Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 28/Apr/2016 às 15:46
1
Comentário

Os segredos da contadora de Alberto Youssef e o silêncio da mídia

Meire Poza, contadora de Alberto Youssef, é pivô de provas ilegais na Lava Jato, indicam documentos. Maior investigação da história pode ter passado por cima da lei inúmeras vezes. Quem são os principais interessados e beneficiados?

contadora yousseff contadora segredo doleiro lava jato
Doleiro Alberto Yousseff e sua contadora, Meire Poza (Imagem: Pragmatismo Político)

Embora raramente registradas pela mídia, as alegações de excessos e falhas processuais cometidas pela força-tarefa da Lava Jato se avolumam desde o início da operação, em 2014.

Os investigadores da Polícia Federal e do Ministério Público e o juiz Sergio Moro sempre atribuíram as “acusações” a jogadas protelatórias dos advogados de defesa dos envolvidos, uma tentativa esperta de livrar a cara dos acusados. E a maioria dos indícios sobre irregularidades que implicariam a possibilidade de anulação da investigação era, de fato, circunstancial. Até agora.

CartaCapital obteve com exclusividade quase 200 páginas de transcrições de conversas e duas dezenas de e-mails que envolvem a contadora Meire Poza, ex-braço direito do doleiro Alberto Youssef.

Os volumes revelam: Poza agiu como uma espécie de agente infiltrada durante um longo período e a força-tarefa empregou métodos ilegais para valer-se de sua contribuição. Buscas e apreensões foram forjadas, parlamentares viraram alvo sem a autorização do Supremo Tribunal Federal, documentos acabaram vazados ilegalmente para a mídia.

Tudo, conforme indicam as interceptações das mensagens, com o conhecimento do Ministério Público Federal. Por muito menos, operações anteriores restaram anuladas pela Justiça, entre elas a Castelo de Areia e a Satiagraha.

meire poza segredo contadora yousseff
os-segredos-da-contadora-de-alberto-youssef-e-o-silencio-da-midia2
os-segredos-da-contadora-de-alberto-youssef-e-o-silencio-da-midia3

A documentação não deixa claro se o juiz Moro teve conhecimento das irregularidades. Quem poderia esclarecer essa dúvida seria a própria contadora, mas ela se recusou a atender a revista ao longo de duas semanas antes da publicação desta reportagem. A direção da Polícia Federal também se recusou a prestar esclarecimentos.

Poza, não se sabe por qual motivo, decidiu denunciar em 2012 a existência de um esquema de fraudes em fundos de pensão privados operados em conluio pelo doleiro Alberto Youssef e agentes de vários estados. Um delegado da Polícia Federal em São Paulo de prenome Otávio foi escalado para ouvir a contadora, mas não se interessou pelo assunto. Nada foi feito.

Dois anos mais tarde, poucos dias após a Lava Jato ganhar as ruas pela primeira vez, em março de 2014, Poza resolveu procurar os federais mais uma vez. Desta feita foi recebida em São Paulo pelo delegado Márcio Anselmo, líder do grupo que investigava a lavagem de dinheiro por meio de doleiros a partir do Paraná.

Até aquele momento, a força-tarefa não fazia a mínima ideia de até onde poderia chegar a Operação. A contadora fez um acordo “no fio do bigode”. Sem formalização judicial ou sem delação premiada, ela forneceria informações e vazaria documentos. Em troca, não seria processada, o que de fato ocorreu. Apesar de seu escritório ter lavado 5,6 milhões de reais de Youssef, ela nunca foi indiciada.

A relação entre Poza e a força-tarefa funcionava da seguinte maneira: a contadora encaminhava documentos e fornecia informações ainda protegidas por sigilo. A colaboração “informal” ganhou elogios de Anselmo. “Vc deveria fazer concurso pra PF”, escreveu no WhatsApp.

Em outra conversa, ela informa que uma ex-namorada de um investigado gostaria de conversar com ela, mas pessoalmente. A interlocutora diz ter receio de falar por telefone, com medo de grampos. A um dos investigadores, Meire debocha: “Eu sou o grampo kkkk”.

