Redação Pragmatismo
Compartilhar
Impeachment 12/Apr/2016 às 00:07
5
Comentários

Chico Buarque, Beth Carvalho e Lula participam de ato contra o golpe

Lula, Chico Buarque, Beth Carvalho e Wagner Moura foram alguns dos nomes que participaram do ato contra o golpe e em defesa da democracia na noite desta segunda-feira. Ex-presidente comentou a votação na comissão do impeachment e se declarou confiante

Lula Chico Buarque golpe impeachment
Lula e Chico Buarque se abraçam em evento no Rio de Janeiro (Imagem: Ricardo Stuckert)

A sambista Beth Carvalho deu literalmente o tom no ato que reuniu artistas e intelectuais hoje (11), no bairro da Lapa, região central do Rio de Janeiro. Ela encerrou as falas com uma sugestão: “Proponho construir uma rede democrática de comunicação em defesa da legalidade tal como fez o inesquecível (Leonel) Brizola em 1961”. A cantora defendeu que essa rede tenha, como “cabeça”, a EBC, TV Brasil, Rádio Nacional, TVT, TVs educativas, rádios comunitárias “e todos os que quiserem participar e quiserem ajudar a derrotar esse golpe”.

“Essa ferramenta faria contraponto para mobilizar o povão que não tem alternativa de informação”, acrescentou Beth Carvalho, que entoou um samba recém-composto: “Não vai ter golpe de novo/ reage, reage meu povo”.

O cantor e compositor Nelson Sargento, de 91 anos, saudado pela comunidade artística no palco, declarou: “Eu não ia dormir sossegado se não tivesse vindo aqui hoje”. Recebeu um beijo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não discursou.

Como sempre muito esperado e aplaudido desde o início do evento, o cantor e compositor Chico Buarque falou três frases. “Não teria muito mais coisas a dizer do que já disse no Largo da Carioca (no dia 31). Já que cheguei aqui e fiquei besta quando vocês começaram a dizer ‘Chico eu te amo’, nós também amamos todos vocês e essa energia. Estaremos juntos em defesa da democracia. Não vai ter golpe”, disse Chico.

Também muito aplaudido, o teólogo Leonardo Boff usou bom humor: “É muito bom eu falar por último, para fazer o sepultamento do impeachment”, afirmou. “Eles também (os golpistas) falam em democracia. A democracia dos ricos. Democracia para os ricos nós não queremos. Queremos uma democracia social inaugurada por Lula e Dilma. Queremos uma democracia participativa, que enriqueça a democracia representativa, que vem de baixo, onde os movimentos sociais contam. A crise trouxe a pergunta: que Brasil nós queremos? As ruas estão mostrando.”

O cineasta Luiz Carlos Barreto, o Barretão, declarou que “não é uma passeata de 3 milhões de pessoas que vai anular o voto de 53 milhões”. Ele disse também que o impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff está sendo desencadeado pelos sonegadores de impostos do país. “Em 2015, a sonegação chegou a 415 bilhões de reais. São dez programas Minha Casa, Minha Vida que ficaram nos bolsos de quem sonega.”

Segundo Barreto, a tentativa de golpe contra Dilma precede “um segundo golpe que pretende impedir que o presidente Lula concorra nas eleições de 2018”. O cineasta pediu que as mobilizações não parem mesmo após os movimentos em defesa da democracia vencerem a “batalha do impeachment”.

Em um dos depoimentos mais emocionantes, o cantor e compositor de rap, funk, hip hop Flavio Renegado declamou um poema e afirmou: “A periferia está organizada. As comunidades nunca se calaram. O Brasil nunca ouviu as comunidades. Nós sempre sobrevivemos a tudo e vamos sobreviver ao golpe”.

O ator Wagner Moura apareceu em vídeo. Reconheceu que nunca votou em Dilma Rousseff, mas observou que a democracia está sofrendo ataques. “Tenho sido um crítico duro do governo Dilma. Eu nunca votei nela, mas 54 milhões de brasileiros o fizeram. Se nossa democracia não fosse frágil, não estaria sendo atacada e correndo risco. Mas ela avançou, e isso graças aos governos Lula e Dilma.”

Lula dá nome aos bois

Em discurso no Rio de Janeiro na noite de hoje (11), antes do show de encerramento do ato da Cultura pela Democracia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nomeou os homens que, segundo ele, estão por trás da conspiração golpista contra a presidenta Dilma Rousseff: “Vejam quem quer tirar a Dilma. Primeiro, Temer; segundo, Eduardo Cunha; terceiro, Geddel (Vieira Lima); quarto, Henrique Eduardo Alves; quinto, Wellington Moreira Franco, que foi governador deste estado”.

