Redação Pragmatismo
Compartilhar
Impeachment 10/May/2016 às 09:27
9
Comentários

Maranhão volta atrás em anulação do impeachment na Câmara

Menos de 24 horas depois de anular a votação do impeachment na Câmara, Waldir Maranhão recua. Mudança sem explicação do presidente interino da Casa provocou ainda mais perplexidade. Parlamentar teria sido pressionado por deputados e corria o risco de sofrer represálias do seu partido, que hoje é oposição ao governo Dilma

Waldir Maranhão câmara dos deputados
O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA)

Não durou 24 horas a validade do ato turbulento do presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), de suspender a votação da Casa que aprovou o andamento do impeachment, no mês passado. Ele recuou de sua decisão em nota lacônica, de quatro linhas, divulgada na madrugada de hoje (10), revogando a decisão. A decisão foi tomada horas depois dele ter dado uma entrevista dizendo que “não estava brincando” em seu gesto de considerar nula a votação do último dia 17 de abril no plenário da Câmara.

Na nota, ele não expressa os motivos que o fizeram voltar atrás, apenas comunica, de forma lacônica, que resolveu revogar sua decisão. Nos bastidores, o que se sabe é que Maranhão será alvo de pedidos para substituição do seu nome no cargo de presidente interino, de inclusão do seu gesto em contestações judiciais sobre o rito judicial do impeachment e, inclusive, de ameaça de expulsão pela sua legenda, o PP.

A decisão do presidente interino da Câmara, que já tinha sido desconsiderada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na sessão de ontem do Senado, teria sido tomada após conversas mantidas com o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) e o vice-líder do governo na Câmara, Sílvio Costa (PTdoB-PE). Já o recuo, com a nova nota cancelando o cancelamento durante a madrugada, é atribuída a uma conversa que ele teria tido na noite de ontem com o presidente nacional do PP, o senador Ciro Nogueira, e outros parlamentares da legenda.

Flávio Dino, considerado o principal articulador do trabalho para que Waldir Maranhão publicasse o ato cancelando o impeachment, e que tem evitado dar entrevistas oficiais a respeito do tema, reagiu por meio de redes sociais e de sua assessoria. Com a notícia do recuo, o governador maranhense destacou, em sua contra no Twitter, que discorda da posição do deputado, mas a respeita.

OEA e Corte interamericana

Além das manifestações de juristas do Brasil, o governador maranhense chamou a atenção para a posição do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) e do presidente da Corte Interamericana, que são contrários ao processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

“E segue a luta em defesa do mais longo ciclo democrático da vida institucional brasileira. Estamos diante de um absurdo político e jurídico”, afirmou o governador, sem entrar em detalhes sobre o deputado do seu estado. Dino ainda parabenizou o advogado-geral da União, a quem chamou de “grande jurista, irreparável na defesa competente e séria” do mandato constitucional da presidenta Dilma.

Outro a se manifestar foi o deputado Paulo Teixeira (PT-SP). Ele não falou sobre a decisão de Maranhão propriamente, mas disse que lamentava a decisão tomada pelo presidente do Senado de dar continuidade ao rito do impeachment, diante de tantas contestações. Para Teixeira, Calheiros “perdeu a oportunidade de paralisar um golpe”.

Vícios e erros

Ainda segundo o deputado, a votação da Câmara está cheia de vícios e erros que levam a argumentos suficientes para que venha a ser anulada posteriormente pelo Supremo Tribunal Federal, independente do recuo desta madrugada.

Entre os parlamentares que acordaram perplexos, mais uma vez, com a última novidade, pesou na decisão de Maranhão, também, a forte reação dos oposicionistas e deputados que votaram pelo impeachment da presidenta Dilma.

O parlamentar pode ser objeto de uma representação a ser apresentada ainda hoje, por partidos da oposição, por quebra de decoro parlamentar. “Ele é desequilibrado, irresponsável e mostrou que toma decisões esdrúxulas sem medir as consequências”, criticou o líder do DEM, Pauderney Avelino (AM).

A sessão da Câmara está programada para se iniciar por volta das 9h e Avelino prometeu entrar com uma questão de ordem pedindo que Maranhão seja substituído por outro deputado, no cargo de presidente interino da instituição.

Hylda Cavalcanti, RBA

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Augusto Normann Postado em 10/May/2016 às 09:57

    Como diriam aqui no RS, que baita cagão! Deixou de colocar o nome na História pra virar meme...

  2. Valle Postado em 10/May/2016 às 10:33

    Me pergunto o que ele achava que ia acontecer.

    • Ricardo Postado em 10/May/2016 às 17:07

      Mantém e vê no que dá. E joga a responsabilidade no colo do STF cagão.

  3. Deisi Postado em 10/May/2016 às 10:50

    O deputado Maranhão em sua primeira decisão teve um ato de coragem do rei das selvas, depois das ameaças e pressões, voltando atrás, sua coragem se resume a do leão do Mágico de Oz. O medo foi maior que sua vontade de preservar a democracia.

  4. Guilhermo Postado em 10/May/2016 às 11:56

    Tão achando que esse país é bagunça. Primeiro decidem de forma favorável ao impeachment, depois vem um tiozinho e anula o barraco para, logo depois, anular a sua própria anulação... kkkk... Êh Brasilzão.

  5. Roberto Postado em 10/May/2016 às 12:25

    Mais um bobo da corte com medinho de perder seu cargo federal, ou seja, mais um FDP da corja de safados que adora mamar nas tetas do governo. Endividado e devendo muita grana para outras empresas, não duvido que tenha feito algum acordo por debaixo dos panos para receber um "Café" a mais fora seu salário que não é pouco. Reflete muito bem a barbaridade política desse governo bosta.

  6. Jonas Schlesinger Postado em 10/May/2016 às 12:46

    uhum '-'

  7. José Ferreira Postado em 10/May/2016 às 13:57

    Ele é aquele típico porteiro de prédio, que pensa que é o dono, que barra a entrada de um indivíduo e depois o morador fala para que ele libere a sua entrada. O Maranhão poderia ter dormido sem essa.

  8. sandro Postado em 10/May/2016 às 15:27

    Esse maranhão tem que se espelhar em Kátia Abreu,essa não foge a luta.