Em um diálogo de 16 de maio de 2014, a contadora e Anselmo citavam abertamente nomes de políticos. Por causa da prerrogativa de foro privilegiado, as investigações não poderiam ter seguido na primeira instância. Necessitavam de autorização do Supremo Tribunal Federal.

Vixi tem muito político…”, anota ela em uma das trocas de mensagem. Poza continua: “No dia 12 ou 13 de março por exemplo ele estava a noite com o Renan Calheiros pra acertar a colocação da debenture na Postalis”.

Em 14 de maio, Anselmo pergunta a Poza: “vc sabe se o bebe johnson tinha alguma relação com o precatório do maranhão?” (sic). Bebê Johnson era o apelido entre os alvos da investigação do então deputado federal Luiz Argolo.

meire poza contadora yousseff lava jato

O delegado deixa claro, a operação visava outros detentores de mandatos. “Com que outros políticos ele tinha contato?”, pergunta. A contadora responde: “Tem um senador que eu preciso lembrar o nome, tinha o governador da Bahia”. Nos diálogos há menções à então deputada Aline Corrêa, do PR, e ao senador Cícero Lucena, do PSDB.

meire poza segredo contadora yousseff
os-segredos-da-contadora-de-alberto-youssef-e-o-silencio-da-midia5
os-segredos-da-contadora-de-alberto-youssef-e-o-silencio-da-midia6

O então senador Gim Argello, do PTB, preso em 12 de abril deste ano, também aparece nos diálogos. Segundo Poza, no dia de seu depoimento ao Congresso, Argello tentou manter a sessão a portas fechadas. “O senador veio aqui falar. Disse que tem receio que me massacrem, informa aos investigadores”.

Poza não se comunicava apenas com Anselmo. O agente Rodrigo Prado foi escalado para receber as informações da contadora, que gravou sorrateiramente conversas com alguns dos investigados, encaminhou documentos de forma irregular e trocou fotos com o policial.

Prado enviou, entre outras, uma “selfie” no interior de uma viatura. No banco de trás aparece João Procópio Teixeira, um dos operadores de Youssef. A contadora recebeu ainda um vídeo do primeiro depoimento de Teixeira a integrantes da força-tarefa.

A troca de mensagens revela que a contadora tinha a vasta rede de contatos da informante. “Ops… Temos um novo financiador de despesas… Miguel Jurno, já ouviu falar?? Eh cliente da DPF (Departamento de Polícia Federal)...”, escreve a Anselmo. Doleiro, Jurno foi alvo da Satiagraha, que investigou o banqueiro Daniel Dantas e foi anulada pela Justiça.

Na continuidade do diálogo, especialista em interceptações, o delegado mostra receio do vazamento dos diálogos. “Melhor email, não confio em tel. Ou então no fixo aqui do trabalho Kkkkkkkkkk.” Anselmo jacta-se ainda da instalação de um grampo na cela de Youssef.

meire poza conatdora segredo yousseff doleiro

O episódio foi alvo de uma sindicância na Polícia Federal, que terminou inconclusa, mas criou um racha na autarquia. O assunto surge em uma troca de mensagens em 13 de maio de 2014. Poza e Anselmo tratavam de outros personagens da investigação quando o assunto surge.

A contadora dedilha: “Márcio, vc precisa me contar essas coisas. Minha vida anda muito preto e branco kkkkkkkkkkkkk”. E prossegue: “Aliás, vc obrigou o Jaime a pegar informações com o Beto. Além disso vc ameaçou o Rene. Vc anda impossível hein????”

O delegado responde em tom de galhofa: “kkkkkkk. E raspei a cabeça da nelma. Além de ter colocado a escuta na cela do yousef” (sic). Fato ou brincadeira?

Por conta da colaboração, Anselmo acalma Poza sobre sua situação criminal. E promete resolver o assunto com os procuradores: “Estou acertando c eles a tua imunidade”. Ao marcarem um encontro com integrantes da força-tarefa, a contadora pergunta se deve ir sem advogado. “O ideal e que venha sem”, responde o federal.

