Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 19/Apr/2016 às 11:42
3
Comentários

O “racista de banheiro” não se conforma com a ascensão do negro

O racismo é capaz de se reinventar e se atualizar com o objetivo de manter as estruturas e conservar seus privilégios herdados do escravismo. Um bom exemplo atual é o “racista de banheiro”. Ele não quer dividir a mesma sala da universidade com a filha da empregada ou do pedreiro e isso é preocupante

pichações racistas banheiro universidades negros
Pichações racistas em portas de banheiros de universidades (Imagem: Pragmatismo Político)

Elisângela Lima, Alma Preta

Você pode passar por um racista sem identificá-lo. O contrário, um racista passar por um negro sem identificá-lo, não é possível

Ultimamente, as constantes denúncias de racismo dentro das universidades e espaços elitizados têm dominado o debate em torno da questão racial, tanto nas redes, como nos movimentos sociais. Mesmo não tendo uma visão empírica da universidade em si, esse texto propõe reflexão ao contexto.

Diariamente esbarramos pelas ruas movimentadas, corredores universitários, trabalho e demais espaços, com o ‘racista de banheiro’. Mas de onde ele veio? Pra onde ele vai? Quem é ele na construção social desse país, dessa ideologia odiosa e hegemônica que é o racismo? Ou melhor, como identifica-lo?

Para entender o imaginário e suas disposições, é preciso uma análise conjuntural e crítica de como a sociedade brasileira se consolidou diante dessas questões no período pós-escravocrata e de como medidas institucionais foram constituídas com e a favor desse imaginário, compreendendo assim, o seu papel nos dias de hoje.

A sociedade brasileira largou o negro ao seu próprio destino, deitando sobre seus ombros a responsabilidade de reeducar-se e de transformar-se para corresponder aos novos padrões e ideais de homem, criados pelo advento do trabalho livre, do regime republicano e do capitalismo”. (Florestan Fernandes, 1978: 20)

A construção social da nossa sociedade herdou relações do período escravocrata, que se perpetuaram através do sistema e do capital, que por sua vez definiu lugares estratégicos e se nutriu deles para aquecer o mercado e movimentar a distribuição, demanda, preço e propriedade privada.

No final do séc XIX já era possível se observar a divisão interior dentro do mercado de ‘trabalho livre’, designando as funções diretas aos imigrantes europeus e as auxiliares aos negros. Ao mesmo tempo se formava um processo de ‘revolução burguesa’ dos antigos escravistas para a era moderna do capital com forte incidência na formação do Estado.

Esses lugares estratégicos movimentam e sustentam o sistema, usando como ferramenta de permanência e manutenção, as opressões estruturais. Logo, o racismo se reinventa e se atualiza (tal como as demais opressões) com a finalidade de manter as estruturas e tendo como consequência, as relações conflituosas entre os indivíduos beneficiados por esse sistema e os excluídos.

Um bom exemplo atual é o “racista de banheiro”, que exemplifica o imaginário racista e burguês da não aceitação dessas manutenções sistemáticas, por sempre primar pela conservação de seus privilégios herdados do escravismo. É o fim de um privilégio dividir a mesma sala da universidade com a filha da empregada e isso é preocupante para a hegemonia de uma geração não apta ao trabalho doméstico, mesmo que não digam isso com todas as letras.

Não se trata do termo ‘racismo velado’ tão usado nos anos 70 pós ditadura e por muitos até hoje, pois esse só se faz presente nas relações estruturais previstas pelo sistema. Se trata objetivamente de um racismo em matéria/escancarado, aonde o excluído, ao alcançar espaços historicamente dominados pela elite, evidencia a apelação das injurias e descriminações racistas que a própria estrutura, ao modificar-se, trouxe consigo manifestações odiosas. O que de fato vem ocorrendo no Brasil, é a decorrente ascensão do negro(a), através da política de manutenção, que por sua vez, possibilitou a inclusão de nós, negros(as), em lugares que não nos foi destinados, gerando revolta para a casa grande.

Como agem:

Você pode passar por um racista sem identifica-lo. O contrário, um racista passar por um negro sem identifica-lo, não é possível; Logo, se estabelece uma vantagem entre o agressor em detrimento da vítima, deixando-o a vontade para agir já que os meios institucionais de defesa são um dos componentes do sistema que em sua conveniência naturaliza o racismo.

Como se defender da peste?

É preciso adentrar cada vez mais os espaços, principalmente os políticos e acadêmicos, buscando se unir a quem passa pelos mesmos ataques, outros negros(as), e até mesmo quem se manifesta contra ou passa por essa e/ou outras opressões. É preciso trabalhar a interseccionalidade entre as relações de coletivo, entre as relações políticas, entre os temas políticos. Legitimar seu lugar de fala é essencial nesse contexto. Jamais pense o contrário disto.

Os lugares que temos que estar não foram destinados a nós. Não somos maioria neles! Mas isso jamais pode ser usado como argumento para não adentrarmos (sem referência meritocrática).

Os questionamentos críticos também são fundamentais! Entender o seu papel como sujeito na sociedade atual e sua construção social dentro dela, é igualmente fundamental.

Essas foram uma das armas não letais usadas pelos Panteras Negras.

Essas serão suas principais armas de defesa.

Leia também:
Ator Érico Brás diz ter sido vítima de racismo em voo da Avianca
Sharpeville é aqui!
Racismo: só pensa que é ‘mera injúria’ quem nunca sofreu na pele
Trabalhadores negros ganham 40% a menos do que o salário dos brancos
Por que o Brasil é um dos países mais racistas do mundo?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. eu daqui Postado em 19/Apr/2016 às 13:58

    Aquele que escreveu "a vida não tem cotas" - poderia ter parado por aí mesmo

  2. Vinis Postado em 19/Apr/2016 às 14:39

    Pior de tudo é ver esses seres que escrevem isso falando do tal "racismo inverso"

  3. Line Postado em 19/Apr/2016 às 21:23

    Isso é mais comum do que se pensa