Redação Pragmatismo
Compartilhar
Impeachment 08/Apr/2016 às 15:53
4
Comentários

Intelectuais estrangeiros alertam para possibilidade de golpe no Brasil

Para intelectuais estrangeiros, democracia brasileira enfrenta ameaça. Idealizado pelo historiador James Green, da Universidade Brown, nos Estados Unidos, manifesto aponta para riscos provocados por “setores do judiciário com o apoio de interesses da grande imprensa”

intelectuais estrangeiros golpe impeachment golpe brasil
James Green e Barbara Weinstein (Imagem: Pragmatismo Político)

Um manifesto online, assinado por 51 acadêmicos especializados em estudos sobre o Brasil em universidades estrangeiras, diz que a democracia brasileira encontra-se “seriamente ameaçada” pelo atual clima político. O documento, que convoca intelectuais estrangeiros a aderirem ao texto, já recebeu mais de mil subscrições.

Idealizado pelo historiador James Green, da Universidade Brown, em Rhode Island, nos Estados Unidos, e o sociólogo brasileiro Renan Quinalha, pesquisador convidado na Brown, o manifesto reconhece a legitimidade e a necessidade do combate à corrupção por meio de inquéritos como os da Operação Lava Jato, mas acusa o que seriam abusos na condução da investigação e afirma que “setores do judiciário, com o apoio de interesses da grande imprensa, têm se tornado protagonistas em prejudicar o Estado de Direito“.

Tomamos a iniciativa de organizar esse abaixo-assinado por conta da grave situação política que o Brasil atravessa hoje. Recebemos uma chamada de acadêmicos brasileiros pedindo solidariedade na defesa da democracia e atendemos prontamente a esse chamado“, disse Green, por e-mail, à Agência Brasil. “Nossa intenção foi somar a comunidade acadêmica internacional às diversas iniciativas que estão se proliferando pelo Brasil.”

Green é autor dos livros Além do Carnaval – A Homossexualidade Masculina no Brasil do Séc. XX (Unesp, 2000) e Apesar de Vocês – Oposição à Ditadura Brasileira nos Estados Unidos, 1964-1985 (Companhia das Letras, 2009), que analisa as relações Brasil-EUA no período e conta a história de pessoas que combateram o regime militar brasileiro a partir do país norte-americano.

O texto é assinado, entre outros, por brasilianistas como Barbara Weinstein (New York University), autora de diversos livros sobre o Brasil pós-colonial; Elizabeth Leeds (Massachussets Institute of Technology – MIT), que é também cofundadora e presidente de honra do Fórum Brasileiro de Segurança Pública; e Jean Hébrard, professor na Ecóle de Hautes Études en Sciences Sociales, em Paris. Assinam ainda intelectuais brasileiros que no momento atuam fora do país, como o especialista em literatura brasileira Pedro Meira Monteiro, que leciona na Universidade Princeton, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, e o historiador Sidney Chalhoub, professor convidado na Universidade Harvard, em Massachussets (EUA).

Impeachment

No manifesto, os acadêmicos enxergam um sério risco de que a retórica contra a corrupção esteja sendo usada para desestabilizar um governo democraticamente eleito, citando que o mesmo expediente fora utilizado antes da queda do ex-presidente João Goulart (1964), dando espaço à ditadura militar subsequente. À Agência Brasil, Barbara Weinstein criticou o processo de impeachment em curso no Congresso.

Caso surjam evidências de algo mais sério do que ‘contabilidade criativa’, ou se você puder encontrar uma maioria de dois terços da Câmara dos Deputados que se acredite nunca ter cometido qualquer ato que possa ser descrito como ‘corrupto’ ou ‘desonesto’, então talvez eu possa considerar legítimo que eles decidam se Dilma permanece no cargo ou é impedida“, disse Weinstein. “Acho muito improvável.”

Para Chalhoub, um dos historiadores brasileiros de maior projeção internacional, “o processo de impeachment tem bases muito frágeis, como já mostraram vários juristas. E está sendo conduzido por parlamentares sobre os quais pesam acusações de gravidade ímpar. Destituir uma presidenta desse modo fragiliza a democracia, é um golpe contra ela, traduz apenas o inconformismo dos derrotados nas eleições de 2014. Esse é um momento decisivo da democracia brasileira“, disse ele à Agência Brasil.

Dos mais de mil subscritos no abaixo-assinado disponível no site Avaaz, grande parte é composta por acadêmicos do México e da Argentina, mas há intelectuais de países diversos, como África do Sul, Índia, Japão e Turquia.

Felipe Pontes, Agência Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Alan Kevedo Postado em 10/Apr/2016 às 12:30

    É O MUNDO CONTRA A VEJA, A ISTOÉ, A REDE GLOBO, O PSDB e o PMDB.

  2. marcus Postado em 10/Apr/2016 às 13:41

    Esse tal de James Green, da Universidade Brown, é um IDIOTA DESINFORMADO, desconhece a verdade o movimento das manifestações tem legitimidade e a necessidade do combate à corrupção por meio de inquéritos como os da Operação Lava Jato, E NÃO EXISTE ABUSO ALGUM na condução das investigações, o INTERESSE É DO POVO e não de “setores do judiciário, com o apoio de interesses da grande imprensa. E quem está contra o estado de dreito é justamente esse governo atual que ele levianamente defendo. cala a boca SEU BABACA.. Voce não conhece o Brasil.

  3. douglas Postado em 10/Apr/2016 às 14:15

    Se o valor disposto ao canalha LULA para compra de votos, benesses e afins não fosse de 38 BILHÕES, eu diria até que esses idiotas de carteirinha teriam credibilidade mas, sendo assim, prefiro continuar acreditando que esses são outros "ticos, Chicos, Leticias Mortadelas, Chauis, etc, etc, ou seja, gente que vivem com parasitas E "detestam a classe média em que vivem". São os chamados "ÍCONES" que até hoje procuro saber D E *** Q U Ê? ¨¨¨¨ só se for de putaria, aí sim!

  4. Carlos Augusto Normann Postado em 15/Apr/2016 às 11:20

    mais uma vez, para saber notícias escritas sobre o Brasil com seriedade, nos deparamos de fontes estrangeiras. A "imprensa" brasileira, via de regra nas mãos de famílias aristocráticas ou de grupos neopentecostais, não é livre. Ela serve aos donos e donas do poder.