Uma das conversas mais reveladoras trata da farta documentação escriturária e contábil das empresas de fachada de Youssef. Poza tinha em seu poder caixas de documentos com contratos fictícios da RCI, MO Consultoria, GDF e Empreiteira Rigidez, usadas para a movimentação de propina.

meire poza contadora yousseff lava jato

O acervo comprovava o fato de o doleiro receber dinheiro das maiores construtoras por serviços nunca prestados. A contadora repassou os papéis em março de 2014. Mas como a documentação foi entregue de maneira aparentemente ilegal, era preciso “esquentar a documentação”.

Em 5 de maio, Anselmo orienta Poza: “Devemos acertar para a prox semana uma viagem a sp para formalizar a apreensão daqueles documentos”. Resposta: “Te aguardo!!!” O delegado continua: “Se puder já separe todo o material dos contratos da gfd”. A GFD era a principal empresa de lavagem de dinheiro de Youssef.

A conversa sobre a busca e apreensão armada prossegue em 27 de junho, desta vez com Prado. O policial informa a intenção de a PF instalar uma escuta ambiental no escritório da contadora. Poza diz sofrer pressão para entregar alguns cheques.

O agente sugere que ela “enrole”, pois eles iriam buscar o material na semana seguinte. “Inventa uma desculpa na segunda feira dizendo que nao deu e que vc vai depositar na terca”, digita. “Vou sumir. Dizer que adoeci. Febre alta...”, diz Poza. E recebe de volta: “Terca cedo to ai. Importante isso Meire. Reta final”.

Em outra mensagem, ela pede uma operação discreta. “Prado, sem viatura e sem roupa preta?? Pode ser?? Só pra não assustar muito meu pessoal… Mas se não puder, tudo bem… O policial responde: “Isso nao depende de mim. Mas vou levar sua solicitacao a quem decide”. Ela retruca: “A viatura o Marcio tinha prometido que não viria…” O agente conclui: “Vou pessoalmente para garantir que nao tera confusão”.

Dito e feito. Em 1º de julho de 2014, às 7h08 da manhã, Anselmo envia uma mensagem enquanto se aproxima do escritório da contadora: “Bom dia. Vamos tomar um cafe?” “Ebaaaaa!!!”, comemora Poza. “Tem estacionamento ao lado. Multipark.” E ele: “Viatura nao precisa de estacionamento Kkkkkkk.”

Os riscos de uso de provas obtidas de forma ilegal é tema das conversas. Quando tratam da instalação de uma escuta ambiental no escritório da contadora, Prado, Anselmo e Poza, em um grupo criado no WhatsApp, comentam a necessidade de autorização judicial.

So pra lembrar, ainda precisa de autorizacao judicial (risos)”, anota o delegado. Ela: “Vixi… É mais fácil gravar com o celular, não é não?????” E ele: “Mas nos nao podemos. A menos que vc consiga e nos forneca. Mas ainda assim e discutível”.

Ao que parece, outros integrantes da força-tarefa em Curitiba tinham conhecimento das tratativas, como indica um e-mail encaminhado por Poza ao delegado Eduardo Mauat e compartilhada com os delegados Igor de Paula e Érika Marena, além de Prado e Anselmo, todos da linha de frente das investigações.

Aparentemente, Rosalvo Ferreira Franco, superintendente da PF no Paraná, também estava informado dos procedimentos, indica um e-mail de 13 de agosto. Por meio de uma mensagem enviada aos subordinados e à contadora, que utilizava o endereço eletrônico [email protected], Franco afirma estar ciente de uma conversa entre De Paula e Poza a respeito da segurança da contadora, que havia reclamado de abandono: “Não vou ficar esperando que algo de ruim aconteça comigo ou com a minha filha. Espero que tenham a sensatez de saber que um erro não justifica o outro. Eu mostrei minha cara, mas foram vocês que colocaram minha vida em risco. Isso eu não vou perdoar nunca”.

O papel de Poza não era de conhecimento exclusivo dos policiais federais. Em uma conversa com o procurador Andrey Borges de Mendonça, a contadora trata de uma audiência com Moro.

Andrey, bom dia! Desculpe te incomodar… Mas o fato é que estou com uma grande dúvida e como não tenho advogado, gostaria de tentar esclarecer com vc. Hoje presto depoimento numa das ações penais envolvendo a Mendes Junior. Sobre esse assunto o Sr. João Procopio em depoimento afirmou que eu menti. Quero autorização para juntar cópia de alguns e-mails trocados com o João Procopio. Além disso ele também alegou que menti quando falei que ele foi ao advogado Costa e Silva buscar dinheiro.”