Todos são do PMDB. Geddel, com Lula, Moreira Franco e Eduardo Alves (com Dilma), este até duas semanas atrás, foram ministros dos governos petistas. “Nunca imaginei que, eu, aos 70 anos, a gente ia ver golpista tentando tirar uma presidente eleita.”

O ex-presidente afirmou que a vitória da oposição na Comissão Especial do Impeachment, por 38 a 27, “não quer dizer nada”. “(A decisão) é domingo no plenário”, afirmou. Para aprovar o impeachment, a oposição precisa de 342 votos.

Na Lapa, bairro tradicional do Rio, ele criticou o principal reduto onde o golpe é articulado: “Lá em São Paulo, não deixaram nem o Alckmin falar, nem o Aécio. Sabem quem fala por eles? Bolsonaro fala por eles”, disse Lula. “Foi assim que nasceu o nazismo na Alemanha, foi assim que nasceu o fascismo na Itália.”

Ele voltou a falar do ódio alimentado pela mídia e pela oposição ao governo, aos quais responsabiliza pelo clima de divisão instaurado no país. “Eu não quero dividir a sociedade entre nós e eles. Não quero que vocês tenham raiva. O Brasil não pode ser um país dividido.”

O ex-presidente atacou a mídia e se defendeu das acusações sobre o apartamento no Guarujá e do sítio em Atibaia. “Nem vejo as capas das revistas, que estão mais para jogar no lixo. Inventaram um apartamento meu que um dia vão ter que me dar de presente. A offshore cuidava do apartamento do Roberto Marinho e não do meu. Às vezes, faço um esforço muito grande pra voltar a ser o Lulinha paz e amor”, disse.

Ele lembrou que perdeu a eleição de 1989, para Fernando Collor de Mello, porque foi “roubado” pela TV Globo.

A breve fala de Chico:

Lula no evento:

RBA

Recomendados para você

Comentários

  1. Deisi Postado em 12/Apr/2016 às 07:25

    Que manifestação maravilhosa, isso me faz acreditar, que se os ratos derem o golpe, em 2018, Lula vence no primeiro turno.

  2. felipe Postado em 12/Apr/2016 às 09:03

    Estaria tudo lindo se as manifestações não fossem partidárias, não são manifestações de democracia nem contra o golpe são manifestações a favor do PT, a favor do governo que aí esta, a favor da maneira que o país vem sendo governado, vendido, loteado para os partidos, da forma ridículo de governar, dos escândalos, é a favor de tudo isso, pois até momento não ví nenhuma crítica ao péssimo governo que temos, até agora não ví uma crítica sequer ao Mercadante, então para mim essa manifestação nada mais é do que uma manifestação para o PT, para manter tudo o que tem sido feito, o grande detalhe é o Gregório com olhar apaixonado kkkk e a bandeira da CUT.

  3. DANIEL Postado em 12/Apr/2016 às 09:41

    e aproveitar o momento e rever suas alianças deixar de governar para latifundiários, não é mais possível continuar injetando bilhões na globo SIONISTA e golpista, essa reforma da previdência que não tem fim começou no governo FHC e passou por três governo petista e sempre prejudicando os trabalhadores. entendo que esse é o momento de voltar as origens.

  4. Eduardo Ribeiro Postado em 12/Apr/2016 às 10:48

    """""Se eu tivesse só mais um dia de vida, tenham certeza que seria dedicado 24hrs para a defesa da democracia e da liberdade e da cidadania deste país""""". É, deixar esse bicho solto nos palanques do Brasil vai ser problema pra vocês. Passou da hora de vocês, golpistinhas e brasileiros de merda, considerarem métodos mais eficazes de destruição. Só barquinho de lata, pedalinho dos netos, sitiozinho e triplex inventado não vai pegar nesse MONSTRO aí não. Mentiras da Veja não pegam mais, ninguem leva mais a sério esse "maço caro de papel". Condução coercitiva só piorou as coisas. Grampo ilegal foi tiro no pé também. É carisma demais, é força política demais, é liderança demais, é HISTÓRIA E RELEVÂNCIA muito além da vã imaginação dos golpistas que batem panela e sempre tiveram geladeira cheia. Vão ter que apelar pra forças ocultas pra jogar esse MONSTRO no chão e limpar o caminho pra 2018. No mais: sempre gratificante ver Papai Lulão on fire, jogando no ventilador e apontando o dedo pros safados e vendidos que conspiram contra a democracia. Tem que dar o nome dos ratos que comandam essa putaria mesmo, de um por um. E a Beth tá certinha também, qualquer esforço no sentido de viabilizar a democratização dos meios de comunicação é muitissimo bem vindo. É algo que falamos já tem muitos anos, mas vagabundo, por pura conveniência, acha que tá bom do jeito que está.

  5. DANIEL Postado em 12/Apr/2016 às 11:02

    cadê meu comentário? será censura?