Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mídia desonesta 12/Apr/2016 às 18:19
2
Comentários

Mídia brasileira ameaça a democracia à 'queima roupa'

A frágil democracia brasileira não pode continuar a conviver com mídia oligopolizada — que ameaça e chantageia os poderes, enquanto mantém na ignorância milhões de brasileiros

mídia golpista brasileira ameaça democracia queima roupa crime

Celso Vicenzi, Outras Palavras

Já se disse que jornalismoé a história à queima-roupa”. Expressão que nos remete, de imediato, para “um tiro à queima-roupa”. Um atentado. É o que os tradicionais veículos da mídia oligopolizada do país estão promovendo neste momento contra a democracia. A sangue frio, como narraria Truman Capote.

Todos os movimentos, feitos com sutileza, astúcia, insinuação, artimanha, dissimulação, logro, malícia, maquiavelismo, trapaça e distorção (exagero? não!) são habilmente manipulados para tentar induzir boa parte da opinião pública a aceitar inverdades. A começar por uma que já se fixou na mente de boa parte dos brasileiros desinformados: a de que nunca se roubou tanto neste país quanto nos governos do PT e que uma quadrilha se instalou no poder – como nunca antes houvera na história dessa nação de anjos.

Por qualquer informação ou estatística que se busque, mesmo na imprensa tradicional, é fácil constatar que a quantidade de escândalos de corrupção e o montante de valores envolvidos, já foram muito maiores em governos anteriores. Só para fixar em um, de âmbito estadual, o do tremsalão tucano, em São Paulo, é dezenas de vezes superior ao “escândalo do mensalão do PT”. E num julgamento midiático, muito questionado, posto que permitiu condenar até mesmo sem provas, com a “teoria do domínio do fato”, que possibilitou à ministra Rosa Weber, do STF, por exemplo, proferir uma sentença que entrou para a história: “Não tenho prova cabal contra (José) Dirceu, mas vou condená-lo porque a literatura jurídica me permite”. Imagine – faça um esforço! –, caro leitor, prezada leitora, tamanho rigor aplicado com a mesma justiça a tantos cidadãos e cidadãs, na vida pública e privada desse país! Quantos sobrariam?

Não se trata aqui, obviamente, de uma contabilidade de crimes, menos ainda da tentativa de absolver culpados, mas de fazer a pergunta fundamental, que seria papel de todo jornalista: se apenas alguns são investigados e punidos, quais os interesses que estão por trás? Eu assinalaria a seguinte resposta: Um golpe de estado, jurídico-midiático-policial. Não é difícil demonstrá-lo, tamanhas são as evidências que já ganharam as ruas, as praças, mobilizaram juristas, intelectuais, artistas, as mais diversas entidades da sociedade civil que diariamente assinam manifestos e se posicionam na defesa da democracia e contra o golpe.

Afinal, quem ganha com isso? Quem ganha com o impeachment de uma presidenta que não é acusada de nenhum crime e nenhum outro ato previsto na Constituição que poderia servir de motivo para destituí-la do cargo para o qual foi eleita? E que vai ser julgada por dezenas de parlamentares que respondem a processos de corrupção na justiça? Por que a mídia aceita, com dócil subserviência, essa imoralidade? Quem ainda não vê a total partidarização política e a seletiva investigação de uma Operação Lava-Jato que, pensava-se no início, tinha foco exclusivo no combate à corrupção, mas que hoje permite que os maiores corruptos do país dela mantenham confortável distância? Como é possível aceitar que um parlamentar dono de uma folha corrida de crimes que se estende do Brasil à Suíça, já provado e documentado, ocupe impunemente a cadeira de presidente da Câmara e seja o comandante do impeachment? Por que a imprensa foge dessas perguntas como o diabo da cruz, enquanto sofisma e produz tergiversações eloquentes com o intuito de justamente distrair leitores, telespectadores, radiouvintes e internautas sobre o que de fato tem importância, para muito além de sítios e pedalinhos, visto que é o futuro do país que está em disputa?

Repito: Quem ganha com um golpe travestido de impeachment? Não o povo, os trabalhadores e todos aqueles que viram florescer, timidamente, uma democracia mais inclusiva no país, permitindo que milhões de brasileiros tivessem mais acesso a direitos que sempre foram negados à parcela mais pobre da população.

A mídia, a quem caberia fazer sínteses, comparações, análises e conclusões fidedignas, desde o início tornou-se protagonista de um golpe contra a democracia e vem cumprindo a sua indigna missão de embaralhar os fatos, distorcer, descontextualizar, manipular e omitir informações, papel fundamental para que se produza desinformação e ódio, que toma conta de muitos setores da sociedade, sobretudo nas classes média e rica, entre os detentores das profissões mais bem remuneradas e entre os que ocupam cargos importantes nas engrenagens da sociedade.

Em síntese, em boa parte daqueles que compõem o que se pode chamar de uma “elite brasileira”, em sua maioria branca, racista, preconceituosa, discriminatória, injusta, insensível, cruel e antinacionalista, porque se envergonha de seu país, como se não fosse a principal responsável pela nação tão desigual que se desenvolveu à beira do Atlântico e continente adentro. Poderia acrescentar, uma elite escravocrata, posto que ainda vê com naturalidade a enorme desigualdade social, o abandono e a miséria, e crê, firmemente, que a distância que a separa do resto da população é resultado de meritocracia e não de privilégios que sempre foram defendidos, a ferro e fogo, ao longo de séculos.

O povo, que se informa basicamente por TV e rádio, mesmo desinformado, desconfia e reluta em aderir ao golpe. Os mais conscientes, que geralmente participam de movimentos sociais, já estão nas ruas para defender a democracia.

O que a atual crise política demonstra claramente é que a frágil democracia brasileira não pode mais continuar a conviver com um sistema de mídia oligopolizado, que ameaça e chantageia os Três Poderes, ao mesmo tempo em que mantém na ignorância – ora anestesiando, ora insuflando – milhões de brasileiros, para que se perpetuem interesses particulares e de grupos a quem presta serviços – alguns deles, donos de imenso capital internacional.

O líder negro norte-americano Malcolm X (1925-1965), que viveu numa época em que a revolução midiática ainda não alcançara a força que hoje tem, já alertara: “Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas e amar as pessoas que estão oprimindo”.

Imagine se ele tivesse conhecido a Globo!

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Sérgio Postado em 13/Apr/2016 às 04:07

    Merenda é de cheirar? Aecim e Capez: https://www.youtube.com/watch?v=tjw3RG9JvBE&nohtml5=False

  2. Moacir Postado em 13/Apr/2016 às 11:03

    O pior é que esse golpe poderá ser viabilizado por uma diferença de votos menor do aqueles contabilizados por alguns que se pretendem oposição ao que o país tem de pior! Com tal "Rede de Intrigas", que opção moral nos restará?... Como diria Marx, o Groucho: "Na verdade, até eu não ando me sentindo muito bem ultimamente"...