Na sequência, ela anota: “Em relação a isso tenho algumas gravações aqui no meu escritório de conversa entre eu e Joao Procopio onde ele fala sobre o referido advogado. É correto que eu fale sobre esses dois assuntos, sucintamente, na audiência de hoje e peça autorização do Juiz para juntar também a gravação??”

A resposta de Mendonça: “Meire, ja tentei ver, ainda nao responderam. Na minha opiniao vc deve mencionar isso sim e dizer que, caso seja possivel, pediria pra juntar diretamente ao juiz. Mas vou ver a opiniao dos colegas”.

Para a operação se manter em pé e angariar o apoio da opinião pública, a força-tarefa apoiou-se no vazamento de informações confidenciais, principalmente para a Globo e para a Veja. Selecionar o vazamento era uma estratégia cuidadosamente estudada, segundo os próprios federais.

meire poza contadora yossesff doleiro
os-segredos-da-contadora-de-alberto-youssef-e-o-silencio-da-midia10

Em 15 de maio de 2014, Anselmo comunica-se com Poza. Tratam de um vazamento ao G1, portal de notícias da Globo. “Mais umas duas semanas e vc não vai ter mais nenhum idoso nessa op. O Rafael acabou de surtar. Viu o nome dele no G1… Acabou de sair”, brinca a contadora.

Leia também:
Operação Lava Jato: como tudo começou
Sergio Moro anuncia que quer acabar com a Operação Lava Jato
A ironia em torno do vídeo do Porta dos Fundos que criticou a Lava Jato
Diferenças e semelhanças entre a Lava Jato e a Mãos Limpas

Tratava-se de Rafael Ângulo Lopez, entregador de malas de dinheiro que confirmou ter deixado propina na residência do senador Fernando Collor, do PTB. O delegado parece se divertir. “Kkkkk. Boa. Eu sabia. Só quis mandar um recado. Ele te falou?” Meire responde, “kkkkkkkk Falou. Os dois ligaram”. Anselmo parece não entender. “Os dois?” Poza então conta que além de Lopez, Enivaldo Quadrado, auxiliar de Youssef na operação, a tinha procurado.

O delegado diz que os vazamentos vão continuar a todo vapor: “O adarico vai no próximo. Kkkk. Por partes”. Adarico é irmão do ex-ministro das Cidades Márcio Negromonte e atual conselheiro do Tribunal de Contas da Bahia e ficou preso por alguns dias em uma das fases da Lava Jato.

De fato, o vazamento aconteceu como afirmou o delegado. Para a revista Veja. Um diálogo de 24 de maio de 2014 cita informações da investigação sobre a vida do irmão do ex-ministro. Anselmo diverte-se: “ Kkkk. Leia a Veja. Adarico vai enlouquecer”.

A contadora também ri: “Kkkkkkkkk. Não chegou aindaaaa, mas vi a prévia no site. Parei pra comprar. Não li ainda. Que pessoal fotogênico hein?????! Kkkkkkkkkkkkkkk”. O policial quer saber a reação do irmão do ex-ministro: “Depois me diz o que o adarico achou”.

Outro diálogo de 7 de outubro daquele ano expõe como a força-tarefa compreendia a legalidade de seus atos. Anselmo e Poza falam do depoimento da contadora à CPI da Petrobras. No fim da conversa, ela pede: “Não esquece de dar aquela olhadinha pra mim??” E recebe de volta: “ Vi aqui meire. Acho que ta bom. Tem uma ou outra imprecisao em relacao a termos tecnicos da investigação. Mas acho q isso nao vem ao caso”.

Não vem ao caso, uma frase que, em muitas medidas, define o espírito da Operação Lava Jato.

Henrique Beirangê, Carta Capital

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Sergio Moro diminuiu pena do doleiro Youssef de 121 para 3 anos de prisão | Politica Aplicada Postado em 27/Oct/2016 às 20:40

    […] mais:Os segredos da contadora de Alberto Youssef e o silêncio da mídia124 bilhões de dólares e uma conta chamada “Tucano”A Lava Jato e o buraco mal explicado: […]