Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 28/Apr/2016 às 09:24
5
Comentários

Mulheres cercam Eduardo Cunha após manobra vergonhosa do deputado

Eduardo Cunha manobrou para vencer uma votação na Câmara mais uma vez. Em atitude vergonhosa e descarada, presidente da Casa ignorou posição majoritária do plenário para reverter matéria em que tinha acabado de ser derrotado. Mulheres cercaram o deputado e tomaram sua cadeira

eduardo cunha erundina manobra votação

Gritos de “golpista” e “fora, Cunha”, ocupação da Mesa Diretora por deputadas, sessão suspensa, troca de acusações. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), voltou a causar polêmica ao insistir em uma votação, na qual saíra derrotado inicialmente, até ver a proposta que apoiava ser aprovada (vídeo abaixo).

Em sessão tumultuada, que só terminou na madrugada desta quinta-feira (28), os deputados aprovaram, por 221 votos a 167 e uma abstenção, a criação de duas novas comissões permanentes: a de Defesa dos Direitos da Mulher e a de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa.

A confusão começou por volta das 20h, após Cunha declarar rejeitado o requerimento de retirada de pauta do projeto que criava os novos colegiados, contrariando a maioria do plenário.

Liderados pela bancada feminina, diversos parlamentares acusaram o presidente da Câmara de manobrar e promover um “golpe” em plenário. Elas protestaram contra a exclusão de temas considerados prioritários para as mulheres, como direitos reprodutivos e aborto, do âmbito da nova comissão.

Cunha ignorou o apelo das deputadas, que tomaram a Mesa Diretora e as duas tribunas diametralmente opostas do plenário. Dessa maneira, impediram que o deputado João Campos (PRB-GO), relator do projeto e aliado de Cunha, pudesse usar um dos microfones e dar continuidade à sessão – o peemedebista se mantinha decidido a manter aprovação da matéria. Campos é um dos coordenadores da bancada evangélica.

De dedo em riste, a deputada Moema Gramacho (PT-BA) foi até a cadeira do presidente da Câmara para cobrar explicações.

Diante da confusão, Cunha suspendeu a sessão. A deputada Luiza Erundina (Psol-SP) se sentou na cadeira dele enquanto outras parlamentares se revezavam à mesa. “Quem sabe das necessidades e dos interesses das mulheres somos nós mulheres. Não aceitamos que nenhum homem nos substitua para dizer quais são os nossos direitos”, havia discurso minutos antes Erundina.

VÍDEO:

Reincidente

Esta não é a primeira vez que o presidente da Câmara é acusado de ignorar um resultado do plenário que contraria sua orientação e insistir na votação até que a decisão lhe agrade. O peemedebista foi acusado no ano passado de manobrar, por exemplo, na análise da proposta que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal.

Relembre outras manobras de Eduardo Cunha:
. Redução da maioridade penal é aprovada após manobra de Cunha
. A manobra de Cunha para aprovar o financiamento privado de Campanhas

Durante a interrupção da sessão dessa quarta-feira, Cunha se reuniu com líderes partidários e alegou que diversos partidos perderiam cargos se as comissões não fossem criadas. O risco de perder espaço político fez lideranças que resistiam à aprovação da proposta mudar sua orientação, o que garantiu a aprovação do projeto de resolução já na madrugada.

As discussões, porém, prosseguiram em plenário. Em seu parecer, o relator João Campos incluiu o termo “nascituro” entre as atribuições da Comissão de Seguridade, contrariando a posição da maioria das parlamentares. Na prática, discussões sobre aborto, por exemplo, não serão tratadas na Comissão da Mulher.

“Estamos criando um meio instrumento, estamos fazendo de conta que estamos debatendo a questão da mulher e rompendo um acordo. Estamos mexendo com uma questão da seguridade que em nenhum momento entrou nessa discussão”, protestou a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Na avaliação da deputada, em vez de ampliar, o texto retira das competências da Comissão da Mulher a possibilidade de discussão de pontos fundamentais. “Ele [o relator] excluiu do escopo da comissão assuntos fundamentais da mulher, os direitos sexuais e reprodutivos estão excluídos, além de enfraquecer outras estruturas da Câmara voltadas para debater os direitos de mulheres, como a Secretaria da Mulher e a Procuradoria da Mulher. É um retrocesso”, disse.

Moema Gramacho acusou Cunha de quebrar um acordo sobre a abrangência da nova comissão e de ignorar o posicionamento das deputadas para favorecer seus aliados políticos. “Não somos contrárias à criação das comissões da mulher ou do idoso, mas sim a forma como esta comissão foi trazida aqui, somente para contemplar os aliados com cargos nas novas estruturas”, disse.

Para a deputada Erika Kokay (PT-DF), a nova comissão não enfrentará as discussões que mais afetam as mulheres. “É uma comissão executiva: para incentivar, para receber denúncia, para fiscalizar, para oferecer prêmios, mas não para discutir o mérito das matérias no que diz respeito às mulheres. Queremos discutir a violência contra a mulher, a desigualdade salarial que atinge as mulheres e tantas outras questões”, criticou.

João Campos rebateu as críticas. “Não concebo a ideia de que a política relacionada à remuneração das mulheres seja discutida fora do contexto da política dos trabalhadores em conjunto na Comissão de Trabalho e Serviço Público”, disse o relator. O Plenário rejeitou, por 275 votos a 107, destaque do PT que pretendia excluir a nova atribuição dada à Comissão de Seguridade Social e Família para análise de temas relacionados ao nascituro.

Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. RENATA Postado em 28/Apr/2016 às 10:04

    Eduardo Cunha é um homem amoral, sem escrúpulos e sem vergonha. Ele zomba da cara de todo povo brasileiro conduzindo ao seu bel prazer a Câmara que na verdade deveria ser chamada de puteiro do cunha, a onde todos so trabalham para atender aos interesses dele. É uma vergonha um homem desses, mas como poderíamos esperar algo diferente né, se em uma multidão de bandidos você é escolhido para lidera-los, você so poderia de fato ser o maior e melhor deles.

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 28/Apr/2016 às 11:47

    """"Tem que respeitar. Hoje foi contra nós. Amanhã é contra todos"""". Era Mãerundina falando ao microfone? Aula magna de cidadania e democracia em 10 palavras. Limitem-se a aprender. E de novo a história registra que é necessário mulheres - de grelo evidentemente duro - mostrarem para homens frouxos e vendidos o que significa atitude, enfrentamento e culhão.

  3. Deisi Postado em 28/Apr/2016 às 13:38

    Esse é o vice presidente dos coxinhas golpistas, eles adoram e merecem.

  4. Simone Cruz Postado em 28/Apr/2016 às 16:02

    Alguém precisa PARAR esse demônio!!! #EduardoCunhaGolpista!

  5. Cecimila Calc Postado em 28/Apr/2016 às 16:29

    Eu queria muito ele fora do caminho do nosso país! #foracunha