Redação Pragmatismo
Compartilhar
Ciência 08/Mar/2016 às 10:10
4
Comentários

Renomada revista científica passa vergonha ao usar 'criação divina' em artigo

O mundo das ciências evolutivas está em polvorosa desde que, na última semana, a renomada revista científica PLOS One publicou um artigo que menciona três vezes a "criação divina"

renomada revista científica deus religião
(Imagem: Pragmatismo Político)

O mundo das ciências evolutivas está em polvorosa desde a noite da última quarta-feira (2).

A renomada revista científica PLOS One publicou o artigo Biomechanical Characteristics of Hand Coordination in Grasping Activities of Daily Living, de autoria de um grupo de pesquisadores chineses liderados por Ming-Jin Liu. O artigo é do escopo da Biomecânica e tem como objetivo investigar as coordenações motoras da mão humana no ato de agarrar objetos. Até então, tudo parece normal, a não ser por três citações que mencionam “O Criador (The Creator)” como provável responsável pela complexidade morfológica desses membros.

revista renomada científica deus religiosidade

Apesar de publicado em janeiro, apenas essa semana o artigo foi amplamente divulgado. O site da revista então começou a ser alvo de críticas pesadas (e extremamente justas), as quais também ecoaram nas redes sociais. Isso porque, de acordo com a Ciência, o Criacionismo é uma vertente pseudocientífica, de base religiosa, que procura forjar ou manipular evidências para contradizer, sem sucesso, a Teoria da Evolução. Acreditar no Criacionismo (ou no seu filho mais recente, o Design Inteligente), é como acreditar que a Terra é plana.

É claro que sites criacionistas começaram a reproduzir, em tom de vitória, o “sucesso” de suas “confirmações”. Felizmente, o que veio a seguir foi uma cascata de eventos vergonhosos para a revista e, consequentemente, para os leitores que compraram essa ideia.

Para começar, a PLOS One emitiu o comunicado pedindo desculpas pelo uso da palavra “Creator”, mencionada três vezes, afirmando que essa passou despercebida pelo corpo editorial e que vai averiguar os pormenores da submissão.

Diversos editores do periódico criticaram o artigo e exigiram a retratação e anulação do manuscrito, além da deposição do editor responsável pela sua publicação, o também chinês Renzhi Han. Houve quem inclusive ameaçasse pedir demissão do cargo, como o matemático espanhol Dr. Angél Sanchez, caso a revista não tome uma postura enérgica. Autores também se manifestaram ameaçando retirar publicações submetidas e nunca mais considerar a Plos One como meio de veiculação de suas pesquisas. (Clique aqui para conferir os comentários).

Para a surpresa de muitos, Ming-Jin Liu respondeu as críticas na seção de comentários da revista e alegou que o uso da palavra “Creator” foi advindo de um erro de interpretação por parte dele e dos demais autores. Por não ter o inglês como língua nativa, ele conta que usou a palavra de modo inadequado e que inclusive havia corrigido na versão final de revisão para a palavra “Nature” (relacionando-a como resultado da Evolução). Ele ainda afirma categoricamente que o artigo não tem qualquer relação com Criacionismo. Entretanto, fica a dúvida sobre a veracidade dessa desculpa. Não consigo imaginar como “Creator´s invention” pode ter sido fruto de erro de interpretação ou tradução. Estranho também terem escolhido C maiúsculo, algo que claramente remete ao Deus cristão. Mais estranho ainda é que o restante do artigo está textualmente bem escrito, o que contraria essa alegada não-familiaridade com o idioma.

Como se não bastasse, o artigo, sob o ponto de vista da discussão evolutiva, é de qualidade bastante duvidosa, mesmo considerando que os autores tenham apenas se enganado quanto à menção divina. O antropólogo evolucionista Dr. Zach Throckmorton, no site da PLOS One, afirma que o artigo não traz absolutamente nada de novo e sim conclusões e devaneios sobre algo já muito bem estabelecido pela Ciência. Os autores ainda usam termos como “superiores” e “bárbaros” para separar primatas humanos de não humanos, expressões consideradas como arcaicas e Pré-Darwinianas.

A polêmica expôs uma grande fragilidade da revista. A maioria dos periódicos científicos possui um corpo editorial reduzido que avalia previamente se o artigo possui robustez suficiente antes de ser encaminhado para dois revisores. Todavia, de acordo com o blog do Dr. Jerry Cole, professor da Universidade de Chicago, a PLOS geralmente suprime essa fase inicial e dá o veredito somente após a revisão dos pares. Com um corpo editorial numeroso, torna-se difícil o controle sobre esse tipo de situação. Outra crítica que recai sobre o jornal e que gera forte desconfiança é o curto tempo entre a submissão (Outubro de 2015), aceitação (Dezembro de 2015) e a publicação do manuscrito (Janeiro de 2016). Para uma revista de impacto tão alto, um artigo que se propõe a esse tipo de afirmação dificilmente é publicado em tão pouco tempo. Houve mesmo quem duvidasse de que o artigo tenha sido de fato lido por revisores.

Importante ressaltar que, para publicar na PLOS One, os autores devem desembolsar uma quantia de US$ 1.495,00 para que o artigo tenha acesso gratuito a todos os leitores. Essa prática já vem sendo amplamente discutida no circuito acadêmico como potencialmente abusiva e esse tipo de ocorrência, como aponta um dos Editores da revista, Dr. Ricard Solé, traz um sério prejuízo para a credibilidade do periódico.

Tantas falhas graves sendo trituradas por uma chuva de críticas obrigou a revista a retirar a publicação. Sem dar muitos detalhes, o corpo editorial pede desculpas e afirma que houve etapas no processo de avaliação que não foram cumpridas corretamente e que em breve soltará um artigo de retratação.

Que esse caso sirva de exemplo para fomentar a discussão sobre os processos de avaliação das revistas científicas e principalmente para enrijecer o cerco contra toda e qualquer tipo de pseudociência.

*Hugo Fernandes-Ferreira é biólogo, doutor em zoologia, e professor universitário, Brasil Post

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Postado em 08/Mar/2016 às 12:59

    é interessante, será que estes que criticam por ela creditar a Deus a criação, se sentem como criados por quem???? ou por que???? são tão soberbos os que negam Deus que não chegam ao absurdo de querer que todos o façam, numa falta de respeito ao outro e a verdade única..... Somos por que Deus quer que sejamos.PONTO.

    • S Rod Postado em 08/Mar/2016 às 18:41

      Agreed.

  2. Jonas Schlesinger Postado em 08/Mar/2016 às 14:58

    A criação é uma hipótese assim como a evolução. Eu não veria problema algum esse tema ser colocado num livro de ciência.

    • S Rod Postado em 08/Mar/2016 às 18:41

      Quase concordo do ponto de vista do tema criar ambiguidade. Mas eu acredito, que a criação é um fato e a evolução uma hipótese.