Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 08/Apr/2016 às 13:03
5
Comentários

Baleada pelo pai e jogada em rio, jovem sobrevive para contar a história

A jovem baleada pelo pai, colocada em uma bolsa e jogada em rio que sobreviveu para contar a história

paquistão moça baleada jogada no rio crime de honra
A Girl in the River: The Price of Forgiveness (Uma Jovem no Rio: O Preço do Perdão) , ganhou um Oscar de melhor documentário de curta-metragem em 2016 (reprodução)

Saba Qaiser, uma paquistanesa de 18 anos, se casou em 2014 com o homem que amava, seu noivo havia quatro anos.

Mas a família não concordava com a união, e a jovem acabou fugindo.

Na mesma época, a documentarista Sharmeen Obaid-Chinoy estava no Paquistão, seu país natal.

Fazia tempo que Obaid-Chinoy queria filmar um documentário sobre as “mortes de honra” em seu país: assassinatos de mulheres que “mancham” a honra da família e que chegam a mil casos por ano, segundo dados oficiais.

Mas ela queria contar essa história a partir da perspectiva de uma sobrevivente, algo difícil de encontrar, dadas as estatísticas.

Em uma manhã, a diretora leu em um jornal da região de Punjab que uma jovem havia sido baleada em um provável caso de “morte de honra”.

Segundo a notícia, a vítima havia sobrevivido milagrosamente e estava internada em um hospital local.

Obaid-Chinoy foi procurar a moça imediatamente. A jovem ferida era Saba Qaiser, a mulher que havia casado sem o consentimento da família.

Drama familiar

O pai e o tio da jovem haviam encontrado Saba após a fuga da moça, e tinham tentado matá-la pela “desonra” que, segundo eles, ela causara à família.

O pai de Saba deu um tiro no rosto da jovem, colocou a moça em uma sacola e a lançou em um rio.

Mas a bala havia apenas acertado a bochecha de Saba. Acordada pela água fria do rio, ela conseguiu sair, chegar a um posto de combustíveis e pedir ajuda.

A beleza da história é que os serviços sociais do Paquistão e o hospital do governo local a atenderam. O pai e o tio foram presos, mas acabaram liberados por causa da fraqueza das leis“, disse Sharmeen Obaid-Chinoy à BBC.

A cineasta disse ter encontrado uma jovem “muito decidida“, e logo começou a produzir o documentário a partir do ponto de vista de Saba.

A Girl in the River: The Price of Forgiveness (Uma Jovem no Rio: O Preço do Perdão, em tradução livre) venceu o Oscar deste ano na categoria documentário em curta metragem.

Falhas na lei

O filme traz um alerta sobre a impunidade que predomina nesses casos.

Se um pai mata a filha, quem o denuncia? As pessoas pensam que relatar o caso trará mais vergonha para a casa“, conta a diretora.

Segundo ela, a legislação paquistanesa permite “perdoar” o autor de uma “morte de honra”.

Ou seja, se um pai mata a filha, a esposa pode perdoá-lo, se um irmão mata a irmã, os pais podem perdoá-lo, e se um marido mata a mulher, pode receber o perdão dos filhos.

Por essa razão, Sharmeen diz acreditar que o número real de assassinatos por esse tipo de motivação seja maior do que apontam os registros oficiais.

Há pais que mataram suas filhas e andam livres pelas ruas. A sociedade não os vê como assassinos, mas como homens honrados. Precisamos colocá-los na cadeia“, defende a documentarista.

Mensagem política

Obaid-Chinoy diz que a anistia a esse tipo de crime deve acabar, para que o delito seja julgado como crime contra o Estado.
Não há ‘mortos de honra’, mas assassinatos premeditados e a sangue frio“, diz.

O primeiro-ministro do Paquistão, Nawaz Sharif, ofereceu sua casa para a estreia do filme, e pediu alterações na lei que permite a impunidade nesses casos de homicídio.

No final da produção, Obaid-Chinoy disse que caminhava com a protagonista, quando ouviu dela a seguinte frase:

Sabe de uma coisa? Perdoei meu pai e meu tio pela pressão social e pela minha família, mas no fundo do meu coração eles nunca serão perdoados.”

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Maria Célia Postado em 08/Apr/2016 às 14:45

    Este tecido em torno do rosto já diz tudo!!

  2. Jonas Schlesinger Postado em 08/Apr/2016 às 14:47

    Paquistão, Arábia Saudita, Afeganistão, Palestina, Líbano, Oman, Iêmen entre outros países do mundo árabe. Enquanto vocês defendem eles e atacam Israel, é isso que vai continuar acontecer por lá. Terrorismo e Misoginia. Isso nunca vai acabar para uma civilização que sequer chegou no século XX quanto mais no XXI. Tudo bem que Israel tem um 1º ministro osso duro de se roer, mas pelo menos lá é uma democracia. Quando a constituição de um país continuar sendo a Sharia ou o Alcorão, nunca haverá democracia e sempre sobressairá o fundamentalismo.

    • gustavo0 Postado em 08/Apr/2016 às 17:29

      Concordo e acrescento, o povo israelense vive muito bem hoje em dia, nível de segurança alto, qualidade de vida, e sim, diversidade cultural. Há por lá o aporte de uma quantidade surpreendente de estrangeiros. Benjamim Netanyahu é um enorme imbecil político, um sujeito execrável, porém o país caminha bem, diferentemente de grande parte dos que lhe querem destruído.

    • Line Postado em 09/Apr/2016 às 22:41

      Concordo. Israel tem mais qualidades do que defeitos.

  3. eu daqui Postado em 08/Apr/2016 às 14:54

    Engraçado. Ainda não visitei o Paquistão mas acho que já o conheço de algum país.