quem combater,e quem finge, por motivo, eleitoral que ´contra. Dai, parabéns para as entidades dos movimentos negros, que não se deixaram levar no jogo sórdido, de promoção do racismo no Brasil.

    • Eduardo Postado em 18/Jun/2016 às 10:43

      Pra quê tanta vírgula?

      • Jefferson Postado em 20/Jun/2016 às 17:08

        Até eu me perdi nesse comentário. Afff... Pq botar vírgula onde não tem? Contudo, maesmo eu corrigindo o texto e relendo, não entendi direito o q esse texto queria dizer. Quem faz jogo sórdido, afinal? Ficou mto confuso esse texto.

  4. Anna Smits Postado em 19/Jun/2016 às 08:35

    É sim o mais racista do mundo! País da vergonha!

  5. Viviane Postado em 20/Jun/2016 às 00:54

    Na minha opinião acho que as pessoas tem é inveja, porque as pessoas negras tem a pele linda, o corpo bonito....

  6. Fernando Postado em 30/Jun/2016 às 22:33

    Tbm no judiciário!!!