Eric Gil
Colunista
Compartilhar
Protestos 19/Mar/2016 às 11:58
24
Comentários

Quem foi pra onde? Uma comparação entre os dias 13 e 18

Eric Gil*, Pragmatismo Político

Em forte polarização política, assistimos no espaço de cinco dias, duas grandes manifestações em todo o país, a do dia 13, com movimentos e pessoas a favor do impeachment e com forte caráter anti-PT, e do dia 18, feito em defesa do governo, contra o impeachment e a favor da democracia, composto por militantes e simpatizantes do próprio PT e de outros partidos, mas também de movimentos sociais (estudantis, do campo, sindicais, etc.) e de apoiadores.

Muito já se falou da primeira, e ainda será falada da segunda manifestação. O que este artigo propõe é uma análise comparativa de quem compareceu a estes dois atos, analisando o perfil dos manifestantes a partir dos dados do Instituto Datafolha, instituto ligado ao jornal Folha de São Paulo, que acaba de publicar em sua edição impressa de sábado (19) a pesquisa sobre o perfil dos manifestantes do dia 18 (no dia seguinte à manifestação de domingo, a Folha já havia publicado a pesquisa referente ao outro ato).

No dia 13, o Datafolha entrevistou uma amostra estatística de 2.262 de manifestantes na Avenida Paulista. Já no dia 18, foram 1.963 entrevistados.

Deixando as consequências políticas de cada um desses atos, vamos aos dados do perfil dos seus manifestantes na Paulista.

O primeiro dado é o de presença de mulheres nas manifestações. Na Paulista, tanto no dia 13 quanto no dia 18, houve uma presença maior de homens do que de mulheres (57% de homens e 43% de mulheres), apesar do número ser exatamente o oposto na população paulistana (43% de homens e 57% de mulheres). O que mostra ainda uma sobreposição dos homens na política, independentemente de qual manifestação tratemos.

O segundo dado é de idade. Podemos ver pela média que as manifestações pró-governo apresentaram uma maior presença de pessoas mais jovens. Com a presença de organizações do movimento estudantil, como a UNE e a ANPG, além dos trabalhos de cada um dos movimentos e partidos na juventude, o caráter de maior mocidade do dia 18 se sobressai a uma presença de pessoas mais velhas no dia 13 (40% dos manifestações do domingo tinham mais de 50 anos, enquanto que para o dia 18 este número era de 26%).

Leia aqui todos os textos de Eric Gil

perfil idade manifestantes pró impeachment pró governo
Fonte: Datafolha

Já no que se refere à escolaridade, os números mostram uma incrível homogeneidade. A diferença destes números são estatisticamente insignificantes, tendo em vista que a pesquisa tem uma margem de erro de dois pontos percentuais pra cima e dois pra baixo. A alta escolaridade, com a presença esmagadora de pessoas com ensino superior, mostra uma certa elitização, ao menos do ponto de vista de capital educacional, em ambas as manifestações.

perfil idade manifestantes pró impeachment pró governo
Fonte: Datafolha

Por fim, temos o mais polêmico dos dados, o da renda dos manifestantes. Podemos perceber por esta pesquisa que nas manifestações da Paulista do dia 13 a favor do impeachment, pessoas de alta renda eram mais presentes do que no dia 18. Para se ter uma ideia, enquanto que no dia treze, 43% das pessoas possuíam renda superior a 10 salários mínimos (R$8.800,00), no caso do ato pró-governo este número é de apenas 28%.

perfil renda manifestante impeachment dilma lula
Fonte: Datafolha

Apesar dos pesares, mesmo com algumas disparidades, parece que as parcelas mais precarizadas e exploradas, ainda não entraram em cena. A ínfima participação das pessoas com baixa escolaridade e com baixa-renda (em nenhuma das duas manifestações as pessoas com renda de até R$1.760,00 – que representa 29% da população paulistana – chegou aos 10%) apareceu até agora. Matérias de jornais estrangeiros como o espanhol El País e o alemão Deutsche Welle , tentaram ouvir o que a periferia que não foi às ruas têm a dizer, e é o que não falta.

*Eric Gil é economista do Instituto Latino-americano de Estudos Socioeconômicos (ILAESE) formado pela Universidade Federal da Paraíba, mestre e doutorando em Ciência Política pela Universidade Federal do Paraná; escreve quinzenalmente para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Rogerio Postado em 19/Mar/2016 às 18:15

    Deve ser da sua família também, da elite velha,branca e acomodada que não suporta ver a periferia crescendo. Fascista analfabeto politico.

    • Ronaldo Postado em 20/Mar/2016 às 03:22

      Rogerio, quem não suporta ver pobre crescendo é o GOverno DIlma que despejando crédito para grandes empresarios(que coisa) por meio do BNDES, e com outras medidas, aumentou a inflação que destroi o poder de compra dos pobres e transfere riqueza pros ricos.

    • Thiago Teixeira Postado em 21/Mar/2016 às 12:33

      Vai estudar História Ronaldo, depois venha aqui repercutir papinho a lá Globo News.

  2. Salomon Postado em 19/Mar/2016 às 18:54

    Se a escolaridade se equipara, então a questão não é de ciência, mas de consciência. Lula em 2018.

  3. Jonas Schlesinger Postado em 19/Mar/2016 às 18:59

    Uma coisa eu fico indignado é com esse jogo de pingue-pongue da atual situação do Lula. Ninguém mais sabe onde esse senhor será investigado. Ora estava sob o crivo do Moro, ora sob a tutela do STF e agora volta para o juiz. Aí ninguém fica sabendo como, quando e onde esse cidadão vai ser julgado. Por isso que a justiça brasileira é um verdadeiro Fusca comparado com o jato que é a justiça norte-americana. E a gente só ouve trololó de embates de mídias como na G1 versus Carta Capital ou Uol vs PP. Afinal, o que falta para ele virar réu? Pra mim o Moro só faz picuinha pra ficar famoso, só pode. Porque qualquer ilegalidade descoberta (se o juiz fosse imparcial e a justiça naum fosse partidarista) já teria uma prisão preventiva debaixo da porta do nine fingers há muito tempo. Afinal, Moro, o Lula é ou não é culpado?

    • Rosali de Rosa Cantlin Postado em 20/Mar/2016 às 02:57

      Boa pergunta. Com a fixação que o moro (assim mesmo, com minúscula) já deixou bem clar a que tem em prender o Lula, para ser coroado "heroi nacional", vc acha que se tivesse alguma prova concreta de culpa ele já não estaria na cadeia? O "onus da prova é de quem acusa, mas ele não consegue provar suas acusações e quer obrigar o Lula a provar que é inocente. Se isso não for golpe, eu não sei que nome dar. Se o Lula foi para o Ministério para escapar do goilpe ele não fez nada demaisw. Ninguém fica sentado, esperando levar um golpe pelas costas. Contra golpe no juiz global. E viva a Democracia!

      • Marcos Arantes Postado em 22/Mar/2016 às 17:54

        Rosali, pra início de conversa, quem acusa é o Ministério Público e não o Judiciário. O Judiciário, como o próprio nome diz, julga. As provas são colhidas durante o processo judicial e ainda não há processo contra o Lula. Ainda está na fase de investigações. Portanto, nada a ver com golpe ou outra coisa. Até porque o Lula, até onde eu saiba, não foi eleito pra nada, ou foi? Se o Lula for preso, poderá recorrer e se a decisão do Moro estiver errada, o que é normal dentro do Judiciário, será reformada pela instância superior (TRF). Portanto, da próxima vez, procure expor sua opinião com conhecimento de causa, ok?

    • Rosali de Rosa Cantlin Postado em 20/Mar/2016 às 03:02

      Exatamente. O moro quer prender sem julgamento e sem condenação. O ônus da prova é de quem acusa, mas como nãoo conseguiram provar nada ( olha que estão trabalhando 24 horas e, até agora, nada) querem prender o Lula e obrigá-lo a provar que não é culpado. Você ficaria sentado esperando sofrer o golpe, ou tentaria um contra-golpe? "Pimenta nos olhos dos outros é refresco", né?

    • Emanuel Postado em 21/Mar/2016 às 06:05

      Isso ainda não se sabe. Por isso está sendo investigado. É assm que funciona, não?

    • Ana Cordeiro Postado em 30/Mar/2016 às 22:42

      Porque pra ser julgado , criatura, tem que ter crime. E por mais que tentem não conseguiram provar que o Lula cometeu algum. Entendeu ou ainda tá difícil?

  4. Marcelo Postado em 19/Mar/2016 às 19:25

    Era eu, e nao sou da familia do Lula. Nao e porque sou privilegiado que nao vou lutar por um pais mais justo socialmente e democratico. Se houve melhoras para os grandes empresarios nos anos Lula foi gracas a melhora da dustribuicao de renda.

  5. Onda Vermelha Postado em 19/Mar/2016 às 19:35

    Para aqueles que frequentemente buscam menosprezar os que apoiam a manutenção do Governo Dilma e o respeito ao resultado as urnas, como "apoiador de bandidos" , "quadrilheiros", deve mesmo ser um "tapa na cara" constatar por essa pesquisa que o nível de escolaridade dos manifestantes da Avenida Paulista é equivalente, e desmonta muitos mitos. Não é mesmo? #AceitaDilmaVez que dói menos.

    • Salomon Postado em 20/Mar/2016 às 11:04

      Você confunde grau de escolaridade com poder econômico.

    • Jonas Schlesinger Postado em 20/Mar/2016 às 18:18

      Não. O último estudo não tinha nada a ver com escolaridade. Teve a ver com renda. Ou seja, os mais ricos e os mais pobres estão fora dessa batalha ideológica que foram as manifestações. O que prevalece é a classe média em ambos os lados.

    • Preto VElho Postado em 23/Mar/2016 às 12:19

      Não sabia que o Sérgio Moro, que vazou grampos, era defendido penos do dia 18. Também desconheço os defensores do Cunha, estes não estavam no dia 13? E o Ronaldo Caiado (DEM-GO), que pululava pelos grotões do MASP? Puxa vida, nem o Gilmar Mendes esse pessoal poupa, só porque ele deu 2 habeas corpus para o Daniel Dantas em 24h, soltura pro Roger Abdelmassih e botou o Protógenes pra fora da PF PELO MESMO MOTIVO DE GRAMPOS QUE O MORO É LOUVADO COMO DEUS? Explicaí.

  6. Carlos Prado Postado em 19/Mar/2016 às 20:03

    Sei não, devemos lembrar que o Lula é um operário, gente do povo, o único em todo o partido dos trabalhadores, um partido que aglomera a maior quantidade de burgueses e aristocratas.

    • Moacir Postado em 20/Mar/2016 às 10:19

      Mostre o estudo em que se baseou para afirmar que o PT tem maior quantidade de burgueses e aristocratas que os outros partidos. Defina o que entende por "aristocrata".

  7. Olegário Postado em 19/Mar/2016 às 23:29

    Vai tomar no seu cu, filho da puta.

  8. Eduardo Postado em 20/Mar/2016 às 01:31

    Que comentário, hein? Gastou quantos neurônios? Um artigo mostrando estatísticas e vem um cara com comentário de grupo de Whatsapp do interior de SP. PQP!

  9. Caio Souza Postado em 21/Mar/2016 às 12:11

    Prezado Eric Gil. Interessante de ver esses dados e em certa medida (e a despeito do esforço do PT para recrutar os mais pobres para a "causa") esperado. Pessoas politicamente engajadas costumam ser as com mais estudo formal. Só gostaria de fazer uma observação quanto à questão final da renda que você coloca. Como pudemos perceber, as manifestações do dia 13 tiveram adesão de um público mais velho, logo há de se investigar a possível correlação da idade com a renda (pessoas mais velhas estão mais "à frente" na carreira por isso possuem renda superior). No mais, gostaria de destacar (minha visão pessoal) a "qualidade" de um manifestante mais velho - normalmente os mais velhos não estão dispostos a ir às ruas (pois não têm mais o furor romântico que move os mais jovens), se o fazem, provavelmente o nível de indignação é realmente alto. Também há de se destacar que os "mais velhos" viveram outros períodos políticos e portanto estão aptos (principalmente os com mais estudo) a ter uma leitura um pouco mais fidedigna da realidade. Abs!

  10. Thiago Teixeira Postado em 21/Mar/2016 às 12:34

    TV Revolta cara? Sério mesmo?

  11. Thiago Teixeira Postado em 21/Mar/2016 às 12:36

    Sérgio Moro também é funcionário público, não esqueça.

    • Marcos Arantes Postado em 22/Mar/2016 às 17:55

      Sim, servidor concursado e não comissionado, aliás um dos concursos públicos mais difíceis de se passar!!

  12. Ninguém Postado em 22/Mar/2016 às 10:32

    A pesquisa foi feita pelo Datafalha. É o instituto que, em matéria de "erros", só perde para aquele do Paraná. Quem garante que o número de entrevistados foi esse mesmo? Quem garante que não usaram filtros para selecionar os entrevistados (o filtro, para quem não sabe, é um meio de você determinar o perfil do entrevistado, para que esteja de acordo com os objetivos da pesquisa)? O Datafalha, lembremos, conseguiu a façanha de ver 500.000 manifestantes na manifestação do dia 13/3, mas apenas 95.000 nas manifestações do dia 18/3, ambas na avenida Paulista.

O e-mail não será publicado.