Redação Pragmatismo
Compartilhar
Impeachment 14/Apr/2016 às 11:39
0
Comentários

Quatro dias após a eleição, oposição já tentava parar o país e afastar Dilma

Reeleita em 2014, Dilma Rousseff foi caçada antes mesmo de iniciar seu segundo mandato. Inconformados com a derrota nas urnas, opositores nunca fizeram oposição, mas se dedicaram integralmente a tentar tirar do poder uma presidente democraticamente eleita. Relembre as ações que começaram 4 dias depois da reeleição

oposição pedido impeachment parar país
Pedidos de Impeachment da presidente Dilma Rousseff (Imagem: Pragmatismo Político)

Na noite de 28 de outubro de 2014, dois dias depois do segundo turno, o Tribunal Superior Eleitoral proclamou o resultado parcial que assegurava a reeleição de Dilma Rousseff.

Não demorou 48 horas para o PSDB questionar, no dia 30, a legitimidade e a legalidade do triunfo da presidente da República. O partido recorreu ao TSE, pedindo uma “auditoria especial” na contagem dos votos.

A ação tucana alegou que a iniciativa se devia a “uma somatória de denúncias e desconfianças por parte da população brasileira”.

Acrescentou: “Nas redes sociais os cidadãos brasileiros vêm expressando, de forma clara e objetiva, a descrença quanto à confiabilidade da apuração dos votos e a infalibilidade da urna eletrônica, baseando-se em denúncias das mais variadas ordens, que se multiplicaram após o encerramento do processo de votação, colocando em dúvida desde o processo de votação até a totalização do resultado”.

Até então, ao menos 60 mil pessoas tinham assinado petição on line reivindicando recontagem, uma forma de duvidar da honestidade do placar eleitoral.

Leia também:
Aécio, familiares e convidados comemoraram a vitória antes do tempo
A tática dos fundamentalistas para contestar a eleição de Dilma
Golpe precisa parecer democrático e constitucional

A “Folha” informou: “O PSDB requer a análise de cópia dos boletins de urna de todas as sessões eleitorais do país, documentos, impressos ou manuscritos gerados em todas as sessões eleitorais do país; cópia dos arquivos eletrônicos que compõem a memória de resultados obtidas a partir dos dados fornecidos por seção eleitoral; arquivos eletrônicos detalhados, originais e completos, correspondentes à transmissão e ao recebimento de todos os dados de apuração; entre outros”.

Em 26 de outubro, a petista Dilma havia recebido 54.501.118 votos, contra 51.041.155 para o peessedebista Aécio Neves.

Uma vantagem de 3.459.963, o equivalente a 3,28 pontos percentuais.

Passados dois dias do pedido do PSDB ao TSE, portanto seis depois do domingo do segundo turno, estimados 2.500 manifestantes defenderam em São Paulo o impeachment da presidente reeleita.

Bradaram por recontagem, classificando a eleição como “a maior fraude da história” o que, supõe-se, inclui a época da dita República Velha (1889-1930).

No mesmo dia, protestos em Curitiba, Brasília e Manaus também exigiram o impeachment da presidente que só dali a semanas tomaria posse no segundo mandato.

Voto e democracia

Por que esse breve inventário, que talvez tenha mais utilidade quando estes tempos tormentosos forem revisitados com alguma serenidade?

Porque os fatos demonstram que Dilma Rousseff teve seu segundo mandato questionado antes mesmo de começar.

No princípio, os manifestantes eram poucos  e o PSDB chiava sozinho.

De tão radicais  berravam “vai pra Cuba!” e propunham “intervenção militar”, chegaram a ter utilidade para a presidente, como o blog observou mais de uma vez.

Com a segunda administração desastrosa desde a largada, devido sobretudo à adesão suicida à plataforma econômica derrotada pelos cidadãos em 2014, Dilma Rousseff tinha a seu favor o argumento da democracia.

Veja:
Como parar a máquina do golpe?
A democracia brasileira no século XXI: você prefere participar ou reclamar?

Blog do Mário Magalhães

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários