Redação Pragmatismo
Compartilhar
Preconceito social 25/May/2016 às 16:18
6
Comentários

Placa anti-babás causa polêmica em banheiro feminino do Country Club

Placa em banheiro feminino do Country Club informa que babás não podem entrar. Aviso é claro: que usem os banheiros das crianças. Humilhadas, profissionais denunciam discriminação

babás banheiro preconceito country club

Uma placa no banheiro feminino do Country Club, em Ipanema, tem provocado polêmica e foi alvo de denúncias. A mensagem informa que as babás não podem entrar: devem usar o sanitário reservado para crianças.

A norma veio a público na terça-feira e foi inicialmente noticiada pelo jornal O Globo. O Ministério Público do Trabalho abriu investigação contra o Country por discriminação.

“É verdade, há uma placa dizendo que babás não podem frequentar o banheiro. Considero isso preconceito. Eu uso o banheiro infantil para fazer xixi, mas é raro. Não me sinto à vontade”, diz Renata Beserra, que cuida de uma criança de um ano e a leva diariamente ao Country para fazer natação ou brincar no clubinho.

Babá de uma menininha de 2 anos, Joceni Vieira conta que, como está sempre com ela, quase não vai ao banheiro no clube e, portanto, não sabia da regra. Nem gostou de saber. “Acho a proibição uma bobagem. Somos pessoas como quaisquer outras. Algumas colegas estão indignadas”.

Sócia do Country e mãe de duas crianças, a empresária Daniela Basílio frequenta o clube com a babá e diz que “não é a favor nem contra a norma”:

“Mas aqui há regras. Existem sócios mais velhos que não querem ser incomodados por crianças no banheiro. Quem não quiser respeitar, vai embora daqui”, diz.

Uma outra sócia, que pediu para não ser identificada, concorda com a proibição: “Não tenho preconceito, mas as babás não necessariamente são pessoas extremamente educadas. Infelizmente, nem todas as classes têm acesso à mesma educação. Elas não necessariamente vão puxar a descarga ou deixar o banheiro limpo. Não é nada contra as babás. É questão de ordem e disciplina”, afirma.

A psicanalista e filósofa Viviane Mosé, que classifica de “extremamente arrogante” a defesa da proibição, diz que a questão não envolve só preconceito, mas também “burrice”.

“É muito retrógrado. E é inacreditável que ainda exista hoje esse tipo de exclusão. O problema não é preconceito de classe, raça ou cor, é sim uma classe achar que pode excluir a outra, sendo que ela necessita, depende dessa pessoa. Babá não é alguém que cuida do bebê, da criança? E o maior valor de uma família não são as crianças? E essa babá que cuida desse bem maior não pode frequentar o mesmo banheiro dos sócios? O que estamos vendo é uma classe lutando contra si mesma”, observa.

Ela conta que o caso ocorre ao mesmo tempo em que, no Leblon, responsáveis que mandam as babás no seu lugar às reuniões de pais têm sido alvo de comunicados enviados pelas escolas.

“Mães mandam babás às reuniões porque não têm tempo. Porque as mães estão trabalhando, as babás são a referência materna, praticamente a mãe. Mas essa pessoa não pode usar o mesmo banheiro? Estão criando um problema aos próprios filhos. Além disso, querem que as babás as odeiem?”, questiona a psicanalista.

“Não trato as babás como coitadas. Coitados são esses pais com esse nível de ignorância. É um tiro no pé”, conclui.

informações de O Globo e Ancelmo Gois

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Ribeiro Postado em 25/May/2016 às 17:08

    Até cruzar com uma babá sem freio que vai literalmente tacar fogo nessa merda com todos os lordes, magnatas e ourudos dentro, e deixar bem claro pra todos o porque de te-lo feito. Eu vivi pra ver um golpe e ver o Ministro da Educação receber dois Orcs do submundo pra debater ensino público. Espero viver pra ver essa cena que descrevi.

  2. eu daqui Postado em 27/May/2016 às 10:01

    Eu aqui exijo somente um banheiro em condições de uso pra mim. Se além disso, o meu sanitario for sepaado, diferente, segregado daquele dos chefes, aí deixa de ser mero banheiro e vira lisonja.

  3. sidney Postado em 28/May/2016 às 15:26

    kkkkkkkkkkkk a culpa é das babás que não tocaram fogo no clube ainda.

  4. enganado Postado em 30/May/2016 às 01:07

    Minhas Caras Babás, Vcs são os 7P´s vivos! Com um governo de CLEPTOCRATAS & PLUTOCRATAS e um povinho de ""trouxinhas "" que os defendem, ainda mais num Clube destes, nunca digam que votaram na DILMA, são PETISTAS, POBRES, PERIFÉRICAS, PATRIOTAS, ... . Por muito menos o COPEIRO do ""palácio do roubALTO"" foi DEMITIDO, e olha, porque desconfiaram que o mesmo era PETISTA, sem prova alguma. Então aconselho a levarem seus pinicos para suas necessidades, porque se alguma crianças pegar alguma doença, vão culpa-las logo de saída, por contas de alguma traição amorosa dos pais delas. Cuidado que o ""alexandre FODA"" vai encarregar se darem porradas em Vcs. ___“” braZil, –– slogan –– ___””””” ÓDIO e RETROCESSO ””””___ ___“” braZil,__Pátria de INJUSTIÇAS, Viciados em COCAÍNA e LADRÕES ””___ ___”” GOLPE-2018 “””, CLEPTOCRACIA & PLUTOCRACIA Eternas___ ___“” Golpe é na gRoubo ””__

  5. Lília Borges de Souza Postado em 31/May/2016 às 18:59

    Interessante. Elas dizem que as babás são pessoas de uma classe que não tem a mesma educação que elas, que nem sempre vão saber usar o banheiro, e deixam os filhos com elas, inclusive usando esses mesmos banheiros. Desde que deem sossego, podem ficar por lá, com essas babás mal educadas mesmo, não é, mamães amorosas?

    • Thiago Teixeira Postado em 01/Jun/2016 às 15:34

      Ridículo. Mas pode apostar que foi uma eleitora do DEM que foi lá na direção do clube reclamar que tinha uma "favelada" serviçal usando o vaso preferido dela. Eu gostaria de dizer a essas senhoras do bem que todas são pobres, pois ricas de verdade tem suas fazendas particulares e não precisam pagar clube.