Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 20/Apr/2016 às 09:55
4
Comentários

Secretário de Alckmin vai comandar AGU em eventual governo Temer

Negociações: Michel Temer chama secretário de Segurança de Alckmin para AGU em eventual governo. Em outra frente, esta comandada por José Serra, o PSDB exigirá de Temer o Ministério da Fazenda

Michel Temer PSDB serra alckmin
Michel Temer e PSDB já negociam cargos para um eventual governo

O vice-presidente Michel Temer convidou o secretário da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, para assumir o comando da AGU (Advocacia-Geral da União) em seu provável governo.

O atual secretário do governador Geraldo Alckmin (PSDB) ficaria responsável por fazer a ponte do governo com o STF (Supremo Tribunal Federal) e os demais tribunais de justiça.

Se aceitar o convite, Moraes terá como primeira missão acompanhar, em nome de Temer, o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Sua tarefa será estabelecer uma boa relação com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, que comandará o processo.

Temer se tornará presidente interino em maio caso o Senado confirme, por maioria simples, o aval dado no domingo pela Câmara dos Deputados ao impeachment.

Haverá então um intervalo de até 180 dias para o julgamento de Dilma pelos senadores, sob a presidência de Lewandowski, que poderá resultar na cassação definitiva da presidente.

PSDB quer a Fazenda

A executiva do PSDB deve se reunir na próxima semana para discutir se apoia ou não um eventual governo de Michel Temer (PMDB-SP).

Segundo a colunista Monica Bergamo, da Folha, Senadores do partido afirmaram que a legenda poderia aderir a Temer caso ele nomeasse José Serra para o Ministério da Fazenda. “Não participaremos em papel periférico”, diz um parlamentar.

Já Serra, segundo o mesmo parlamentar, estaria dizendo internamente ter dúvida sobre aceitar outro ministério, como o da Saúde, por não ter a garantia de que a Fazenda liberaria recursos para ele fazer gestão de impacto.

Apesar de querer assumir ministérios e cargos, o PSDB avalia os riscos de embarcar num governo que pode terminar “em desastre”, nas palavras de outro parlamentar.

Ontem, senadores do partido almoçaram no gabinete de Tasso Jereissati (PSDB-CE) com o economista Marcos Lisboa, presidente do Insper e ex-secretário de política econômica de Antonio Palocci.

Ouviram que só um governo “respaldado pelo voto” teria força para aprovar as medidas drásticas que, na visão dele, consertariam a economia do país.

Menor oposição desde 1992

Um eventual governo Temer teria a menor oposição desde 1992, quando Itamar Franco assumiu a Presidência após o impeachment de Fernando Collor.

Apenas 17,5% dos deputados seriam contrários à gestão do peemedebista. A oposição seria formada basicamente por quatro partidos: PT, PDT, PC do B e PSOL.

Juntas, as legendas contrárias a Temer somariam 90 parlamentares, já que o PDT deve expulsar seis deputados que votaram a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff no domingo (17).

com informações de Folhapress

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Rodrigo Postado em 20/Apr/2016 às 11:46

    (Outro Rodrigo) Se vocês soubessem a decepção de muitos alunos de Direito de minha época, que estudaram com os bons livros de Direito Constitucional de Alexandre de Moraes e Temer, bem como de Processo Penal e Direito Penal de Fernando Capez, aulas de José Eduardo Cardozo (teleaulas que pude assistir e reconheço o conhecimento jurídico do mesmo)... Agora falta quem mais debandar pro (cunhado por FHC) "esqueçam o que eu escrevi"? Pedro Taques? Não bastasse, ainda hoje li notícia no sentido de que Alexandre de Moraes seria indicação do próprio Cunha... Por isso sempre atento para o seguinte: ou paramos todos com essa de "agora é a nossa vez"/"se ele fez, eu posso" e cobramos de todos, ou veremos os mesmos grupos se sucedendo e alternando as desculpas. Ou, quiçá, poderemos até ter um novo grupo, que também irá querer dizer: "não fui eu quem inventou a corrupção", "eu não sabia de nada", "isso é intriga da oposição", "estão com nhenhenhém", "estão com mimimi", "eu não sabia de nada" (não só Lula, mas também Alckmin já se valeram do expediente do "desavisado").

  2. junior maia Postado em 20/Apr/2016 às 12:02

    E o povo?

  3. Thiago Teixeira Postado em 21/Apr/2016 às 10:36

    Terei que jogar meu titulo de eleitor no lixo mesmo. Serra, Paulinho do Golpe, Carlos Sampaio, Armínio Fraga e o fascista mor de São Paulo Alexandre de Moraes no governo? Pra que votar então?

  4. Thiago Teixeira Postado em 21/Apr/2016 às 10:37

    E se fosse ao contrário? Impeachment do Alquimim, Stédile na secretaria, Maria do Rosário, Padilha, Aldo Rebelo ... eles iam gostar?