Redação Pragmatismo
Compartilhar
Cuba 23/Mar/2016 às 10:52
7
Comentários

"Vai pra Cuba, Obama!" E ele foi, ao que parece, bem contente

Barack Obama Cuba Che Guevara

Max Altman, Revista Samuel

Percebo certo nariz torcido da imprensa com relação à extraordinária repercussão da histórica visita do presidente Obama a Cuba.

O editor-executivo da Folha de S. Paulo Sérgio Dávila afirma que é “a primeira vez que um Castro é verdadeiramente questionado por um representante do jornalismo profissional em seu próprio país desde que a família tomou o poder, em 1959.”

Duas observações: em Cuba creio que é mesmo a primeira vez, embora o presidente Raúl Castro tenha respondido à imprensa internacional em várias outras ocasiões, inclusive no Brasil. Quão ardiloso e cínico se mostra Dávila quando diz que a “família [Castro] tomou o poder”. Por certo, o editor sabe que Fidel tomou o poder quando do triunfo da Revolução que comandou e que Raúl era um dos comandantes da revolução vitoriosa. Portanto, Raúl não está à testa de Cuba por ser irmão e sim na qualidade de dirigente histórico da Revolução. Por sinal, Raúl militou nas hostes da esquerda cubana antes que Fidel assumisse nítidas posições de esquerda.

Afirma ainda em seu artigo que “segundo Ben Rodhes, da Casa Branca, não era certo, até momento antes da coletiva, que o dirigente cubano aceitaria responder a perguntas dos repórteres, mas ele acabou aceitando.” À parte a especulação, cumpre lembrar que as visitas do ex-presidente Jimmy Carter, do papa João Paulo II, do papa Francisco, por exemplo, e seus pronunciamentos foram amplamente divulgados pela imprensa, rádio e televisão locais. O mesmo ocorre com a visita de Obama. Todos os seus passos e manifestações estão sendo ampla e livremente difundidos pela mídia cubana e as repercussões na imprensa internacional transmitidas abertamente ao público cubano.

“Só isso já mostra que Cuba, de fato, começa a mudar”. A Folha também poderia começar a mudar. Por exemplo, deixar de apresentar invariavelmente o presidente Raúl Castro como ditador ao mesmo tempo em que trata delicadamente de príncipe a Salman el Saud, chefe de Estado, de governo, de tudo da monarquia absoluta da Arábia Saudita.

Nossa imprensa insiste que a aproximação Cuba-Estados Unidos fará com que a ilha se afaste da Venezuela, deixando-a sozinha com seus dramáticos problemas. O indício dessa situação é que Nicolás Maduro foi a Cuba, retornando às pressas a Caracas antes que Obama pousasse em Havana.

As notícias informam algo diferente. O presidente Raúl Castro se reuniu com Maduro e constataram “o excelente estado dos vínculos bilaterais e ratificaram a vontade de continuar fortalecendo os programas de cooperação, paradigma de vínculos fraternais, solidários e mutuamente benéficos”.

E ainda de Havana nos vem a notícia de que o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, manteve histórico encontro com as FARC em Cuba. E atenção, Kerry não é membro do Foro de São Paulo.

Kerry chegou à ilha junto com Obama, reunindo-se no dia seguinte com as FARC. A guerrilha e o governo da Colômbia negociam em Havana um acordo de paz para terminar com mais de meio século de enfrentamento armado. “A paz na Colômbia avança” escreveu no Twitter Iván Márquez, chefe da equipe de negociação dos rebeldes.

Resta a Kerry convencer o ex-presidente colombiano Uribe que a vez de uma paz honrosa e justa chegou e que a hora dos narcoterroristas acabou, para a alegria do povo colombiano.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Alan Kevedo Postado em 23/Mar/2016 às 11:11

    SE O PSDB DO TRIUNVIRATO AÉCIO, ALCKMIN, SERRA, OU O PMDB DO TRIUNVIRATO CUNHA, TEMER CALHEIROS CONCRETIZAREM A AMEAÇA DE NOS GOVERNAREM NOVAMENTE, NESSA INSANA BATALHA ENTRE COXINHAS E PETRALHAS, A GENTE SEGUE O CAMINHO DO OBAMA.

  2. Jonas Schlesinger Postado em 23/Mar/2016 às 12:10

    Não engulo essa das Faarc. Pra mim eles assinam na base da AK-47 e não na canetada. Um grupo que sequestra jornalistas, políticos e civis, jamais terá o seu devido respeito.

  3. Carlos Alberth Postado em 23/Mar/2016 às 12:28

    A direita-fascista brasileira deve ter enlouquecido. "Como pode, um filho do Tio Sam pisar naquela ilha do demônio? Será que Obama não sabe que lá acontecem as reuniões do Foro de São Paulo? Será que Obama não sabe que eles sacrificam criancinhas para louvar o demônio?" AHAHAAHHAAHAHHAAHAHHAHAHAHA Bravo, Obama! Vamos caminhar pela paz juntos!

    • Guilhermo Postado em 23/Mar/2016 às 15:05

      Não, provavelmente ninguém teve uma reação assim.

  4. Guilhermo Postado em 23/Mar/2016 às 12:49

    Claro que ele foi bem contente. Cuba é um lugar com paisagens lindas. Eu também iria bem contente. O problema é ser obrigado a viver lá com o regime de governo atual. Mas parece que está se abrindo. Que bom né!

    • Rodrigo Postado em 23/Mar/2016 às 16:55

      (Outro Rodrigo) Pois é, Guilhermo. Não podemos confundir um povo, uma Pátria, com seus ditadores. Lugar lindo, de bela cultura, pessoas de valor. Por isso mesmo Obama ressaltou a necessidade de liberdade para eleição de governantes, bem como pediu a libertação de presos políticos.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 23/Mar/2016 às 15:04

    "Tela azul da morte" no já precário cérebro coxinha.